Quinta, 27 de Janeiro de 2022
25°

Poucas nuvens

Nova Cantu - PR

Curiosidade Asteroides

Vários asteroides estão indo em direção à Terra: como lidaremos com ameaças

Não olhe agora, mas estamos convivendo com uma série de histórias sobre uma catástrofe global iminente

14/01/2022 às 18h38
Por: Redação Fonte: https://universoracionalista.org/varios-asteroides-estao-indo-em-direcao-a-terra-como-lidaremos-com-ameacas/
Compartilhe:
Isso poderia acontecer? (Créditos: Triff/Shutterstock)
Isso poderia acontecer? (Créditos: Triff/Shutterstock)

Traduzido por Julio Batista
Original de Monica Grady para o The Conversation

Mas junto às várias notícias de pandemias e mudanças climáticas, essa catástrofe global é produzida pelo impacto de um asteroide gigante. Ou cometa. Ou ambos. Isso pode parecer ainda mais ameaçador, considerando os eventos do recente filme da Netflix “Não Olhe Para Cima”, no qual a Terra é ameaçada por um asteroide “assassino de planetas”. Mas quão preocupados realmente deveríamos estar – e o que aconteceria se um corpo assim realmente nos atingisse? Tem sido minha experiência que asteroides assassinos tendem a aparecer na mídia nos meses de verão, quando as notícias são escassas. Talvez estejamos tão cansados ​​de notícias sombrias sobre a disseminação da variante da COVID omicron e problemas associados que um asteroide (ou cometa) assassino faz uma mudança refrescante de assunto.

Alguns jornais do Reino Unido se voltaram para Nostradamus, o astrólogo do século XVI. Um casal publicou histórias no final de 2021 sobre 2022 sendo o ano em que Nostradamus previu que o mundo terminaria em um impacto gigante com um corpo espacial. Esse gancho resultou em tabloides sobre objetos que podem (ou que, mais provavelmente, não vão) chegar perto da Terra em 2022. Minha lista de favoritos foi publicada pelo jornal The Sun, que descrevia cinco asteroides indo em direção à Terra apenas em janeiro.

A manchete assustadora e a imagem que a acompanha de uma Terra em aparente perigo é um pouco prejudicada pelas frases que seguem a imagem, nas quais o jornal afirma que “todos os asteroides previstos este ano passarão pela Terra a uma distância significativa e é muito improvável que atingirá nosso planeta.” Já perdemos (ou fomos poupados) os dois primeiros asteroides nesta lista (2021 YQ e 2021 YX) que passaram pela Terra em 5 de janeiro a distâncias de 1,9 e 3,9 milhões de quilômetros, respectivamente.

Não, eu também não os notei — e estudo asteroides. Há mais três asteroides previstos para passar entre 1,6 e 8 milhões de quilômetros da Terra nos próximos dias, variando em tamanho desde o de um carro até o da Estátua da Liberdade. Aquele que chegar mais perto ainda estará quatro vezes mais longe que a Lua, então não exatamente perto.

Foto aérea da cratera de Barringer. (Créditos: USGS/Wikimedia)

‘Não Olhe Para Cima’ é realista?

Não Olhe Para Cima é uma alegoria, usando o impacto catastrófico global de um “assassino de planetas” para o impacto catastrófico global das mudanças climáticas. É um conto de corrupção, venalidade e interesse próprio político e corporativo colocado à frente da saúde e bem-estar da humanidade. Também é muito engraçado. Sem dar muitos spoilers, a trama gira em torno de dois astrônomos (uma estudante de pós-graduação e seu professor) que descobrem um cometa que colidirá com a Terra dentro de seis meses. Eles tentam contar para a presidente dos Estados Unidos (interpretada gloriosamente por Meryl Streep), mas ela está mais preocupada com as eleições no meio do mandato.

O filme zomba da política de direita dos EUA, a influência de doações a partidos políticos na (e a políticos) na política, a crescente capacidade da tecnologia moderna de coletar informações sobre saúde, hábitos e estilo de vida e o uso dessas informações por gigantes da tecnologia.

No entanto, não zomba da ciência: a descoberta do cometa é (meio que) realista. O que é como deveria ser, já que Amy Mainzer, investigadora principal do programa de rastreamento de asteroides NEOWISE da NASA, foi consultora científica da produção. No filme, os astrônomos relatam suas descobertas ao Escritório de Coordenação de Defesa Planetária, que, como o filme mostra, é uma organização real operada pela NASA.

Então o filme é realista? A Terra foi atingida por grandes asteroides no passado – e é por isso que não há dinossauros enormes vagando pelo planeta hoje. E é bombardeado todos os dias por toneladas de poeira e meteoritos. É certo que um “assassino de planetas” está previsto no futuro (embora ocorra no máximo uma vez em 50 milhões de anos) – e isso é levado muito mais a sério pelos governos internacionais do que é mostrado no filme.

Existe um protocolo bem testado para relatar novos asteroides e cometas, que é como sabemos sobre aqueles que passam perto da Terra este mês.

Também existem planos para mitigar as possíveis consequências de um asteroide em rota de colisão com a Terra. Eles normalmente dependem de desviar o curso do asteroide, já que tentar destruí-lo no último minuto não é viável – levaria em conta muita energia. O lançamento em novembro da missão DART da NASA, uma missão de teste de tecnologia, ajudará ainda mais a esclarecer a melhor forma de desviar os asteroides que ameaçam a Terra.

Mas onde Não Olhe Para Cima toca na ferida é a falta de preparo para a emergência se (e quando) ela finalmente acontecer e os planos de mitigação falharem. Aqui volto à alegoria das mudanças climáticas. Não há Plano B. No filme, o slogan ‘Não Olhe Para Cima’ é uma negação de que um cometa que se aproxima destruirá o planeta – é retratado como uma notícia falsa.

Achei um ótimo filme. É entretenimento. Mas não é uma notícia falsa. Somos uma comunidade global e devemos agir juntos.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Ele1 - Criar site de notícias