Sábado, 28 de Maio de 2022
20°

Pancada de chuva

Nova Cantu - PR

Curiosidade Superlua

Podemos ter acabado de detectar uma superlua fora do Sistema Solar

A Via Láctea deve estar absolutamente recheada de luas, se você parar para pensar sobre isso. O Sistema Solar tem 8 planetas oficiais, mas pelo menos 25 vezes mais luas.

13/01/2022 às 19h17
Por: Redação Fonte: https://universoracionalista.org/podemos-ter-acabado-de-detectar-uma-superlua-fora-do-sistema-solar/
Compartilhe:
Ilustração da candidata a exolua Kepler-1708 bi. (Créditos: Helena Valenzuela Widerström)
Ilustração da candidata a exolua Kepler-1708 bi. (Créditos: Helena Valenzuela Widerström)

Traduzido por Julio Batista
Original de Michelle Starr para o ScienceAlert

No entanto, embora tenhamos confirmado quase 5.000 exoplanetas (isto é, planetas fora do Sistema Solar) até o momento, as exoluas são escassas, para dizer o mínimo. Uma detecção provisória foi feita em 2017; agora, finalmente temos uma segunda candidata para se juntar à outra. A candidata a exolua foi nomeada Kepler-1708 bi, orbitando um exoplaneta que orbita uma estrela a cerca de 5.500 anos-luz de distância. As evidências até agora sugerem que é bastante grande – cerca de 2,6 vezes o tamanho da Terra, provavelmente gasosa como um Netuno bebê. Seu planeta hospedeiro é um pouco menor que Júpiter.

Isso é semelhante a primeira candidata a exolua, Kepler-1625 bi, que está localizada a cerca de 8.000 anos-luz de distância, aproximadamente do tamanho e massa de Netuno (também provavelmente gasosa), e orbitando um exoplaneta com várias vezes a massa de Júpiter. Ambos as candidatas a exolua e seus exoplanetas também estão orbitando suas respectivas estrelas a distâncias bastante grandes. Ambas são muito diferentes das luas que temos aqui na vizinhança do Sistema Solar; mas isso faz muito sentido.

“Os astrônomos encontraram mais de 10.000 candidatos a exoplanetas até agora, mas as exoluas são muito mais desafiadoras”, disse o astrônomo David Kipping, da Universidade de Columbia, que também liderou a descoberta de Kepler-1625 bi com seu colega Alex Teachey.

“As primeiras detecções em qualquer pesquisa geralmente serão as mais esquisitas. Os objetos grandes que são simplesmente mais fáceis de detectar com nossa sensibilidade limitada.”

A candidata a exolua foi revelada em uma busca de dados coletados pelo telescópio espacial Kepler (agora aposentado e em repouso no espaço). A missão do Kepler era procurar exoplanetas. Isso é complicado, já que os exoplanetas são muito pequenos e muito escuros para serem vistos diretamente na maioria das vezes; temos que procurá-los tentando ver os efeitos muito pequenos que eles têm em suas estrelas hospedeiras. No caso de Kepler, isso envolveu olhar para as estrelas, procurando por quedas muito fracas e regulares no brilho que indicam que algo está se movendo entre nós e a estrela em intervalos regulares – em outras palavras, um exoplaneta em órbita. Essas quedas muito fracas são conhecidas como curva de luz de trânsito.

Nos dados do Kepler, e mais tarde do Hubble, Kipping e Teachey identificaram um sinal fraco além da curva de trânsito do exoplaneta para Kepler-1625 bi. Em seguida, eles voltaram aos dados procurando por mais desses sinais.

Eles estudaram os dados do Kepler para 70 exoplanetas. Apenas um exoplaneta chamado Kepler-1625 b era compatível com um sinal de exolua; mas, segundo os pesquisadores, era um sinal muito forte.

“É um sinal persistente”, disse Kipping.

Kepler-1708 bi ainda não foi confirmada, assim como sua antecessora; de fato, alguns astrônomos contestaram se Kepler-1625 bi é uma assinatura de exolua, sugerindo que o sinal era um erro de redução de dados.

Prevenindo tal crítica novamente, desta vez os pesquisadores calcularam a possibilidade de que o sinal de Kepler-1708 bi seja um erro nos dados: é, disseram eles, de apenas 1 por cento. No entanto, as questões permanecem. Não temos certeza de como um exoplaneta gigante gasoso e um sistema de exolua gasosa podem se formar; já que não há nada parecido com eles no Sistema Solar, isso sugere que o mecanismo de formação é diferente daqueles que formaram as luas aqui. Talvez as luas tenham acumulado gás de seus exoplanetas hospedeiros; ou talvez tenham começado como exoplanetas e depois foram capturadas.

Descobrir isso exigirá mais trabalho; assim como confirmar se a detecção é de fato uma exolua. No mínimo, serão necessárias observações de acompanhamento para ver se outro instrumento também pode detectar o sinal. Mas é perfeitamente possível que a única maneira de confirmarmos a detecção de exoluas seja… continuando a encontrar várias de forma que sua existência não pode mais ser contestada.

Então, é claro, o próximo desafio será encontrar aquele ser raro e indescritível, uma lua de uma lua. Por enquanto, no entanto, a busca por exoluas continua.

A pesquisa da equipe foi publicada na Nature Astronomy.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Ele1 - Criar site de notícias