Domingo, 05 de Dezembro de 2021
30°

Pancada de chuva

Nova Cantu - PR

Curiosidade Alienígenas

Novo telescópio chinês é a chave para encontrar enxames de robôs alienígenas autorreplicantes?

Uma das questões mais desafiadoras a serem respondidas ao confrontar o Paradoxo de Fermi é por que as tecnologias de escala exponencial ainda não dominaram o Universo.

18/10/2021 às 20h48
Por: Redação Fonte: https://universoracionalista.org/novo-telescopio-chines-e-a-chave-para-encontrar-enxames-de-robos-alienigenas-autorreplicantes/
Compartilhe:
(Créditos: gremlin/E+/Getty Images)
(Créditos: gremlin/E+/Getty Images)

Traduzido por Julio Batista
Original de Andy Tomaswick para o Universe Today

Comumente conhecido como sondas de von Neumann, a ideia de um enxame de robôs extraterrestres autorreplicantes tem sido algo basilar na ficção científica por décadas. Mas, até agora, nunca houve qualquer evidência de sua existência fora do reino da ficção. Isso pode ser porque não passamos muito tempo procurando por eles – e isso pode mudar potencialmente com o novo Radiotelescópio Esférico com 500 metros de Abertura (FAST).

De acordo com alguns cálculos recentes, a nova plataforma de observação massiva pode ser capaz de detectar enxames de sondas de von Neumann relativamente longe do Sol. Esses cálculos, realizados pelo Dr. Zaza Osmanov, da Universidade Livre de Tbilisi, na Geórgia, mostraram que enxames de sondas de von Neuman para civilizações altamente avançadas poderiam ser visíveis na faixa de rádio espectral que é o ponto focal do FAST.

Para ajudar na busca, o Dr. Osmanov usou duas estruturas para limitar a solução potencial. A primeira foi a ideia das civilizações de Kardashev, enquanto a outra são estimativas dos perfis de emissões térmicas e eletromagnéticas de qualquer enxame.

escala de Kardashev é um conceito bem compreendido na especulação científica – concentra-se no uso geral de energia de uma civilização, com diferentes categorias (Tipo I, Tipo II ou Tipo III) correlacionados com a utilização de toda a produção de energia de um planeta, um estrela e uma galáxia, respectivamente. Atualmente, acredita-se que a civilização humana esteja em torno de 0,75 na escala de Kardashev. Mas dada a quantidade relativamente limitada de tempo que os humanos passaram se desenvolvendo no planeta, há uma probabilidade muito alta de que, se houver vida em outro lugar da galáxia, ela terá tido muito mais tempo para evoluir e se desenvolver tecnologicamente. Tempos de desenvolvimento tecnológico mais longos aumentam a probabilidade de uma civilização atingir os níveis de desenvolvimento K-II (energia estelar) ou mesmo K-III (energia galáctica).

Quando uma civilização tem tanto tempo para trabalhar em novas tecnologias, provavelmente terá desenvolvido a capacidade de criar máquinas autorreplicantes, como uma sonda de von Neumann, como parte desse processo de desenvolvimento tecnológico.

Uma vez que esse monstro tecnológico saísse da jaula, seria quase impossível colocá-lo de volta. Se até mesmo uma civilização os liberasse na galáxia, os autorreplicantes provavelmente começariam a se expandir para todos os recursos disponíveis, focando apenas em sua própria reprodução.

De acordo com o Dr. Osmanov, porém, seríamos pelo menos capazes de ver esse caminho de destruição chegando. Como todos os sistemas imperfeitos, essas máquinas autorreplicantes emitem alguma forma de radiação que, após algumas suposições simplificadoras, calculou o Dr. Osmanov, deve ser visível no espectro de rádio. Especificamente, ele ficaria bem no meio do espectro que o FAST foi projetado para captar.

(Créditos: FAST)

Saber que será possível detectar um enxame é apenas um pouco útil, embora – saber a que distância você pode detectá-lo é muito mais útil. Como acontece com asteroides potencialmente perigosos, quanto mais cedo formos informados do perigo iminente, melhor – pelo menos para combatê-la.

Para tentar calcular as distâncias, o Dr. Osmanov fez algumas suposições mais simplificadoras, como a potência útil máxima que poderia ser esperada com base no nível de Kardashev que a civilização atingiu. Por exemplo, uma civilização Tipo II não teria um aglomerado de sondas de Von Neumann emitindo mais luz do que todo o seu nível de utilização de energia, conforme definido pela escala.

Com essas suposições adicionais, o Dr. Osmanov descobriu que o FAST pode detectar potencialmente um enxame de robôs autorreplicantes para as civilizações do Tipo II e do Tipo III.

Considerando a sensibilidade esperada da instrumentação do FAST, ele deve ser capaz de encontrar qualquer enxame dentro de cerca de 16.000 anos-luz para civilizações do Tipo II, o que significa que quaisquer sondas do Tipo II seriam visíveis em um diâmetro próximo que abarca 15 por cento da Via Láctea.

Por outro lado, um enxame criado por uma civilização do Tipo III seria potencialmente detectável dentro de uma bolha de 400 milhões de anos-luz – abrangendo a maioria das galáxias “próximas”.

Representação gráfica da escala de Kardashev, com níveis de consumo de energia associados. Tradução: Tipo (Type). (Créditos: Indif/Wikimedia Commons/CC BY-SA 3.0)

Até agora, o paper do Dr. Osmanov foi publicado apenas no arXiv e não parece ter sido aceito por um jornal acadêmico, o que significa que esses cálculos não foram revisados ​​por pares. Mas eles ainda oferecem um experimento de pensamento divertido e apontam para um mecanismo de detecção potencial para alguns eventos do tipo cisne negro.

Embora possa ser reconfortante saber que seríamos capazes de ver qualquer perigo invasor com o FAST bem antes de ameaçar a Terra, permanece a questão do que acontecerá se não encontrarmos nenhum? O que isso significa para nosso lugar no Universo ou para o desenvolvimento de tecnologia autorreplicante?

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Ele1 - Criar site de notícias