Carros e Motos

Veja 5 modelos que saíram de linha este ano

Publicados

em

source

Apesar de 2019 ter sido um ano positivo para a indústria, muitos carros não conseguiram passar por ele. O mercado muda, e pode ser bem cruel se a sua proposta não estiver alinhada com as novas práticas de consumo do público. Partindo disso, a reportagem do iG Carros elenca o obituário do ano de 2019, contendo os principais modelos que deixaram as concessionárias neste período. Acompanhe a lista dos modelos que saíram de linha.

LEIA MAIS: Saiba o valor do seguro dos carros mais vendidos do Brasil

1 – Ford Fiesta

Ford Fiesta arrow-options
Divulgação

Ka e EcoSport foram transferidos para Camaçari (BA). O Fiesta ficou em SBC, e morreu junto com a fábrica

Ainda em fevereiro, a Ford anunciou o fechamento de sua fábrica em São Bernardo do Campo (SP), encerrando a produção dos caminhões e do único automóvel do complexo: o Fiesta. Aos poucos, as últimas unidades do hatch compacto que fez tanto sucesso foram deixando as concessionárias – até não serem mais encontradas.

Lançado na Europa em 1976, o Ford Fiesta chegou ao Brasil apenas em 1995 (em sua terceira geração). Importado da Espanha, se destacou pelo conjunto mecânico modernizado, que contava com injeção eletrônica e módulo eletrônico. O Fiesta morreu com motor 1.6 de 128 cv e 16 kgfm de torque.

Ao mesmo tempo, a Ford interrompeu a produção do Ford Focus na Argentina. Os empregados da fábrica de Pacheco chegaram a fazer um protesto contra o atual presidente argentino, Mauricio Macri, que continuará no cargo até dezembro para, então, dar lugar a Alberto Fernández.

Leia Também:  Haojue DR 160 encosta nos R$ 15 mil depois de novo aumento de preços

2 – Peugeot 308 e 408

Peugeot 308 arrow-options
Divulgação

Fim da linha para o Peugeot 308, que deixou o mercado em uma categoria decadente

Aparentemente, a bruxa estava solta em fevereiro. Após terem menos de 1 mil unidades vendidas em 2018, a dupla 308 e 408 da Peugeot também rodou. O hatch nunca havia sido referência de best-seller e sofreu com o encolhimento do segmento. Já o sedã não resistiu à modernização dos rivais, como Corolla, Civic e Jetta.

LEIA MAIS: Peugeot vai mostrar nova picape média em março de 2020

Apesar do fraco desempenho nas vendas, os modelos morreram com motor 1.6 THP de 173 cv e 24 kgfm de torque, aliado ao câmbio automático de seis velocidades. O hatch era capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 8,3 segundos, mostrando-se muito espertinho para quem curte comportamento mais esportivo.

3 – VW Golf Variant

VW Golf Variant arrow-options
Divulgação

A VW Golf Variant deixou a linha da marca alemã para não ser canibalizada pelo T-Cross

Falar do fim da Golf Variant dá um aperto no coração dos puristas, mas o modelo também não sobreviveu em 2019. Além da baixa nas vendas de peruas, a marca alemã analisou que o modelo importado do México poderia ter suas vendas canibalizadas pelo T-Cross nacional. Portanto, antes de lançar o SUV no Brasil, a VW parou de importar a Variant.

No passado, a Volkswagen já foi referência em peruas (com Passat Variant, SpaceFox, Parati e Jetta Variant). O objetivo para a próxima década é repetir o feito com os SUVs. Além de T-Cross e Tiguan, o mercado brasileiro ainda receberá outros três utilitários esportivos até 2023. Descanse em paz, linha Variant.

Leia Também:  Mini Nissan Kicks está prestes a ser revelado

4 – Citroën C4 Picasso e Grand Picasso

Citroën Grand C4 Picasso arrow-options
Divulgação

Monovolumes? Nada disso! A nova estratégia da Citroën no Brasil terá foco total em SUVs

Quando o Citroën C5 Aircross foi aprovado pela PSA do Brasil para 2020, a linha Picasso e Grand Picasso já não faria mais sentido. Os monovolumes – que eram importados da Espanha – tiveram suas vendas interrompidas, com o início da estratégia de oferecer SUVs como carros familiares na próxima década.

Abaixo do capô, as minivans integravam o mesmo motor 1.6 THP de 165 cv de potência e 24,5 kgfm de torque, com câmbio automático de seis velocidades. Apesar da quantidade de equipamentos e espaço interno, suas vendas sempre foram muito sofríveis na categoria; ao longo de 2018, foram apenas 290 unidades comercializadas (ou 24 emplacamentos mensais).

5 – Kia Picanto GT

Kia Picanto GT Line arrow-options
Divulgação

O Kia Picanto GT Line trazia um pacote de estilo interessante. Apenas 100 unidades dessa linha vieram ao Brasil

Muitas pessoas nem perceberam que o Kia Picanto deixou de ser importado do México em 2019. De acordo com o presidente da Kia, Luiz Gandini, a alta no dólar deixou o modelo inviável para o Brasil. O último lote foi de apenas 100 carros, mostrando que o compacto já estava perdendo fôlego.

LEIA MAIS: Conheça 5 modelos seminovos para 7 ocupantes por até R$ 60 mil

A alta do dólar também contribuiu para o fim dos planos de importar o Kia Rio , que foi mostrado no Salão do Automóvel do ano passado. A moeda americana estava na faixa dos R$ 3,87 em dezembro de 2018, mas durante a publicação desta matéria, já está precificada em R$ 4,18. O Picanto veio a óbito com motor 1.0 de três cilindros capaz de desenvolver 80 cv de potência e 9,8 kgfm de torque.

Fonte: IG CARROS
COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Carros e Motos

Quem tem coragem de mexer com o Volkswagen Gol?

Publicados

em

Por


source
VW Gol
Divulgação

VW Gol 2020 ainda se mantém entre os modelos mais vendidos do Brasil, mesmo com poucas novidades

O Volkswagen Gol é um daqueles fenômenos do mercado de automóveis. Na mesma geração desde 2008 e enfrentando concorrentes (externos e até internos) mais atuais na mesma faixa de preço, o modelo segue como o mais vendido da marca alemã no Brasil e ainda figura como um dos hatches compactos mais populares do mercado.

LEIA MAIS: Novo Sandero automático enfrenta os rivais Gol e Onix. Qual vence?

De acordo com dados do Renavam (Registro Nacional de Veículos Automotores), o Volkswagen Gol fechou 2019 com 81.285 unidades emplacadas. Melhor resultado para o modelo desde 2016 e que colocou o compacto atrás apenas de Chevrolet Onix (241.214), Ford Ka (104.331), Hyundai HB20 (101.590) e do subcompacto Renault Kwid (85.117).

O mesmo bom resultado se repetiu no 1º semestre deste ano. Apesar dos efeito da pandemia do novo coronavírus, o Gol fechou os primeiros seis meses de 2020 com 24.827 unidades e manteve a 5ª colocação no ranking geral de emplacamentos.

Isso mesmo com uma oferta mais enxuta de versões, que é composta pela configuração de entrada 1.0 (R$ 51.210) e pela versão de topo 1.6, que na verdade podem ser consideradas duas: com o câmbio manual de cinco marchas e o motor 1.6 8V de 104 cv (R$ 62.600), ou o automático, de seis marchas (R$ 62.600), que é combinado ao mesmo motor 1.6 16V de até 117 cv usado no Polo.

Leia Também:  Harley-Davidson Heritage Classic agora tem motor 114

LEIA MAIS: Fatos e curiosidades que você não sabia sobre o VW Gol, que chega aos 40 anos

Um dos méritos da Volkswagen para o modelo — e que ajuda a explicar esse desempenho no mercado — é o fato de o Gol ter envelhecido bem. Nesse período de 12 anos de presença no mercado, a atual geração passou por três renovações de visual (2012, 2016 e 2019).

Também houve mudanças na mecânica (com o motor 1.0 de três cilindros da família EA211) e no interior da cabine, com a adoção de um novo painel além da incorporação de equipamentos que passaram a ser exigidos pelo mercado nessa faixa de preço, como as centrais multimídia e o câmbio automático e, mais recentemente (ainda que por força da legislação) apoios de cabeça e cintos de segurança de três pontos para todos os ocupantes do banco traseiro, além do Isofix.

VW Gol vai ter substituto?

SUV do Gol
Divulgação

SUV do Gol chegou a ter um teaser mostrado,mas os planos foram adiados e agora não há prazo estabelecido para ser lançado

Outro ponto que deve ser considerado é a força do nome Gol, com recém-completados 40 anos no mercado. Lançado em 2003, o Fox surgiu com a proposta de ser um substituto mais atual para o modelo veterano. Mesmo tendo “matado” inicialmente as versões mais caras do Gol, acabou não atingindo o mesmo sucesso e atualmente deve se encaminhar para o fim, vendendo quase três vezes menos.

Leia Também:  Documento do veículo agora é digital em todo o Brasil

Já o Polo de sexta geração, que chegou ao mercado brasileiro em 2017, foi planejado inicialmente para ser o substituto do Gol. Mas mais caro e sofisticado, acabou sendo posicionado acima, como um modelo premium.

Isso demonstra o desafio que representa para a Volkswagen brasileira o desafio de substituir o modelo que, mesmo sendo um dos mais antigos da sua linha atual, ainda é querido pelo público.

Em abril, numa entrevista para o site Automotive Business, o presidente da Volkswagen para a América Latina, Pablo Di Si, citou que o projeto do novo Gol, que estava previsto inicialmente para 2022, deve atrasar, por conta dos impactos financeiros provocados pela pandemia do novo coronavírus.

LEIA MAIS: Veja vídeo das versões esportivas nos 40 anos do VW Gol

Para manter o posicionamento como um modelo de entrada,, a  marca alemã deve abandonar a plataforma atual — que é exclusiva, um misto da PQ-24, do Polo de 4ª geração e do Fox, com a PQ-25 — e adotar uma nova plataforma no novo Volkswagen Gol . Rumores apontam para uma variação mais simples da modular MQB A0, empregada atualmente em Polo, Virtus, T-Cross e Nivus, e que está sendo desenvolvida na Índia, com o nome de MQB A0 IN.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo