Novo Cantu - Esporte

Uruguai: dois Mundiais, quatro estrelas

Publicados

em

Uruguai: dois Mundiais, quatro estrelas

 

A história do futebol não se entende sem a história da seleção do Uruguai. A Celeste foi a anfitriã e vencedora da primeira Copa do Mundo, em 1930, e é a rainha da Copa América, com 15 títulos, um a mais do que a Argentina. Quatro estrelas no peito, o símbolo que distingue os campeões mundiais, brilham hoje nas camisas de Luis Suárez, Cavani e Godín. Quatro? Se o Uruguai ganhou dois Mundiais, o inaugural em 1930 e o mais famoso de todos, o Maracanazo de 1950 no Brasil…

Por que o Uruguai estampa quatro estrelas se ganhou duas Copas do Mundo? A resposta tem origem em 1924. Naquele ano, o Congresso da FIFA concordou em organizar os Torneios Olímpicos de Futebol, com uma exigência especial. “Uma vez que os Torneios Olímpicos de Futebol sejam realizados de acordo com os regulamentos da FIFA, esta reconhecerá este torneio como um campeonato mundial de futebol”, diz um documento do arquivo histórico do organismo máximo da modalidade. Ou seja, o campeão olímpico também seria considerado campeão do mundo pela FIFA. Isso aconteceu nos próprios Jogos de 1924, realizados em Paris. O Uruguai venceu a final por 3 x 0 contra a Suíça. E repetiu o ouro quatro anos mais tarde, nos Jogos de Amsterdã: 2 x 1 na Argentina.

O sucesso destes torneios foi tamanho que a Fifa quis então realizar seus próprios Mundiais. O presidente Jules Rimet levou a proposta em frente. Assim, no congresso de 26 de maio de 1928, realizado em Amsterdã, ficou decidido que se organizaria uma competição à parte entre as melhores seleções do planeta. Assim nasceu a Copa do Mundo.

O Uruguai era a potência da época. Havia vencido os Jogos Olímpicos duas vezes seguidas, e ganharia também durante essas décadas seis das primeiras 10 edições da Copa América. Desse modo, recebeu o encargo de organizar a primeira Copa do Mundo em 1930, também coincidindo com o centenário da sua Constituição. Devido à longa viagem, e da necessidade de prescindir de seus melhores jogadores durante dois meses, apenas quatro times europeus (Bélgica, França, Iugoslávia e Romênia) enviaram suas equipes. O Uruguai foi o campeão novamente (4 x 2 sobre a Argentina na final), mas, como resposta pelo desprezo europeu, renunciou a defender o título na Copa do Mundo seguinte, na Itália, em 1934.

Voltaria a ganharia no Maracanã em 1950. Sua quarta estrela, duas delas olímpicas. É o mesmo número de distinções de Itália (1934, 1938, 1982 e 2006) e da Alemanha (1954, 1974, 1990 e 2014), mas apenas o Uruguai pode desfrutar dessa circunstância especial porque a FIFA só deu status de campeão do mundo aos vencedores dos Jogos de 1924 e 1928. A organização internacional especifica nos seus regulamentos sobre equipamentos de jogos que os campeões mundiais podem estampar uma estrela de cinco pontas em suas camisas. O Uruguai orgulhosamente tem quatro.

 

Fonte: El Pais

Leia Também:  Campeonato Municipal de Futsal Masculino e Feminino 2019 Iniciará dia 09 de Abril em Nova Cantu
COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Novo Cantu - Esporte

Missão abafa: Coritiba vai com objetivo de bloquear o Palmeiras em casa

Publicados

em

Por

Missão abafa: Coritiba vai com objetivo de bloquear o Palmeiras em casa

 

Marcar foi a termo mais repetido pelo técnico Marcelo Oliveira para falar sobre o confronto com o Palmeiras. O treinador reforçou a necessidade do Coritiba em se impor na partida no Pacaembu, mas não esquecer que enfrenta uma equipe rápida e cheia de técnica. A solução, segundo ele, é que todo o time esteja preocupado em evitar o avanço palmeirense sobre a defesa coxa-branca.

A consciência de que todo o time precisa marcar passou pela receita de Marcelo Oliveira para conseguir um bom resultado. A “técnica do abafa” deve ser a saída que o técnico quer.

– Equilíbrio, muita concentração e marcação. O time do Palmeiras é técnico, rápido e muito bem treinado. Precisamos marcar bem e usar a nossa força. A ideia é ter jogadores técnicos jogando com qualidade e participando da marcação. Se tivermos consciência da marcação coletiva, temos certeza que poderemos brigar pela vitória.

A preocupação com a marcação é tamanha, que Marcelo Oliveira colocou de lado a possibilidade de escalar os meias Anderson e Longuine juntos. Ele acredita que os dois jogadores não possuem características de marcação como necessita e aproveitou para dar um puxão de orelha neles.

– Os dois jogam por dentro e alguém tem que marcar a lateral, porque o Palmeiras joga bastante pelas laterais. Se esses jogadores tiverem a consciência de participar da marcação, aí até pode acontecer, mas não sei se para esse jogo, disse na entrevista coletiva da última sexta.

Os jogadores já parecem ter absorvido a orientação de Marcelo Oliveira. O lateral direito Dodô, que volta ao time nesta segunda-feira, lembra que o time precisa retomar a forma de jogar do início do Brasileiro. Segundo ele, a equipe abafava os adversários ainda no ataque.

– Tem que ter a mesma pegada que tinha início, independente do que vai sofrer atrás. Às vezes ficavam dois só atrás, mas na frente estava todo mundo marcando.

Marcelo Oliveira também quer afastar da cabeça dos jogadores que o Palmeiras vive um momento complicado. Apesar de estar na quarta colocação, o time é cobrado por sua torcida por não estar brigando pela liderança no principal campeonato que sobrou após a desclassificação na Libertadores e na Copa do Brasil.

– O Palmeiras tem um time muito forte, um treinador muito experiente e não tem facilidade. A torcida empurra muito o time deles. O Coritiba tem que pensar em si próprio, porque estamos perdendo jogos em desatenções importantes, como um cartão amarelo desnecessário, um pênalti desperdiçado…

A provável escalação do Coritiba deve ser: Wilson; Dodô, Walisson Maia, Cleber Reis (Márcio) e Carleto; Alan Santos, João Paulo, Matheus Galdezani e Longuine (Anderson); Rildo e Henrique Almeida.

 

Fonte: G1

Leia Também:  Mudança no regulamento fará Paulistão dar vez aos novos talentos
COMENTE ABAIXO:
Continue lendo