Carros e Motos

Suzuki  revelará as novas Burgman 180 e Intruder 250 para 2020

Publicados

em

source
Suzuki Intruder arrow-options
Divulgação

Novas Suzuki Intruder são mais modernas, estilosas e equipadas do que as que foram vendidas no Brasil

A Suzuki mostrará as novas Intruder 250 e a Burgman 180. Previstas para chegar ao mercado em 2020 e 2021, respectivamente, as novidades trazem as tecnologias apresentadas no Salão de Milão (EICMA), inclusive na V-Strom, que virá ao Brasil até o fim do ano que vem. Dentro de alguns meses, veremos, também, a divulgação da nova Intruder 155, antes da fabricante confirmar se também vão produzir a versão 125 e o Burgman 125 em 2021.

LEIA MAIS: Veja 7 novidades do Salão de Milão que serão lançadas no Brasil

Suzuki Burgman arrow-options
Divulgação

Enquanto a Haojue Lindy é a velha Burgman, a nova scooter surge assim

O design e o estilo da nova Suzuki Intruder 250 serão completamente diferentes da esportiva Gixxer SF 250. Com proposta mais urbana, é pensada para oferecer uma postura mais confortável para o condutor, devido ao assento mais baixo, braço oscilante mais longo na suspensão e pedaleiras posicionadas mais à frente. Entre outras novidades, traz painel de instrumentos de LCD e farol de LED.

Leia Também:  Harley-Davidson Heritage Classic agora tem motor 114

LEIA MAIS: Nova geração da Suzuki V-Strom é revelada, com novo visual e mais tecnologia

Suzuki Burgman arrow-options
Divulgação

Scooter rivalizaria diretamente com o Honda PCX e o Yamaha NMax

Para o scooter Suzuki Burgman , o motor de 180 cc é pensado para oferecer custos reduzidos, tal como os outros, que futuramente chegarão em menor cilindrada. Com isso, terá um cilindro e refrigeração a ar, mas com o sistema de injeção eletrônica. Os demais equipamentos incluem farol de LED completo, console de instrumento digital, grande armazenamento sob o assento e um porta-luvas na frente e freios ABS.

LEIA MAIS: Veja 5 opções de motos seminovas, a partir de 2016, por até R$ 10 mil

Virão ao Brasil?

Suzuki Intruder arrow-options
Divulgação

Apelo esportivo e tecnologias de nova geração são exatamente o que os motociclistas brasileiros procuram

Muito possivelmente não. Isso porque, desde que o Grupo J. Toledo — responsável por trazer a Suzuki ao Brasil — assumiu as operações da chinesa Haojue em 2016 — marca de baixo custo da Suzuki, que utiliza componentes mecânicos em suas motos — apenas modelos maiores e mais caros restaram no lineup da fabricante japonesa. Será que a Haojue não poderia adotar as novas tecnologias para as futuras gerações de seus modelos?

Leia Também:  Conheça a nova Ford F-150, agora também em versão híbrida

LEIA MAIS: Nova Haojue DK 160 chega ano que vem para concorrer com a Honda CG 160

Suzuki arrow-options
Divulgação

Burgman Executive 650: com grande porte, é o único scooter ainda vendido pela Suzuki no Brasil

O modelo mais em conta da Suzuki motos à venda atualmente é a naked esportiva GSX-S750A (R$ 37.785), e a mais cara é a GSX R1000 (R$ 68.984). Para se ter uma ideia, a única Burgman que sobrou foi a 650 Executive, que sai por R$ 55.893 — o mesmo preço da “estradeira” Boulevard M1800R, a moto com o maior motor no mercado de novos. Agora, a Suzuki Intruder 125 extinta em 2016, virou a Haojue Chopper Road 150 (R$ 7.987), enquanto a Burgman 125 tornou-se a Lindy 125 CBS (R$ 6.990).

Fonte: IG CARROS
COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Carros e Motos

Quem tem coragem de mexer com o Volkswagen Gol?

Publicados

em

Por


source
VW Gol
Divulgação

VW Gol 2020 ainda se mantém entre os modelos mais vendidos do Brasil, mesmo com poucas novidades

O Volkswagen Gol é um daqueles fenômenos do mercado de automóveis. Na mesma geração desde 2008 e enfrentando concorrentes (externos e até internos) mais atuais na mesma faixa de preço, o modelo segue como o mais vendido da marca alemã no Brasil e ainda figura como um dos hatches compactos mais populares do mercado.

LEIA MAIS: Novo Sandero automático enfrenta os rivais Gol e Onix. Qual vence?

De acordo com dados do Renavam (Registro Nacional de Veículos Automotores), o Volkswagen Gol fechou 2019 com 81.285 unidades emplacadas. Melhor resultado para o modelo desde 2016 e que colocou o compacto atrás apenas de Chevrolet Onix (241.214), Ford Ka (104.331), Hyundai HB20 (101.590) e do subcompacto Renault Kwid (85.117).

O mesmo bom resultado se repetiu no 1º semestre deste ano. Apesar dos efeito da pandemia do novo coronavírus, o Gol fechou os primeiros seis meses de 2020 com 24.827 unidades e manteve a 5ª colocação no ranking geral de emplacamentos.

Isso mesmo com uma oferta mais enxuta de versões, que é composta pela configuração de entrada 1.0 (R$ 51.210) e pela versão de topo 1.6, que na verdade podem ser consideradas duas: com o câmbio manual de cinco marchas e o motor 1.6 8V de 104 cv (R$ 62.600), ou o automático, de seis marchas (R$ 62.600), que é combinado ao mesmo motor 1.6 16V de até 117 cv usado no Polo.

Leia Também:  Nissan Frontier Attack estreia novas opções de cores

LEIA MAIS: Fatos e curiosidades que você não sabia sobre o VW Gol, que chega aos 40 anos

Um dos méritos da Volkswagen para o modelo — e que ajuda a explicar esse desempenho no mercado — é o fato de o Gol ter envelhecido bem. Nesse período de 12 anos de presença no mercado, a atual geração passou por três renovações de visual (2012, 2016 e 2019).

Também houve mudanças na mecânica (com o motor 1.0 de três cilindros da família EA211) e no interior da cabine, com a adoção de um novo painel além da incorporação de equipamentos que passaram a ser exigidos pelo mercado nessa faixa de preço, como as centrais multimídia e o câmbio automático e, mais recentemente (ainda que por força da legislação) apoios de cabeça e cintos de segurança de três pontos para todos os ocupantes do banco traseiro, além do Isofix.

VW Gol vai ter substituto?

SUV do Gol
Divulgação

SUV do Gol chegou a ter um teaser mostrado,mas os planos foram adiados e agora não há prazo estabelecido para ser lançado

Outro ponto que deve ser considerado é a força do nome Gol, com recém-completados 40 anos no mercado. Lançado em 2003, o Fox surgiu com a proposta de ser um substituto mais atual para o modelo veterano. Mesmo tendo “matado” inicialmente as versões mais caras do Gol, acabou não atingindo o mesmo sucesso e atualmente deve se encaminhar para o fim, vendendo quase três vezes menos.

Leia Também:  VW registra nome e-Samba, que pode ser para nova Kombi

Já o Polo de sexta geração, que chegou ao mercado brasileiro em 2017, foi planejado inicialmente para ser o substituto do Gol. Mas mais caro e sofisticado, acabou sendo posicionado acima, como um modelo premium.

Isso demonstra o desafio que representa para a Volkswagen brasileira o desafio de substituir o modelo que, mesmo sendo um dos mais antigos da sua linha atual, ainda é querido pelo público.

Em abril, numa entrevista para o site Automotive Business, o presidente da Volkswagen para a América Latina, Pablo Di Si, citou que o projeto do novo Gol, que estava previsto inicialmente para 2022, deve atrasar, por conta dos impactos financeiros provocados pela pandemia do novo coronavírus.

LEIA MAIS: Veja vídeo das versões esportivas nos 40 anos do VW Gol

Para manter o posicionamento como um modelo de entrada,, a  marca alemã deve abandonar a plataforma atual — que é exclusiva, um misto da PQ-24, do Polo de 4ª geração e do Fox, com a PQ-25 — e adotar uma nova plataforma no novo Volkswagen Gol . Rumores apontam para uma variação mais simples da modular MQB A0, empregada atualmente em Polo, Virtus, T-Cross e Nivus, e que está sendo desenvolvida na Índia, com o nome de MQB A0 IN.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo