Geral

SUS deve atuar como protagonista em tragédias, afirma especialista

Publicados

em

Reunidos por uma preocupação com o estado de saúde mental de vítimas de grandes tragédias, como os rompimentos das barragens de Mariana e Brumadinho, funcionários de vários órgãos do governo e da ONG Médicos Sem Fronteiras se reuniram em um ciclo de palestras que discute ações e estratégias para preparar profissionais que atendem comunidades afetadas por desastres.

De acordo com o psicólogo Sérgio Rossi, que atuou como coordenador de saúde mental durante o desastre de Mariana e é um dos multiplicadores de conhecimento do ciclo, a melhor forma de tratar pessoas que passaram por experiências traumáticas em larga escala é multiplicar as Redes de Atenção Psicossocial (RAPS). O foco dessas redes é promover cuidados essenciais a pessoas em situações de risco psicológico, mental e social sem ferir direitos pessoais.

“É preciso discutir, refletir e pensar na saúde mental de pessoas que sofrem tragédias. As políticas públicas precisam se organizar para apresentar respostas que garantam cuidado, proteção e possibilidades de retomar e recuperar as vidas”, afirma Rossi.

De acordo com o psicólogo, o impacto de tragédias em grande escala não é mensurável nos momentos iniciais, razão pela qual é necessário treinar equipes multidisciplinares para atuar nos primeiros socorros das comunidades afetadas. “O nosso SUS deveria ter todo o protagonismo no socorro de vítimas de tragédias. A melhor estratégia para garantir a saúde mental e o apoio necessário a essas pessoas é usar o nosso Sistema Único de Saúde como um campo intersetorial, multidisciplinar, com apoio de políticas e instituições”, declarou.

Leia Também:  Mega-Sena acumula e prêmio vai a R$ 11 milhões

Diversificação de atendimento

O ciclo de palestras marca a primeira reunião entre órgãos governamentais federais, estaduais e municipais e entidades do terceiro setor. Funcionários dos ministérios da Cidadania, da Saúde, do Desenvolvimento Nacional, membros da Defesa Civil, das secretarias de saúde estaduais e municipais foram sorteados para a iniciativa.

Jordan Lima, terapeuta ocupacional de um Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) na Bahia, resolveu participar da formação por acreditar que desastres que anulam direitos básicos e afetam a saúde mental das pessoas ocorrem no cotidiano.”Pessoas em situação de rua que fazem uso abusivo de álcool e outras drogas estão em uma posição parecida com a de pessoas que passam por desastres. E essas cidades [Mariana e Brumadinho] tinham pessoas já nessa situação [de rua]. Essas populações perdem totalmente o amparo do Estado”.
 

Mais conhecimento, melhor atendimento

Para a doutora Débora Noal, uma das organizadoras do evento, o compartilhamento de conhecimentos sobre grandes desastres já tem resultados concretos. “Dentro da realidade da assistência psicossocial, já podemos ver claramente que houve uma evolução entre Mariana e Brumadinho. Nas primeiras 24 horas do rompimento da barragem de Brumadinho já havia a presença dos três entes federados e de organismos internacionais discutindo ações de mitigação de danos e de manutenção da saúde dos afetados. Em Mariana, essa mesma ação demorou quase um mês”. 

Leia Também:  Campanha promove paternidade no Brasil e no exterior

A psicóloga disse ainda que já é possível traçar um perfil das doenças e transtornos mentais mais comuns que acometem pessoas em tragédias. “Nas primeiras 72 horas, as reações são as mesmas em pessoas do mundo inteiro: taquicardia, pânico, sudorese. Mas no fim do primeiro mês, esses sintomas evoluem para dores de cabeça intensas, insônia, ataques de pânico e dissociação da tragédia, que é quando a pessoa não se vê como alguém que passou por aquela situação”, explica. 

As palestras sobre cuidados de saúde mental em tragédias acontecem em Brasília, na Escola da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), na Universidade de Brasília, até sexta-feira (08), e deverão ser transformadas em um curso à distância para profissionais que atuam na área.

Edição: Aline Leal
Fonte: EBC Geral
COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Geral

Reabertura das escolas pós-pandemia é tema do Impressões deste domingo

Publicados

em

Por


.

Profissionais de educação e pais, em muitos municípios brasileiros, começam a vislumbrar os primeiros sinais de uma retomada do ensino presencial suspenso desde o primeiro trimestre deste ano, em grande parte do país, como medida para conter a contaminação pelo coronavírus. Nas cidades onde a contaminação da covid-19 entrou em patamares mais estáveis, os governos autorizaram a reabertura de escolas e definiram calendários.

A notícia gera ansiedade sobre a capacidade dessas instituições de garantir medidas sanitárias para evitar que a pandemia se reestabeleça ou até ganhe maiores proporções. “Vai ter que ter instalações para lavagem de mão, higienização, distanciamento e vai ter que ter um programa de cuidado para reincluir, sobretudo, as crianças e adolescentes que ficaram desvinculados nesse período e não puderam estudar da mesma maneira como outras crianças. Tem que ter um cuidado individualizado”, alerta a representante do Unicef no Brasil, Florence Bauer.

Ao programa Impressões, da TV Brasil, que vai ao ar neste domingo  (9), às 22h30, Bauer fala das diferentes realidades entre regiões brasileiras e até mesmo dentro dos mesmos limites estaduais. Para ela, essa diversidade revela situações de escolas que sequer conseguiam garantir instalações apropriadas para aulas e que, agora, terão que enfrentar o desafio de assegurar condições de higiene mais exigentes e distanciamento.

Florence Bauer também alerta sobre “o risco de perder uma geração”. A especialista ressalta, principalmente, a parcela de adolescentes que se distanciou da comunidade escolar. “Mesmo antes da pandemia, havia 1,7 milhão de crianças e adolescentes fora da escola e uma grande parte são adolescentes. Só uma parte [dos que já estudavam] conseguiu ter acesso a um tipo de educação, mas uma parte não tem nem acesso a internet. [A adolescência] é uma fase de vida que esse vinculo é fundamental para o desenvolvimento”, afirmou.

Leia Também:  Bispo dom Pedro Casaldáliga morre aos 92 anos, em Batatais (SP)

Para ela, as escolas terão que se empenhar na busca ativa pelas crianças e adolescentes para uma integração e inclusão fluida, que respeite a situação de cada um.

Fechamento de instituições e internet

Na conversa com a jornalista Katiuscia Neri, a especialista em políticas sociais lembrou que, ao longo desse período de fechamento das instituições de ensino, profissionais da área tiveram que se adaptar rapidamente ao modelo de ensino à distância. Para essa continuidade dos estudos foi fundamental o acesso à rede de internet. Mas, no Brasil, mesmo antes da pandemia, a exclusão digital já era uma realidade que ganhou proporções mais graves no atual momento.

Quase 5 milhões de crianças e adolescentes entre 9 e 17 anos não têm acesso à internet no país. “Mais do que nunca a gente entendeu as consequências dessa exclusão digital. Nesta situação de pandemia, cada um de nós dependemos muito do acesso à internet, para ter acesso a qualquer tipo de informação”, destacou a representante da Unicef no Brasil.

Impressões Release e fotos Florence Bauer UNICEFImpressões Release e fotos Florence Bauer UNICEF

Impressões – Florence Bauer UNICEF – TV Brasil

A situação é ainda mais delicada quando se considera que, entre os que têm acesso, nem todos conseguem utilizar as redes com facilidade e volume de dados suficientes. Bauer reconhece que há um movimento generalizado em busca de melhorias neste setor e cita as negociações com empresas de telecomunicação e debates sobre leis de acesso a fundos de recursos que poderiam ser utilizados para ampliar essa infraestrutura no país. “Tem uma série de movimentações acontecendo, mas é preciso que elas se concretizem. É o momento de dar um passo radical para oferecer esse pacote mínimo [de acesso de dados] a todas as crianças e adolescentes, sobretudo as mais vulneráveis, como uma forma de buscar a inclusão digital”, defendeu.

Leia Também:  Missa no Rio homenageia os mais de 100 mil mortos por covid-19

Bauer aposta que a crise global vai provocar uma revisão de padrões de ensino e uma combinação de modelos. “Estamos em uma oportunidade única para fazer mudanças profundas que talvez não conseguiríamos fazer em situações normais. Nosso desafio é aproveitar o momento para repensar a educação e ter uma combinação da educação presencial e à distância”, defendeu.

Acesso à educação

O acesso à educação é um dos principais direitos previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que completou 30 anos em julho, sendo apontado, pela representante do Unicef, como uma das legislações mais sofisticadas do mundo e que coleciona avanços significativos ao longo dessas três décadas.

Na lista de conquistas elencada por Bauer está a redução de mais de 70% da mortalidade infantil, em decorrência de medidas como reforço do Sistema Único de Saúde (SUS), aumento dos níveis de imunização por vacina e campanhas de promoção do aleitamento materno e acompanhamento pré-natal. Outro dado é a retirada de quase cinco milhões de crianças e adolescentes do trabalho infantil.

Florence ainda lembra que, antes da implementação do ECA, 20% das crianças não iam para escolas. “Isto passou a 5% e, ao mesmo tempo, o Brasil aumentou o numero de anos de escolaridade obrigatória”, comemorou. Mas, com a fragilização inevitável de alguns direitos neste momento de pandemia, a especialista defende um esforço redobrado. “O fundamental é colocar as crianças e adolescentes no centro das políticas públicas. Mais do que nunca é fundamental aplicar o princípio da prioridade absoluta. Investir mais em educação, saúde e prevenção da violência para consolidar os avanços conquistados até agora”, concluiu.

A íntegra do Impressões fica disponível no site do programa.

Edição: Nélio de Andrade

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo