Mulher

“Sugar baby” tem cinco “daddies” e recebe R$ 1,7 mil por encontro

Publicados

em

source

Gracie Adams, de 19 anos, está no primeiro ano da faculdade de psicologia na Universidade de Lincoln, Irlanda. Para estudar, porém, ela precisou encontrar formas de pagar os gastos de uma universidade (e da vida social universitária). Então, recorreu à uma solução: se tornar “sugar baby”. A questão é que ela não tem apenas um, mas cinco “daddies” – além de um namorado que aprova as relações. 

Leia também: Mulher deixa marido após traição e agora tem 9 “sugar daddies”

Gracie Adams arrow-options
Reprodução/Facebook

A ‘sugar baby’ Gracie Adams ganha cerca de R$ 1,7 mil por encontro com um ‘sugar daddy’

Ao The Sun , Gracie conta que procurar um “sugar daddy” era a única forma que ela tinha de “se manter financeiramente”. Então, ela se inscreveu em um site para ser ” sugar baby ” e encontrou cinco homens que pagassem por presentes caros, encontros e, também, pelo financiamento estudantil de 30 mil libras esterlinas (cerca de R$ 170,8 mil), aluguel e roupas.

Um encontro para jantar com um dos “daddies” custa, no mínimo, 100 libras esterlinas (R$ 569). Além disso, os homens geralmente pedem que ela use uma roupa comprada por eles – que custam pelo menos R$ 500 – e deixam uma “gorjeta” pós encontro de cerca de 150 libras esterlinas (R$ 853). 

Leia Também:  Fases da Lua: descubra como elas podem influenciar o seu cabelo!

No total, Gracie consegue ganhar mais de 300 libras esterlinas (R$ 1707) por encontro, o que inclui presentes, roupas e sapatos. “O melhor encontro que já tive foi no verão em que nós jantamos em um bar rooftop e assistimos ao por do sol”, lembra. 

“Foi uma experiência linda e depois da refeição nós tomamos alguns drinks e nos conhecemos melhor. No fim ele se certificou de que eu tinha chegado em casa segura e me enviou 150 libras esterlinas.” 

Leia também: Estudante é casada com homem 25 anos mais velho: “Melhor sexo da minha vida”

De estudante universitária à “sugar baby”

Segundo ela, um encontro por mês já paga suas contas. “Quando me inscrevi no site tinha quase 18 anos e não pensava seriamente em me tornar uma ‘sugar baby’. Mas quando eu estava me mudando para a universidade, soube que outras estudantes tiveram experiências positivas fazendo isso.” 

“Isso me ajudou a lidar com a vida universitária, manter minhas contas em dia e ter um carro. Também fiquei mais confiante em conversar com homens online e saber o que estou procurando, porque você consegue perceber quando eles estão mentindo sobre quem eles são, algo que me preocupa”, diz. 

Leia Também:  Ser vegetariana e fitness é possível: influencer explica como

Apesar disso, Gracie conseguiu mais do que apenas um ” sugar daddy “. Dos cinco homens que ela se relaciona, apenas três são “regulares” desde que ela os conheceu. A jovem insiste que todos esses relacionamentos são platônicos, já que ela tem um namorado – que está a par desses acontecimentos. 

“Perguntei ao meu namorado se ele estaria bem se eu começasse a levar isso [ser ‘ sugar baby ‘] mais a sério. Ele queria saber o que eu faria com os ‘daddies’ em termos de encontros, mensagens, etc. Disse que meu interesse era platônico e ele entendeu que eu precisava de dinheiro”, comenta.

Leia também: Mulher viaja mais de 800 km para perder virgindade com casal

A família dela também está ciente da realidade da jovem. “Eu e minha família temos uma relação muito aberta e amorosa, então contei ara eles como estava me mantendo financeiramente enquanto estava na universidade sem me preocupar com julgamentos”, finaliza. 

Fonte: IG Mulher

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Mulher

Caso Marcius Melhem: saiba como se proteger contra o assédio no trabalho

Publicados

em

Por


source

Alto Astral

undefined
Reprodução: Alto Astral

Caso Marcius Melhem: saiba como se proteger contra o assédio no trabalho

O ator e ex-chefe do núcleo de humor da TV Globo, Marcius Melhem , teve o seu contrato rescindido com a emissora após enfrentar diversas denúncias de assédio no trabalho . O caso ocorreu em agosto desse ano, porém voltou a repercutir neste final de semana após um grupo de 6 mulheres, incluindo atrizes e produtoras, se manifestar publicamente na coluna da jornalista Monica Bergamo, no jornal Folha de S.Paulo, através da advogada criminalista Mayra Cotta, descontentes com o desfecho das denúncias.

As vítimas, que preferiram não se identificar, relataram episódios recorrentes de abuso de poder, comportamento sexual inadequado, perseguição e assédio moral por parte de Melhem. As denúncias foram encaminhadas ao departamento de compliance da empresa e contam com o apoio de mais de 30 funcionários. Nas redes sociais, o diretor negou as acusações e disse que irá provar a sua inocência.

Um dos motivos para a revolta é a falta de transparência da Globo em relação ao real motivo da demissão de Marcius Melhem após quase duas décadas de trabalho. Ao comunicar o encerramento do contrato, nenhuma das denúncias de assédio foram mencionadas, se referindo apenas ao fim de uma “parceria de sucesso” por motivos familiares do ator.

Essa não é a primeira vez que um caso de assédio no trabalho repercute na emissora, a exemplo do caso José Mayer. Entretanto, não é apenas no ambiente televisivo que esse tipo de comportamento ocorre. De acordo com levantamento da ONG Think Olga, 33% das mulheres brasileiras sofrem ou já sofreu algum tipo de constrangimento moral ou sexual em seu local de trabalho. A seguir, confira conselhos de especialistas para identificar o assédio e como lidar com esses episódios.

Leia Também:  Conheça o lado dramático dos signos do Zodíaco!

Especialistas explicam a melhor maneira de lidar com o assédio no trabalho

Caso Marcius Melhem: saiba como lidar com o assédio no trabalho
Foto: Shutterstock

O que é assédio

O primeiro passo para se proteger de comportamentos como o de Marcius Melhem em ambiente de trabalho é entender no que consiste o assédio e como isso é resguardado juridicamente. Segundo o Código Penal, o crime de assédio sexual pode ser definido como “constranger alguém com o intuito de obter vantagem ou favorecimento sexual, prevalecendo-se o agente da sua condição de superior hierárquico ou ascendência inerentes ao exercício de emprego, cargo ou função”. A pena prevista é de dois anos de prisão.

Por sua vez, o projeto de lei que classifica o assédio moral foi aprovado apenas em 2019. Pelo texto, o crime ocorre quando a sua dignidade é frequentemente ofendida em ambiente profissional, gerando dano ou sofrimento físico ou mental. A pena estabelecida também é de dois anos.

Como identificar o assédio no trabalho

Algumas atitudes comuns classificadas como assédio em ambiente profissional são: ameaças, insultos, agressão física e verbal, fazer críticas e brincadeiras de mau gosto em público, sobrecarga de tarefas, impor condições de trabalho inadequadas e/ou injustificadas e cobrança excessiva. Além disso, comentários sexuais em tom de brincadeira, violação física ou qualquer outro tipo de comportamento de cunho sexual que te deixe desconfortável podem ser considerados assédio.

Leia Também:  "Senti como se tivesse tido minha história roubada", diz militante intersexo

Como reagir

É comum que muitas mulheres se sintam intimidadas em reagir contra o assédio sexual no trabalho, especialmente quando o abuso parte dos seus superiores. Antes de mais nada, saiba que a culpa do assédio nunca é da vítima e, independente da posição hierárquica, os assediadores devem ser punidos.

“Qualquer situação de desconforto deve ser tratada, independente da amplitude. É importante conversar francamente com os(as) superiores sobre qualquer incômodo. Mas como esta é uma conversa difícil, se prepare: reúna fatos e dados, se conecte com seus sentimentos e identifique como gostaria de ser tratada”, aconselha Beatriz Nóbrega, psicóloga e palestrante na área de Recursos Humanos.

Para denunciar

Segundo o advogado Bruno Mariosa, é fundamental “registrar os fatos e colher evidências que possam demonstrar ou dar indícios do assédio no trabalho e relatar tais fatos à direção de recursos humanos de empresa”. O profissional explica que, se os fatos persistirem, o órgão responsável pelo Direito do Trabalho poderá tutelar seus direitos e requisitar uma Rescisão Indireta que extinguirá a relação de emprego.

Dessa forma, o trabalhador fará jus a todas as verbas indenizatórias e reparação do dano moral sofrido. Além disso, o assediador poderá ser demitido por justa causa quando comprovada a situação. Apesar da revolta, sabemos que essa é uma decisão muito difícil de ser tomada. Se esse não for o seu caso, procure apoiar as colegas que estão passando por essa situação e lembre-se: mexeu com uma, mexeu com todas!

Consultoria: Beatriz Nóbrega, psicóloga e palestrante na área de Recursos Humanos ; Bruno Mariosa, advogado| Texto: Redação Alto Astral e Milena Garcia

Fonte: IG Mulher

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo