Política Nacional

Senado aprova congelamento do preço de remédios e planos de saúde

Publicados

em


source
senado
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

De acordo com o projeto, os preços de medicamentos ficam congelados por 60 dias e o de planos de saúde por 120 dias


O Senado aprovou, hoje (2), um Projeto de Lei (PL) que suspende o ajuste anual de preços de medicamentos e de planos e seguros privados de assistência à saúde. De acordo com o projeto, os preços de medicamentos ficam congelados por 60 dias e o de planos de saúde por 120 dias. O projeto vai à Câmara dos Deputados.

Saiba mais: Câmara prioriza mãe chefe de família no auxílio emergencial

O autor do projeto, o senador Eduardo Braga (MDB-AM) havia proposto o prazo de 120 dias também para os medicamentos, mas o relator, Confúcio Moura (MDB-RO), lembrou que já existe uma Medida Provisória (MP) congelando o preço dos remédios. Por isso, ele alterou o prazo para 60 dias, somando-se aos 60 dias firmados pela MP.

Vários senadores mostraram indignação com o aumento de preços no setor. “Temos vários setores no Brasil fazendo um esforço grande para dar sua contribuição nessa pandemia. E não é justo que tenhamos aumento de plano de saúde e de medicamento quando estamos com o mundo em recessão”, disse Eliziane Gama (Cidadania-MA).

Leia Também:  Senado aprova projeto que retira prazo de validade de receitas médicas

O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), destacou o trabalho de senadores de todos os espectros políticos para a aprovação de medidas importantes durante a pandemia. “Temos buscado sempre o entendimento médio. A sensibilidade aflora, os apelos são feitos no sentido de haver a proteção social para milhões de brasileiros que não podem enfrentar reajuste de medicamentos e de planos de saúde”.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política Nacional

Bolsonaro manda recado para quem apoia OMS contra cloroquina: “Estou muito bem”

Publicados

em

Por


source
bolsonaro com coronavírus
reprodução / Twitter

Bolsonaro compartilhou foto nesta quarta-feira (8) para mostrar que está bem usando cloroquina

O presidente Jair Messias Bolsonaro (sem partido), diagnosticado com o novo coronavírus nesta terça-feira (7), fez provocações aos que desaconselham o uso da cloroquina por não ter teses que comprovem sua eficácia contra a Covid-19. Em uma postagem no Twitter Bolsonaro disse que o medicamento fez efeito e que viverá por muito tempo “com a graça de Deus”.

“Aos que torcem contra a Hidroxicloroquina , mas não apresentam alternativas, lamento informar que estou muito bem com seu uso e, com a graça de Deus, viverei ainda por muito tempo”, compartilhou o presidente.

Leia Também:  Senado aprova projeto que retira prazo de validade de receitas médicas

Bolsonaro entrou em defesa do governo e reforçou que sua gestão está preservando vidas e empregos sem propagar o pânico. “Sempre disse que o combate ao vírus não poderia ter um efeito colateral pior que o próprio vírus”.

Após a confirmação de que Bolsonaro estava infectado pela Covid-19 , internautas ficaram divididos e chegaram a “torcer pelo vírus”. O presidente do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre , disse que o único extermínio que o brasileiro deveria torcer era o da Covid-19, ao invés de desejar a morte do presidente.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo