Estadual

Saúde alerta sobre riscos de toxoplasmose na gravidez

Publicados

em


.

A toxoplasmose é uma doença transmitida por animais bastante comum, que pode ocorrer pela ingestão de água ou alimentos contaminados. É uma infecção que pode apresentar complicações como toxoplasmose ocular e cerebral e também comprometer o bebê durante a gestação, levando inclusive ao abortamento em alguns casos.

As gestantes durante o pré-natal devem realizar exames para diagnosticar precocemente a doença para rápida intervenção terapêutica e medidas de prevenção.

Para ampliar a atenção em relação aos cuidados, foi instituída a Semana de Orientação sobre a Toxoplasmose como a primeira semana do mês de agosto no Paraná, por meio da Lei nº 20203/2020.

O secretário estadual da Saúde, Beto Preto, afirma que a visibilidade nesse tipo de patologia é essencial para a redução de danos à população. “Falar, debater, conhecer mais e aprender é o ideal para evitar muitas patologias”, disse. Segundo ele, a toxoplasmose é uma doença evitável, com higienização das mãos, alimentos, cuidados com os animais de estimação, são importantes para evitar danos que a doença pode deixar na pessoa.

Quando a gestante é diagnosticada com toxoplasmose, o tratamento e acompanhamento da doença são disponíveis pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Quando o tratamento é feito corretamente, o bebê fica protegido.

Leia Também:  Detran Paraná abre a Semana Nacional de Trânsito com 1º Fórum Digital

VIGILÂNCIA – O rastreamento sorológico no pré-natal permite a identificação de gestantes suscetíveis para seguimento posterior, com vistas à prevenção da infecção aguda por meio de medidas de prevenção primária e a detecção precoce da toxoplasmose.

A notificação, investigação e o diagnóstico oportuno dos casos agudos em gestantes viabilizam a identificação de surtos, o bloqueio rápido da fonte de transmissão e a tomada de medidas de prevenção e controle em tempo, além da intervenção terapêutica adequada e consequentemente a redução de complicações, sequelas e óbitos. A investigação em recém-nascidos permite a intervenção precoce em casos em que a doença seja confirmada.

TOXOPLASMOSE CONGÊNITA – Em gestantes, a doença pode afetar também o recém-nascido. Em 85% dos bebês infectados não há sinais clínicos evidentes. Mas a criança pode ter sinais no período neonatal como icterícia, macrocefalia ou microcefalia e crises convulsivas; ou nos primeiros meses, acometimento visual em graus variados, surdez e atraso do desenvolvimento neuropsicomotor. Sequelas tardias são mais frequentes quando a toxoplasmose congênita não tratada com medicamentos específicos durante o primeiro ano de vida. Há casos relatados de surgimento de sequelas da doença, não diagnosticadas previamente, na adolescência ou na idade adulta.

Leia Também:  Projetos de urbanização transformam a vida das pessoas nas cidades

CUIDADOS – Os protozoários que causam a toxoplasmose estão presentes nas fezes de gatos e outros felinos. O contato com esses animais sem higienização das mãos pode levar a contaminação e desenvolvimento da doença.

Com hábitos simples é possível prevenir a doença:

– Lavar as mãos após manipular carnes cruas, antes das refeições, após trabalhar na terra, horta ou jardim;

– Lavar bem as verduras e legumes e evitar comer alimentos crus;

– Caso tenha um gato como animal de estimação, higienize a caixa de dejetos do seu animal a cada três dias e colocar ao sol com frequência. Após o contato com gatos, deve-se lavar sempre as mãos e manter o animal bem alimentado para que ele não se alimente de outros animais e nunca dê carne crua para o felino. Cães também podem ser transmissores de toxoplasmose caso tenham contato com fezes de gatos.

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governoparana e www.pr.gov.br

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Estadual

Polícia ambiental prendeu 231 pessoas e resgatou mais de 2 mil aves

Publicados

em

Por


.

Operações policiais, denúncias e flagrantes das equipes do Batalhão de Polícia Ambiental Força Verde (BPAmb-FV) resultaram no aumento de 3,1% de prisões por crimes ligados à fauna silvestre (de 224 foi para 231) e das apreensões de mamíferos (7,3%), no primeiro semestre de 2020, na comparação com o mesmo período do ano passado. O balanço aponta ainda que as multas administrativas aplicadas em função de crimes referentes à fauna passaram de R$ 1,9 milhão no período.

“O BPAmb-FV é uma unidade especializada no combate a crimes ambientais, relacionados a recursos hídricos, fauna e flora do Paraná, e desencadeamos rotineiramente ações para coibir a caça, o cativeiro ilegal de animais silvestres e outros crimes relacionados”, disse o comandante do batalhão, tenente-coronel Adilson Luiz Correia dos Santos.

As apreensões de mamíferos aumentaram 7,3% e as de répteis e aves caíram 54,3% e 3,4%,  respectivamente.       

Diante do cenário de pandemia, o Batalhão de Polícia Ambiental readequou as ações ostensivas e, mesmo com os parques estaduais fechados para evitar a aglomeração de pessoas, o trabalho dos policiais militares prosseguiu com fiscalizações, atendimento de denúncias e patrulhamento a pé e motorizado.

Em todas as situações criminosas, além do encaminhamento do infrator e do resgate do animal silvestre, são aplicadas multas administrativas com base na legislação ambiental. Nos primeiros seis meses deste ano, o BPAmb-FV aplicou R$ 1.920.140,00 em autos de infração, montante um pouco  acima do mesmo período do ano anterior, quando o valor atingiu R$ 1.998.949,00.

Leia Também:  Projetos de urbanização transformam a vida das pessoas nas cidades

Ao longo dos seis primeiros meses do ano, a unidade desencadeou operações com cumprimento de mandados judiciais de busca e apreensão para localizar pontos de prática de caça ilegal. Também foram descobertas rinhas de galo em que havia centenas de aves feridas por conta dos duelos. Na região dos Campos Gerais, uma operação em Sengés e Jaguariaíva resultou na prisão de sete pessoas e na apreensão de 14 armas de fogo devido ao envolvimento com a caça ilegal.

Em outras ações, o BPAmb-FV resgatou animais silvestres que saíram de seu habitat natural e foram parar em grandes centros urbanos. Um exemplo foi em Foz do Iguaçu em abril, quando uma equipe da 5ª Companhia encontrou um lobo guará em um banheiro do Sest/Senat. O animal foi sedado e levado ao Corredor Ecológico de Biodiversidade RPPN Santa Maria, em Santa Terezinha do Itaipu, onde foi solto.

PENALIZAÇÃO – Para quem comete crimes como manter em cativeiro, caça, transporte ou perseguição de animal silvestre, a pena pode variar de seis meses a um ano de prisão. Segundo o tenente-coronel Adilson, o crime de maus-tratos se enquadra a qualquer tipo de animal, cuja pena varia entre três meses e um ano de prisão e multa criminal, além da multa administrativa.

Leia Também:  Audiência pública virtual debate serviço de travessia da Baía de Guaratuba

PROTEÇÃO – O tenente-coronel Adilson alerta que ter qualquer animal exótico – não original da fauna brasileira – em casa requer diversos cuidados e procedimentos, sob pena de multa e prisão para quem não cumpri-los. É necessário tempo, espaço adequado e recursos financeiros para manter o animal com saúde. “Animais exóticos só podem ser adquiridos em estabelecimentos ou criadouros que estejam legalizados junto ao Ibama. Na dúvida, as pessoas devem fazer contato com o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente”, disse.

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governoparana e www.pr.gov.br

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo