Esportes

Santos e Olímpia ficam no 0 a 0 na Libertadores

Publicados

em


.

Santos e Olímpia empataram em 0 a 0, nesta terça (15) na Vila Belmiro, no retorno da Libertadores da América. Com o resultado, o Peixe perdeu os 100% de aproveitamento, chegou a 7 pontos e segue líder do Grupo G. A equipe paraguaia soma 5 pontos e ocupa a segunda colocação.

Jogo truncado

O confronto foi truncado do início ao fim, com muita entrega dos times, mas pouca inspiração. A primeira grande chegada do jogo foi do Olímpia. Ortiz avançou pelo meio e chutou de perna esquerda para João Paulo espalmar. O Santos só assustou aos 24 minutos. Soteldo recebeu de Marinho e avançou pela esquerda. O venezuelano tocou para o meio da área, Marinho deixou passar e Pituca chutou nas mãos de Azcona.

Leia Também:  Série B: Botafogo-SP recebe Brasil de Pelotas no fechamento da rodada

O time paraguaio quase abriu o placar dois minutos depois. Pita recebeu pela direita e arriscou de fora da área, obrigando João Paulo a fazer grande defesa. O Santos respondeu aos 31 minutos. Carlos Sánchez tocou para Raniel, que dominou e bateu de virada, por cima do gol paraguaio. O Peixe teve nova oportunidade, aos 37 minutos. Raniel tocou para Soteldo, que entrou na área e chutou rasteiro, na saída de Azcona, que viu a bola bater na trave esquerda.

O Santos continuou melhor no início do segundo tempo. Felipe Jonathan acertou bom chute de fora da área e Azcona espalmou. Dois minutos depois, Soteldo cruzou na cabeça de Carlos Sánchez. Ele ajeitou de cabeça para Raniel, mas o camisa 12 não conseguiu reagir e perdeu grande oportunidade.

Ouça na Rádio Nacional

A partir dos 22 minutos, o Olímpia ficou com um jogador a menos. Rodrigo Rojas deu um carrinho violento em Marinho, recebeu o segundo cartão amarelo e foi expulso. Mesmo com vantagem numérica em campo, o Santos encontrou muita dificuldade para furar a defesa paraguaia, além de cair na catimba adversária. A melhor oportunidade apareceu apenas aos 47 minutos, com Madson, que recebeu sem ângulo, tentou o chute, mas Azcona jogou para escanteio.

Leia Também:  Brasileiros faturam três ouros em Aberto Internacional de Paratletismo

Na próxima rodada, o Santos enfrenta o Delfín, quinta-feira (24), às 19h15, no Estádio Jocay, em Manta (Equador). O Olímpia pega o Defensa y Justicia, na quarta-feira (23), às 19h15, no Estádio Noberto Tomaghello (Argentina).

Veja a classificação atualizada da Copa Libertadores.

Edição: Fábio Lisboa

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Esportes

Brasileiros faturam três ouros em Aberto Internacional de Paratletismo

Publicados

em

Por


.

O domingo (20) foi dourado para os atletas paralímpicos Alessandro Rodrigo da Silva, do lançamento de disco e arremesso de peso (F11), e Michel Gustavo, do salto em distância (T47). Os brasileiros conquistaram três medalhas no Aberto Internacional de Paratletismo de Freital (Alemanha). Esta foi a primeira competição oficial de ambos este ano, já que todo o calendário de provas no Brasil foi suspenso, ainda em março, pelo Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), em razão da pandemia do novo coronavírus (covid-19).

Já classificado à Paralimpíada de Toquio (Japão), Alessandro da Silva, foi soberano em duas modalidades.  Na primeira disputa do dia do arremesso de peso, ele obteve a melhor marca válida – 13,18 metros – e faturou o ouro. Na sequência, voltou para o lançamento de disco, em que o brasileiro detém recorde mundial. E mais uma vez, Alessandro brilhou: venceu a prova com a marca de 43,38 m e o segundo ouro do dia. 

No salto em distância, Michel Gustavo, que ainda busca o índice paralímpico (7,14 m) para se garantir nos Jogos de Tóquio, conquistou o ouro ao vencer a prova com a marca de 6,44 m. 

Leia Também:  LNF 2020: Brasília busca primeira vitória contra embalada Intelli

Na pontuação final do torneio, Alessandro foi premiado como melhor atleta do evento, e Michel ficou na segunda colocação na pontuação geral. Esta foi a primeira competição oficial de ambos em 2020, já que todo o calendário de provas no Brasil foi suspenso, ainda em março, pelo Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), em razão da pandemia do novo coronavírus (covid-19).

Edição: Cláudia Soares Rodrigues

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo