Política Estadual

Requerimento pede linha de crédito emergencial para trabalhadores e empresários do setor de eventos

Publicados

em


.

A deputada estadual Luciana Rafagnin (PT) protocolou nesta quarta-feira (5) na Assembleia Legislativa do Paraná um requerimento ao governador Carlos Massa Ratinho Júnior (PSD), solicitando a criação de uma linha de crédito emergencial específica para o setor de eventos no Paraná. A proposta visa facilitar e agilizar o socorro a um dos setores que, desde o início da decretação de calamidade pública, tem sido afetado pelas restrições impostas e necessárias para inibir o avanço da proliferação do novo coronavírus. “Para evitar aglomerações, sofreu impacto direto e foi um dos primeiros a paralisar suas atividades. É também um dos que mais empregam e movimentam a economia dos municípios”, disse a deputada Luciana.  “Hoje, após cinco meses de restrições, amarga enormes prejuízos para trabalhadores e empresários”, completou.

No requerimento ao governador, Luciana lembra que esse segmento envolve uma gama muito grande de profissionais, de diversas categorias, que atuam na promoção de festas de casamento, formaturas, shows, espetáculos culturais, de entretenimento, feiras e festas infantis, entre outras. “São famílias afetadas que, ao não poderem trabalhar, não têm de onde tirar seu sustento. A realidade é de crescimento no número de empresas fechadas e de desemprego em larga escala. Muito preocupante”, disse.

Leia Também:  Assembleia encerra ciclo de debates sobre recursos hídricos alertando para necessidade de preservação

A deputada solicita que o Estado do Paraná crie essa linha específica, com juros acessíveis e tempo de carência adequado à projeção de um retorno dessas atividades, que seja diferente daquela já proposta pela Fomento Paraná e que, segundo ela, poucos conseguem acessar.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política Estadual

Uso de plasma do sangue para combater coronavírus tem resultados positivos

Publicados

em

Por


.

O uso do plasma (parte líquida do sangue) para combater o novo coronavírus tem dado resultados animadores no Paraná. O projeto-piloto desenvolvido pelo Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná (Hemepar) permite a utilização do líquido como procedimento experimental no combate ao vírus. O experimento consiste em utilizar o plasma convalescente coletado de pacientes que se recuperaram da doença e utilizar em novos infectados. “Os pacientes já estão recebendo estes plasmas e estamos tendo resultados positivos em relação a esta terapia”, revelou a chefe da Divisão de Hemoterapia do Hemepar, Renata Pavese, em entrevista ao programa Assembleia Entrevista, da TV Assembleia.

Segundo Renata, a injeção de plasma já com os anticorpos de quem se recuperou da infecção permite a criação de uma barreira protetora em quem recebe o sangue. O objetivo é evitar que a doença tenha um agravamento e, em muitos casos, a necessidade de uma transferência para unidade de terapia intensiva (UTI). “O plasma não oferece a cura, mas minimiza o agravamento. Evita que paciente vá para uma UTI, por exemplo”, explicou ela.

De acordo com o Hemepar, 40 pessoas já foram beneficiadas pela técnica, todos com um índice de 100% de reação positiva. “O plasma é a porção líquida do sangue, onde estão contidos anticorpos de pacientes já recuperados da covid-19. Ele é rico em anticorpos”, disse Renata Pavese.

Leia Também:  Proposta que autoriza o funcionamento de até 200 Colégios Cívico-Militares no Paraná segue sob análise da CCJ

Os estudos começaram a ser desenvolvidos pelo Hemepar em março. Agora, uma campanha pretende angariar mais doadores. A intenção é conseguir de 10 a 15 doações por dia, em todas as 23 unidades que formam a rede do Hemepar no Estado. Os doadores de plasma têm de ter critérios específicos, além dos já exigidos para doadores normais de sangue, as pessoas devem ter entre 16 e 59 anos. Entre as mulheres, só podem doar as que não estiveram grávidas. Os doadores também não podem nunca ter se submetido à ventilação mecânica ou recebido transfusão de sangue na vida. Quem pretende doar plasma também deve levar impresso o exame positivo de covid-19. As doações têm de ocorrer a partir de 45 dias após o diagnóstico do coronavírus, com um prazo que não ultrapasse 180 dias.

Estoques baixos – Por causa do novo coronavírus, os estoques de sangue do Hemepar estão baixos. Por isso, Renata Pavese convida a todos para doarem. De acordo com ela, o Hemepar oferece um ambiente seguro para os doadores. “Não é necessário ter receio de vir doar sangue. O Hemepar está preparado, tomando todas as precauções necessárias”, explicou.

Leia Também:  "Viva em constante transformação: Políticas públicas frente à prevenção do suicídio"

Entre os cuidados, o local não permite a lotação das unidades, adota práticas de distanciamento, verifica a temperatura de todos, além de obrigar a utilização de máscara e de álcool gel. Também é realizada a desinfecção das bancadas entre uma doação e outra. “Lembrando que o banco de sangue é um local de pessoas sadias. Apenas pessoas sadias podem doar, mesmo assim estamos tomando as precauções. Todo processo leva entre 45 minutos a uma hora. O procedimento é tranquilo e seguro”, lembrou.

A seleção dos doadores de plasma é realizada presencialmente e os interessados devem fazer o agendamento pelo fone (41) 3281-4074, em Curitiba, ou nas unidades do Hemepar no interior do Estado. Já as doações de sangue podem ser feitas após o agendamento, no site www.saude.pr.gov.br/Pagina/Doacao-de-Sangue.

A íntegra do programa com a chefe da Divisão de Hemoterapia do Hemepar, Renata Pavese, pode ser assistida pela TV Assembleia, através da Claro/Net canal 16 e 10.2 em canal aberto e também no canal do Youtube nesta sexta-feira (25) a partir das 16 horas.

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo