Internacional

Reino Unido e Canadá assinam acordo comercial transitório pós-Brexit

Publicados

em


Reino Unido e Canadá fecharam neste sábado (21) em Londres, um acordo comercial transitório para proteger o fluxo de 27 bilhões de dólares em bens e serviços entre eles após o Brexit (saída da Grã-Bretanha da União Europeia), e prometeram iniciar negociações sobre um acordo específico no próximo ano. 

Como se prepara para encerrar a transição de saída da União Europeia em 31 de dezembro, o Reino Unido tem negociado vários acordos bilaterais para manter o comércio, com muitos simplesmente substituindo os termos que o bloco já havia acordado. 

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson participou de uma conversa online com o premiê do Canadá, Justin Trudeau, e seus respectivos ministros de comércio para destacar o acerto, que abre caminho para um acordo específico abrangendo mais áreas como comércio digital, pequenas empresas, meio ambiente e empoderamento econômico das mulheres. 

“O acordo de hoje fundamenta 20 bilhões de libras em comércio e garante milhares de empregos”, disse Liz Truss, secretária de Comércio Internacional do Reino Unido, em um comunicado. 

Leia Também:  Estados Unidos temem alta adicional de casos de covid-19 nos feriados

O governo canadense afirmou que o acordo transitório “reproduz em grande parte” o acordo da União Europeia (UE) sobre reduções tarifárias e disposições para trabalho e meio ambiente. “Queremos um acordo comercial ambicioso e abrangente de alto nível com o Reino Unido”, disse, sinalizando que o Canadá deseja termos semelhantes ao acordo da UE. 

Parceiros internacionais

O Reino Unido é o quinto maior parceiro comercial do Canadá, depois de Estados Unidos, China, México e Japão. 

Premiê britânico, Boris Johnson, deixa residência oficial em LondresPremiê britânico, Boris Johnson, deixa residência oficial em Londres

Boris Johnson: em busca de melhores acordos comerciais    (Arquivo/Reuters/Direitos Reservados)

Boris Johnson está tentando moldar um novo “Reino Unido global”, que possa agir sozinho e negociar acordos comerciais melhores do que a UE como parte do que ele diz serem os benefícios da decisão histórica de deixar o maior bloco comercial do mundo. 

Em menos de dois anos, o país fez acordos comerciais com 53 países, respondendo por 164 bilhões de libras (217,82 bilhões de dólares) do comércio bilateral britânico. Críticos de Johnson apontam que muitos são basicamente os mesmos que os acordos da UE. 

O Acordo de Continuidade Comercial Reino Unido-Canadá estará sujeito às verificações jurídicas finais antes de ser formalmente assinado. “Este é um bom momento”, disse o premiê do Canadá, Justin Trudeau.

 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Internacional

Parlamento Europeu quer tirar 700 mil sem-abrigo das ruas até 2030

Publicados

em

Por


O Parlamento Europeu apelou hoje (24) aos Estados-membros da União Europeia (UE) para adotarem medidas a fim de tirar das ruas até 2030 todos os sem-abrigo, cujo número aumentou 70% na última década para 700 mil.

Em resolução aprovada nesta terça-feira na sessão plenária da assembleia europeia, que ocorre em Bruxelas, na Bélgica, os eurodeputados destacam que “a habitação é um direito humano fundamental e pedem ação mais robusta por parte da Comissão Europeia e dos Estados-membros para erradicar o problema dos sem-abrigo até 2030”.

No texto, aprovado com 647 votos a favor, 13 contra e 32 abstenções, o Parlamento Europeu cita a situação precária dos mais de 700 mil sem-abrigo na Europa, número que aumentou 70% nos últimos dez anos.

Os eurodeputados sugerem várias medidas a serem adotadas pelos países da UE para atingir esse objetivo, entre elas assumir a responsabilidade de enfrentar o problema e trabalhar na prevenção e intervenção precoce e apostar na descriminalização da situação de sem-abrigo, na garantia de acesso igual aos serviços públicos (cuidados de saúde, educação e serviços sociais) e ainda no apoio à integração no mercado de trabalho.

Leia Também:  Vacina da AstraZeneca pode ser 90% eficaz contra covid, mostra teste

“Os Estados-membros devem também adotar o princípio de `Habitação Primeiro`, que ajuda a reduzir significativamente o número de sem-abrigo por meio da introdução de planos de ação e abordagens inovadoras baseadas no conceito de um lar enquanto direito humano fundamental”, dizem os parlamentares no documento.

Além disso, para acabar com o problema dos sem-abrigo, a Comissão Europeia deverá apoiar os Estados-membros, melhorar o monitoramento, manter as contribuições financeiras e apresentar um quadro europeu de estratégias nacionais para essa população”, acrescentam.

A assembleia europeia quer ainda que sejam alocadas verbas do novo Quadro Financeiro Plurianual (2021-2027) e do Mecanismo de Recuperação e Resiliência para melhorar as oportunidades de trabalho e a integração social dos agregados familiares sem emprego.

O texto aprovado tem por base petições que chegaram à comissão parlamentar encarregada dessas iniciativas de cidadania sobre o “aumento do número de pessoas sem abrigo da UE”, apelando à adoção de medidas.

Em meio à severa crise na Europa gerada pela pandemia de covid-19, alguns relatórios admitem que essa perda de rendimentos possa levar a um incremento no número de sem-abrigo.

Leia Também:  Cientistas resolvem mistério da Nebulosa de Anel Azul

Edição: –

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo