Internacional

Reinfecção de covid-19 é improvável por pelo menos seis meses

Publicados

em


É altamente improvável que pessoas que tiveram covid-19 contraiam a doença novamente por pelo menos seis meses depois da primeira infecção. É o que mostra  um estudo britânico feito com funcionários de saúde que atuam na linha de frente da luta contra a pandemia do novo coronavírus.

As descobertas passam tranquilidade a mais de 51 milhões de pessoas no mundo que foram infectadas com a doença, disseram pesquisadores da Universidade de Oxford.

“É uma notícia realmente muito boa porque as pessoas podem ficar confiantes que, pelo menos no curto prazo, a maioria que já pegou covid-19 não pegará novamente”, disse David Eyre, um dos coordenadores do estudo e professor do Departamento Nuffield de Saúde da População, em Oxford.

Autoridades da Organização Mundial da Saúde (OMS) gostaram dos resultados. “Estamos vendo níveis sustentados de resposta imunológica em humanos até agora”, afirmou Mike Ryan, principal especialista de emergência da OMS, em entrevista coletiva. “Isso também nos dá esperança para a vacina”.

Maria van Kerkhove, líder técnica em covid-19 para a OMS, acrescentou: “Ainda precisamos seguir esses indivíduos por um período mais longo para ver quanto tempo a imunidade dura”.

Leia Também:  Vacina da AstraZeneca pode ser 90% eficaz contra covid, mostra teste

Casos isolados de reincidência de covid-19, a doença causada pelo vírus SARS-CoV-2, causaram preocupações de que a imunidade poderia ter vida curta e que pacientes recuperados poderiam rapidamente ficar doentes novamente.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Internacional

Parlamento Europeu quer tirar 700 mil sem-abrigo das ruas até 2030

Publicados

em

Por


O Parlamento Europeu apelou hoje (24) aos Estados-membros da União Europeia (UE) para adotarem medidas a fim de tirar das ruas até 2030 todos os sem-abrigo, cujo número aumentou 70% na última década para 700 mil.

Em resolução aprovada nesta terça-feira na sessão plenária da assembleia europeia, que ocorre em Bruxelas, na Bélgica, os eurodeputados destacam que “a habitação é um direito humano fundamental e pedem ação mais robusta por parte da Comissão Europeia e dos Estados-membros para erradicar o problema dos sem-abrigo até 2030”.

No texto, aprovado com 647 votos a favor, 13 contra e 32 abstenções, o Parlamento Europeu cita a situação precária dos mais de 700 mil sem-abrigo na Europa, número que aumentou 70% nos últimos dez anos.

Os eurodeputados sugerem várias medidas a serem adotadas pelos países da UE para atingir esse objetivo, entre elas assumir a responsabilidade de enfrentar o problema e trabalhar na prevenção e intervenção precoce e apostar na descriminalização da situação de sem-abrigo, na garantia de acesso igual aos serviços públicos (cuidados de saúde, educação e serviços sociais) e ainda no apoio à integração no mercado de trabalho.

Leia Também:  G20 se compromete a garantir acesso global a vacina contra covid-19

“Os Estados-membros devem também adotar o princípio de `Habitação Primeiro`, que ajuda a reduzir significativamente o número de sem-abrigo por meio da introdução de planos de ação e abordagens inovadoras baseadas no conceito de um lar enquanto direito humano fundamental”, dizem os parlamentares no documento.

Além disso, para acabar com o problema dos sem-abrigo, a Comissão Europeia deverá apoiar os Estados-membros, melhorar o monitoramento, manter as contribuições financeiras e apresentar um quadro europeu de estratégias nacionais para essa população”, acrescentam.

A assembleia europeia quer ainda que sejam alocadas verbas do novo Quadro Financeiro Plurianual (2021-2027) e do Mecanismo de Recuperação e Resiliência para melhorar as oportunidades de trabalho e a integração social dos agregados familiares sem emprego.

O texto aprovado tem por base petições que chegaram à comissão parlamentar encarregada dessas iniciativas de cidadania sobre o “aumento do número de pessoas sem abrigo da UE”, apelando à adoção de medidas.

Em meio à severa crise na Europa gerada pela pandemia de covid-19, alguns relatórios admitem que essa perda de rendimentos possa levar a um incremento no número de sem-abrigo.

Leia Também:  Espanha iniciará programa de vacinação em janeiro

Edição: –

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo