Política Nacional

Proposta cria frente parlamentar para apoiar combate ao crime organizado na América Latina

Publicados

em

Tramita na Comissão de Relações Exteriores (CRE) o Projeto de Resolução do Senado (PRS) 89/2019, que cria a Frente Parlamentar de Apoio à Corte Penal Latino-americana e do Caribe contra o Crime Organizado (Copla). A proposta, do senador Marcos do Val (Podemos-ES), tem como objetivo reprimir o crime transnacional organizado na região, por meio da criação da instituição latina. O projeto está pronto para pauta na CRE.

Marcos do Val argumenta que o crime transnacional organizado afeta a democracia na região, gerando violência e corrupção, principalmente por meio do tráfico de drogas, armas e pessoas, além da lavagem de dinheiro. “O combate à impunidade em relação a esses crimes passa pela criação de uma estrutura internacional que complemente a justiça nacional e auxilie as forças de segurança nacionais”, ressalta o senador.

Favorável à aprovação da matéria, o relator, senador Angelo Coronel (PSD-BA), classifica a criação da Frente Parlamentar como de “extrema importância para a repressão da criminalidade na região”. Para ele, a adoção de ferramentas e estratégias em nível regional e global é fundamental para combater o crime organizado.

Leia Também:  Debatedores defendem uso de precatórios para pagar salários de professores

“É evidente que a busca de ações interestatais integradas e eficientes no combate a crimes como os de lavagem de dinheiro, tráfico de drogas e de armas levará à redução da criminalidade interna nos países da região, uma vez que os agentes criminosos se valem de recursos obtidos mediante essas práticas ilícitas transnacionais”, justifica o relator.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política Nacional

Em meio a motim de militares no Ceará, Moro vai visitar o estado

Publicados

em

source
Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro arrow-options
Carolina Antunes/PR

Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro

Os ministros Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) e Fernando Azevedo (Defesa) farão uma visita ao Ceará na próxima segunda-feira (24). O estado passa por uma crise na área de segurança pública e já teve 51 pessoas assassinadas desde que o motim de policiais militares começou. As informações do Painel, da Folha de S. Paulo .

No primeiro dia de protestos da categoria, o senador licenciado Cid Gomes (PDT-CE) levou dois tiros enquanto tentava furar um piquetes de PMs. Ele pilotava uma retroescavadeira e avançou com o veículo contra o portão de um batalhão da Polícia Militar.

Na quinta-feira (20), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) autorizou o envio das Forças Armadas para reforçar a segurança no Ceará.

O decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) foi determinado para durar o período de uma semana, desta sexta-feira (21) a 28 de fevereiro. A medida foi uma resposta a um pedido do governador Camilo Santana (PT). A Força Nacional também foi enviada ao estado por decisão de Moro.

Leia Também:  Ministro diz que base na Antártica é obra de Bolsonaro, mas começou com Dilma

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo