Política Estadual

Presidente da Comissão de Turismo da Assembleia pede a ministro medidas para estimular a retomada do turismo

Publicados

em


.

O presidente da Comissão de Turismo da Assembleia Legislativa do Paraná, deputado Soldado Fruet (PROS), participou na tarde desta quarta-feira (5) da reunião on-line do Conselho Paranaense de Turismo (Cepatur), que contou com a presença do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio. O parlamentar agradeceu o secretário do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes, pelo convite e cobrou medidas dos governos estadual e federal para garantir a sobrevivência e a retomada do setor.

O deputado questionou o ministro se o Governo Federal estuda ampliar o volume de recursos para empréstimo com juros subsidiados para o segmento. “Mas o setor hoteleiro principalmente, porque vemos grandes recursos para o transporte aéreo e muito pouco para as pequenas empresas e hotéis”, apontou. Marcelo Álvaro afirmou que o MTur está trabalhando diretamente com o BRDE e outros parceiros bancários e que deve liberar mais crédito para o setor. O deputado também vai solicitar ao ministro um posicionamento do Governo Federal sobre a reabertura das fronteiras, já que não houve tempo hábil para fazer a pergunta durante a reunião. “Reabrir as fronteiras é algo essencial para retomar o turismo de Foz do Iguaçu, então quero saber se estão sendo estudadas ações que garantam essa reabertura”, explicou.

Leia Também:  Uso de plasma do sangue para combater coronavírus tem resultados positivos

O presidente da Comissão de Turismo também reivindicou ações do governo estadual para ajudar o setor. Segundo ele, “teremos um turista que quer viajar, mas medroso, então acho que se conseguirmos trabalhar para oferecer toda a segurança, com protocolos de saúde, tenho certeza que vamos atrair turistas”. O deputado Soldado Fruet destacou também que encaminhou um expediente ao governador Carlos Massa Ratinho Junior, pedindo que os atrativos turísticos ambientais sejam incluídos no rol de serviços essenciais. “O turista, quando quer viajar, quer se programar, mas não sabe se o parque estará fechado ou aberto. Seria interessante o secretário conversar com o governador e pensar com carinho na questão dos parques para não fecharem quando têm lockdown, pois isso atrapalha muito a questão turística”, ponderou.

Hotéis – A retomada do turismo também foi tratada na sexta reunião da Frente Parlamentar do Coronavírus, realizada na manhã desta quarta-feira. A convite do Soldado Fruet, o presidente do Sindicato dos Hotéis, Bares, Restaurantes e Similares de Foz do Iguaçu (Sindhotéis), Neuso Rafain, expôs as dificuldades do setor. Ele citou que dois hotéis tradicionais na cidade fecharam as portas, mas ressaltou que a Itaipu e o Parque Nacional do Iguaçu reabriram suas atrações turísticas. Por isso, cobrou esforços do Governo para a recuperação do setor, tanto em demandas pontuais da pandemia – como a suspensão da cobrança de valor fixo da Copel e Sanepar, já que os hotéis estão fechados – quanto nos investimentos em infraestrutura necessários para atender a projeção de 5 milhões de turistas por ano no município em 2030.

Leia Também:  Assembleia encerra ciclo de debates sobre recursos hídricos alertando para necessidade de preservação

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política Estadual

Pandemia deverá agravar casos de doenças mentais, em especial, os casos de suicídio, alertam especialistas

Publicados

em

Por


.

Atendendo a uma solicitação da Ong Decida Viver, o deputado Tadeu Veneri (PT), que preside a Comissão de Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa do Paraná, reuniu especialistas preocupados com a situação da população, especialmente no pós-pandemia, na audiência pública remota “Viva em Constante Transformação: Políticas Públicas Frente à Prevenção do Suicídio”.

“Acho que o fato de estarmos no Setembro Amarelo, mês de prevenção ao suicídio, é o momento certo para ouvirmos o que os especialistas têm a nos dizer para podermos criar e melhorar as políticas no campo da prevenção e do acolhimento dos pacientes”, afirmou Veneri.

O deputado destacou uma proposta feita pela Comissão para a realização de um fórum permanente de discussão. “Saímos daqui honrados pelas falas de vocês e pelas presenças em plena sexta-feira à noite. O tema é espinhoso, carregado de preconceitos, mas necessário e estamos aqui para contribuir”.

Para a psicóloga Raquel Pinheiros Niehues Antoniassi, que também é professora universitária, o suicido é uma verdadeira epidemia. Alegou que queria provocar incômodo, porque há um ano havia falado sobre o tema é de lá para cá, a situação não avançou nas políticas públicas de combate ao suicídio, como acontece com a dengue, por exemplo.

“Por isso, o problema persiste e ainda cresce.  Em Maringá, onde eu atuo, foram 943 tentativas de suicido em 2019 e 28 mortes. Até quando vamos conviver com isso?  E o pior. O mês onde mais ocorreram mortes foi em setembro, justamente quando se intensificam as ações. Acredito que essas ações não estejam sendo feitas de forma correta”, provocou.

A especialista também ressaltou que é preciso investir tempo e as políticas, segundo ela, devem promover acertos e não, erros. “Agir antes que o suicídio aconteça”, avisou

O suicídio é a causa da morte de uma pessoa a cada 40 segundos no mundo, de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS). Hellem Luciana Damrat Tchaikovski, enfermeira especialista em saúde mental, com atuação no Hospital Adauto Botelho e no SAMU Curitiba, fez um relato histórico do suicídio, ao longo dos anos, do ponto de vista econômico e do religioso, explicando que passou a ser enquadrado como doença no fim da década de 1960. Apontou as perdas como principais gatilhos, agravados com a pandemia. 

Ela avalia o que falta para um melhor atendimento: a capacitação de profissionais na rede pública; de uma escuta qualificada; identificar como anda a saúde mental das pessoas; a presença de assistentes sociais e psicólogos nas escolas; acesso facilitado aos tratamentos; notificações e mais pontos de apoio. “Também gostaria de perguntar: como o estado do Paraná se insere na política nacional de prevenção se tem medo de falar em suicídio?”, questionou.

Flávia Caroline Figel, psicóloga do Departamento de Saúde Mental da Secretaria de Saúde do Paraná, se prontificou a responder e relatar um pouco da situação do estado. Disse que suicídio é um grande problema de saúde pública, que vem crescendo com o passar dos anos. “Para se ter uma ideia, o Paraná teve 927 suicídios em 2019 e a faixa etária é de pessoas de 20 a 29 anos. Em 2018, foram 918 casos e em 2015, pouco mais de 700. Então há uma alta preocupante com os casos”, disse.

Leia Também:  ACP discute roteiro "Cidades Históricas do Paraná" para o turismo no pós-pandemia

Flávia explicou ainda que o Governo ministra cursos de capacitação a distância com os profissionais de saúde e de toda a rede, incluindo educação e segurança e para profissionais que lidam com a população indígena. “São abordados sinais, fatores de alerta e atualmente são 19 mil alunos realizando esse curso. É a preocupação da Secretaria a implantação das ações o ano todo. E melhorar o conhecimento técnico dos profissionais para que eles consigam compreender a situação”, afirmou.

O procurador do Ministério Público, Marco Antônio Teixeira, preferiu abordar o suicídio de outra forma: “como uma epidemia subterrânea”.

E foi o primeiro a relacionar a pandemia de covid associada à epidemia das doenças mentais, que, de acordo com ele, vai durar muito mais tempo que a pandemia. “Não se sabe o quanto esse estresse em que o mundo vive, vai provocar. Será que a rede será suficiente? Claro que não”, relatou.

O MP se junta aos profissionais para que se defina o que será feito. Já foram feitos dois estudos: um no Reino Unido e outro no Japão. Por lá, já se tem consciência de que há falta de profissionais e de instituições para tratar os doentes. O internamento domiciliar já é realidade na Europa, mas o Brasil ainda é iniciante.

Ele frisou também que campanhas de prevenção ao suicídio devem ser permanentes. “Todos os meses têm que ser amarelos”.

Os profissionais lembraram que o suicídio é um estigma social, o que representa uma barreira para as pessoas superarem as fases mais agudas do seu tratamento.

“No MP desenvolvemos, e hoje com mais ênfase, a atuação primária. Começando nos municípios. Temos um programa relacionado ao uso de agrotóxicos em conjunto com a SESA, e estudando em campo para identificar as fraturas em municípios com alto índice de internamentos. Este em parceria com a UFPR”, pontuou Teixeira.

Heloísa Cella, servidora da saúde de Maringá, fez um retrato do que ocorre no município do Norte paranaense. Ela classificou o tema como “um grande desafio para nós, profissionais de saúde. Mas em Maringá, nas 34 unidades básicas de saúde temos psicólogos. Já fizemos capacitação, não apenas com esses profissionais, mas com toda a rede. No entanto, ainda há dificuldades em lidar com essa situação, com esse paciente. Precisamos intensificar essas ações. A porta de entrada deveria ser na atenção básica”.

Antes de ser um problema de saúde pública, o suicídio deve ser tratado como segurança pública, é o que acredita o tenente Pedro Gonçalves Seki, do 5º Grupamento de Bombeiros de Maringá, pelo fato dos bombeiros atuarem com o paciente pós tentativa de suicídio. “Claro que a prevenção é uma preocupação para nós, porque muitos que tentam o suicídio uma primeira vez, voltam a tentar. Em 2011 a PM doutrinou os agentes promovendo cursos para o atendimento. Mas os cursos para os bombeiros ocorreram apenas a partir de 2017. O número de bombeiros é pequeno para atender: são apenas 50 capacitados. É preciso investir mais nessa capacitação “, destacou.

Coronel Ademar Carlos Paschoal, comandante do 4º Batalhão de Polícia Militar do Paraná, fez um panorama com o olhar nos policiais que acabam se tornando pacientes. “Eles têm longas jornadas de trabalho, condições não ideais de trabalho e o risco de vida que se corre no dia a dia.  Também são suscetíveis a desenvolverem doenças mentais: crises de depressão, ansiedade e muitos ficam doentes”.

Leia Também:  As mudanças nas eleições em 2020 são o tema do programa Entre Poderes com o vice-presidente do TRE-PR

Em parceria com a ONG Decida Viver, o comando tomou providências com cursos nas universidades: Unicesumar e Universidade Estadual de Maringá. O objetivo, segundo o comandante, é identificar os policiais e investir em sua qualidade de vida. “Desde 2014, temos psicólogos para que cada batalhão possa avaliar os nossos policiais e estamos investindo em prática de meditação para redução da ansiedade”, disse. Ele apresentou resultados positivos da percepção dos policiais e de suas famílias após os processos.

Regina Aparecida de Paula, professora e presidente da ONG Decida Viver, começou a fala dela com a frase “Entendemos a vida como direito em sua plenitude”.  Ela contou que em 2017, perdeu um filho por suicídio.  Fundou a ONG para que outras famílias não vivam o luto como ela viveu. “Não me canso de dizer e reafirmar a vontade de viver. Hoje somos mais de 200 voluntários. Não somos salvadores da humanidade, mas queremos contribuir para o acolhimento das pessoas com intenções suicidas. Já acolhemos mais de 300 pessoas. Somos 43 psicólogos, mas a responsabilidade de cuidar da população é dos gestores públicos. É preciso criar condições para garantir o acesso à saúde, começando pelas prefeituras”, pediu. Para ela, há muita teoria e pouca prática. “Todos estão falando o que estão fazendo, mas os casos só aumentam ano a ano. Quem cuida deve ser cuidado. Vida tem que ser maior que a burocracia. Quem está desejando a morte não espera. Precisamos correr contra o tempo após a covid. Queremos somar forças. Pedimos apenas um olhar sensível a essa causa. Que todos se envolvam. Se eu tivesse mais conhecimento, talvez eu soubesse ter lidado com a situação e não tivesse perdido meu filho”, desabafou.

Com uma fala carregada de emoção, Tatiane Iori Alvim, psicóloga e coordenadora da Ong Decida Vive, que atua diretamente no trabalho de prevenção ao suicídio, reforçou a ausência de ações práticas quando se trata do tema. Ela destacou números da Organização Mundial da Saúde (OMS), que dão conta que entre seis a dez pessoas são impactadas por um suicídio. Ela também relatou as dificuldades que os profissionais têm no acesso aos seus pacientes quando eles são internados. “Nós da psicologia, não podemos ter acesso aos nossos pacientes nos hospitais. Temos que vê-los como visitantes por não sermos parentes, mas muitos deles não contam com nenhum familiar para apoiá-los”.

Setembro Amarelo – Desde 2014, a Associação Brasileira de Psiquiatria – ABP, em parceria com o Conselho Federal de Medicina – CFM, organiza nacionalmente o Setembro Amarelo. O dia 10 deste mês é, oficialmente, o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, mas a campanha acontece durante todo o ano.

São registrados cerca de 12 mil suicídios todos os anos no Brasil e mais de 1 milhão no mundo. Trata-se de uma triste realidade, que registra cada vez mais casos, principalmente entre os jovens. Cerca de 96,8% dos casos de suicídio estavam relacionados a transtornos mentais. Em primeiro lugar está a depressão, seguida do transtorno bipolar e abuso de substâncias.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo