Polícia Federal

PF prende líder de organização criminosa em Macapá/AP

Publicados

em

Macapá/AP – A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta segunda-feira (2/12), a Operação Coactio, com objetivo de cumprir um mandado de prisão preventiva em desfavor de líder de uma organização criminosa investigada pela Operação Ex tunc, no estado do Amapá.

As investigações iniciadas em 2016 apuram fraudes em documentos para obtenção de benefícios indevidos de auxílio-reclusão e pensão por morte junto ao Instituto Nacional de Seguro Social (INSS).

A prisão decorreu de representação feita pela Polícia Federal, após detectar que o líder da organização criminosa (ORCRIM), que já foi preso anteriormente no curso das investigações relacionadas à Operação Ex tunc, estava coagindo os envolvidos e embaraçando as investigações originárias.

O investigado poderá responder, na medida de sua responsabilidade, pelo crime de obstrução à investigação. Se condenado, poderá cumprir pena de até 8 anos de reclusão, sem prejuízo das outras penas previstas para os crimes investigados.

 

* Coactio: significa a coação em latim

 

 

Comunicação Social da Polícia Federal no Amapá

Leia Também:  PF prende suspeito de atuar na logística do garimpo em terra indígena ianomâmi

[email protected] | www.pf.gov.br

(96) 3213-7500

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Polícia Federal

PF prende suspeito de atuar na logística do garimpo em terra indígena ianomâmi

Publicados

em

Por


.

Boa Vista/RR – A Polícia Federal prendeu em flagrante, nesta sexta-feira (3/7), um suspeito de atuar na logística aérea para apoio a atividades de mineração ilegal em reserva indígena ianomâmi e de ser proprietário de garimpo na região.

O homem foi preso em Boa Vista/RR com mais de dois quilos de ouro, durante o cumprimento de um mandado de busca, expedido pela 2ª Vara da Justiça Federal em Roraima.

O inquérito policial apura a abertura de pistas clandestinas localizadas no município de Alto Alegre/RR, das quais dependeriam as atividades ilícitas relacionadas ao garimpo que ocorreria na reserva indígena, bem como as atividades clandestinas de radiofonia e transporte irregular de combustível e dos próprios garimpos. As investigações seguem em andamento.

O suspeito, que já foi alvo de outras quatro ações da Polícia Federal, possui uma condenação pelo crime de genocídio e poderá responder, em razão da prisão de hoje, pelo crime de usurpação de patrimônio da União, com pena de até 5 anos.

Leia Também:  PF, em ação conjunta, realiza nova apreensão de aproximadamente 500 kg de maconha

O preso foi encaminhado ao sistema prisional, onde permanece à disposição da Justiça.

 

Comunicação da Polícia Federal em Roraima.
Contato: (95) 3621-1500
[email protected]

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo