Geral

Pesquisa descobre ilhas construídas por indígenas na Amazônia

Publicados

em

Arqueólogos do Instituto Mamirauá descobriram que há ilhas artificiais, também chamadas de “aterrados”, em áreas de várzea do Médio e Alto Solimões, no Estado do Amazonas. Essas ilhas foram construídas em períodos que antecederam a chegada de colonizadores portugueses e espanhóis à região.

Mais de 20 ilhas foram identificadas. Elas medem entre um e três hectares e têm até sete metros de altura. As ilhas têm formato piramidal com a base maior. Na parte de cima, que fica na superfície inclusive na época de cheia, o material cerâmico utilizado no solo ajuda a estabilidade do terreno e as bordas têm forma de talude (rampa), que facilita acesso à água e à atividade de pesca.

Pesquisa descobre ilhas construídas por indígenas na Amazônia

Pesquisa descobre ilhas construídas por indígenas na Amazônia – Márcio Amaral/ Instituto Mamirauá

Conforme o Instituto Mamirauá “foram encontradas cerâmicas do estilo corrugado, caracterizado esteticamente pelas ‘rugas’, camadas modeladas nos vasos e peças. O estilo cerâmico, datado dos séculos 15 e 16, é comum a grupos tupis”. Além desse material, os pesquisadores identificaram “fragmentos de cerâmica do estilo Hachurada Zonada, tipo ainda mais antigo – acredita-se que por volta de mil a.C.” 

A hipótese dos arqueólogos é que essas ilhas foram erguidas e utilizadas pelos omáguas, povo indígena antigo – ascendente dos atuais kambebas, etnia amazônida no Brasil e no Peru. Relatos de cronistas do século 16, que acompanharam expedições de colonizadores, registram a descrição de povos: “eles eram tantos que se arrojaram e moram em ilhas”, conforme documento histórico citado à Agência Brasil por Márcio Amaral, do Grupo de Pesquisa em Arqueologia e Gestão do Patrimônio Cultural da Amazônia do Instituto Mamirauá. 

O arqueólogo se impressiona com o volume de terra que os omáguas movimentaram para formar as ilhas artificiais. A terra foi retirada de locais cavados, que desde então formam depressões. “É um volume absurdo de terra que foi movimentada. Se essa movimentação de terra fosse mecanizada, seriam necessários vários tratores várias caçambas, várias pás-carregadeiras – uma estrutura monumental”, assinala. 

Pesquisa descobre ilhas construídas por indígenas na Amazônia

Pesquisa descobre ilhas construídas por indígenas na Amazônia – Márcio Amaral/ Instituto Mamirauá

A estimativa é de que haja na região cerca de 250 ilhas artificiais. O número de ilhas e o volume de terra deslocado, levanta hipóteses entre os pesquisadores sobre o nível de conhecimento, a capacidade tecnológica, a densidade populacional e a organização social dos omáguas. “Certamente havia muitas pessoas e havia uma organização para essas pessoas construírem e movimentar terra. Tinha que saber onde colocar. Seguramente, havia [pessoas que cumpriam a função de] engenheiros. As ilhas são rampadas. Para aguentar a distribuição do peso fizeram com uma distribuição proporcional”, descreve Márcio Amaral. 

As pesquisas feitas pelos arqueólogos do Instituto Mamirauá, com apoio do ICMBio, são desenvolvidas há cinco anos. Segundo eles, construções similares foram encontradas na Ilha do Marajó, no Pará, e em Llanos de Mojos, na Bolívia.

Edição: Aline Leal
Fonte: EBC Geral
COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Temporal causa prejuízos de R$ 37 milhões ao comércio do Rio
Propaganda

Geral

Rio tem previsão de chuva isolada e ressaca no Carnaval

Publicados

em

Devido às chuvas fortes da noite de ontem (21), o Rio de Janeiro entrou em estágio de atenção às 20h50, retornando ao estágio de mobilização às 08h30 de hoje (22). Segundo o Centro de Operações da Prefeitura (COR), além da chuva, os eventos de carnaval e o desfile da Série A na Sapucaí levaram ao estágio de atenção.

Na comunidade da Rocinha, na zona sul, o acumulado de chuva chegou a 46 milímetros (mm) em uma hora, o que levou ao acionamento de sete sirenes. Os equipamentos foram desligados às 23h36. O Jardim Botânico registrou 36,4mm de chuva e no Vidigal choveu 27,6mm entre 20h e 21h, ambos também na zona sul.

O COR registrou 12 ocorrências de bolsões de água, todos já drenados, entre eles na Avenida Presidente Vargas, na altura da Cidade Nova; na Avenida Armando Lombardi, na altura do Barra Point; na Avenida Epitácio Pessoa, na altura da Rua Maria Quitéria; e na Rua Benedito Hipólito, na altura da Rua Carmo Neto.

A queda de uma árvore na Lagoa interditou agora de manhã duas faixas da Avenida Epitácio Pessoa, sentido Túnel Rebouças.

Cordão da Bola Preta faz seu 102º pelas ruas do centro do RioCordão da Bola Preta faz seu 102º pelas ruas do centro do Rio
Leia Também:  Rio terá feriado nesta segunda-feira em homenagem a São Sebastião
Cordão da Bola Preta faz seu 102º pelas ruas do centro do Rio de Janeiro – Tomaz Silva/Agência Brasil

Previsão do tempo

De acordo com o Alerta Rio, o tempo permanece instável hoje, devido à passagem de uma frente fria pela cidade, com previsão de chuva fraca a moderada a qualquer hora do dia. Há possibilidade de ventos moderados a fortes, entre 50 quilômetros por hora (km/h) e 76 km/h, com maior intensidade no período da tarde. Após uma semana de intenso calor, as temperaturas caíram e devem ficar entre 19°C e 28°C.

A Marinha emitiu um aviso de ressaca que inclui o município do Rio de Janeiro, entre às 21h de hoje e às 9h de segunda-feira (24), com ondas que podem chegar a 2,5 metros.

Carnaval

A chuva não espantou os foliões, que circulam pela cidade atrás dos blocos. Agora pela manhã, arrastam multidões o Bola Preta, na Avenida Presidente Antônio Carlos, e o Multibloco, na Rua Henrique Valadares, ambos no Centro, e o Amigos da Onça, no Aterro do Flamengo, na zona sul. Estão previstos para hoje um total de 60 blocos de rua.

Após 15 minutos de atraso por causa da chuva, o desfile da Série A do carnaval carioca na Sapucaí também transcorreu sem problemas. Os desfiles de hoje começam às 22h30, com previsão de céu nublado a encoberto, com chuva fraca a moderada isolada e temperatura estável.

O metrô funciona em esquema especial de carnaval, circulando 24 horas até meia noite de terça-feira (25). As estações Catete e Presidente Varas ficarão fechadas no período, assim como algumas saídas de estações próximas a megablocos, como Cinelândia e Carioca. O Metrô Rio recomenda que se compre os cartões de passagem com antecedência, pois algumas estações não terão bilheterias abertas. Na Carioca, Glória e General Osório foram montadas estruturas externas para a venda de bilhetes.

Edição: Denise Griesinger

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo