Saúde

Pela segunda semana seguida, SP tem queda de óbitos e internações

Publicados

em


.
Pela segunda semana consecutiva, o estado de São Paulo apresentou queda no número de internações e de mortes provocadas pelo novo coronavírus. A queda no número de óbitos chegou a 8% em todo o estado, correspondendo a 151 vítimas a menos.

Na semana de 19 a 25 de julho, que corresponde à 30ª Semana Epidemiológica, o estado registrou um total de 1.870 óbitos por coronavírus. Na semana seguinte, entre os dias 26 de julho e 1º de agosto, correspondente à 31ª Semana Epidemiológica, o número caiu para 1.719. Na comparação entre os períodos de 12 a 18 de julho e de 19 a 25 de julho, já havia sido observada redução de 4% nas mortes. “É uma notícia importante, significativa e de impacto positivo, que nos enche de esperança”, disse o governador de São Paulo, João Doria.

Quanto às internações, a queda foi de 2,5% na mesma base de comparação. Entre os dias 19 e 25 de julho [30ª Semana Epidemiológica], 12.874 pessoas foram internadas com o novo coronavírus em todo estado. Na 31ª Semana Epidemiológica, foram registradas 12.551 internações, ou seja, 323 pacientes a menos.

Leia Também:  Ao vivo: governo divulga novo cenário do coronavírus no Brasil

A comparação entre as semanas de 19 a 25 de julho e 12 a 18 de julho já havia indicado queda nas internações. A redução havia sido de 4% no estado. “São boas notícias e precisam ser registradas, mas com prudência. Temos que manter o foco, continuar a quarentena e seguir tornando obrigatórios o uso de máscaras, o distanciamento social e os cuidados com a própria saúde, além de, obviamente, todo o atendimento para os pacientes infectados”, disse Doria.

Por outro lado, o estado vem apresentando um grande crescimento no número de casos. Na 31ª Semana Epidemiológica, São Paulo teve  72.835 casos confirmados do novo coronavírus. Na semana anterior, foram 67.454 casos confirmados.

Segundo o governo paulista, isso se deve ao aumento da testagem. De acordo com o secretário da Saúde, Jean Gorinchteyn, desde o início da pandemia, o estado fez  1,788 milhão de testes para a covid-19 [doença provocada pelo novo coronavírus], o equivalente a 25% do total realizado no Brasil. “Chegamos a níveis  de testagem similares a países europeus, com 23 mil testes diários”, disse ele.

Leia Também:  Alex Bousquet deixa secretaria de Saúde do Rio

“O que não pode aumentar é o número de internações e de óbitos”, afirmou a secretária de Desenvolvimento Econômico, Patrícia Ellen.

Regiões

Na capital, a redução tanto em internações quanto em óbitos foi de 5% na comparação entre a 30ª e a 31ª Semana Epidemiológica.

Já na região metropolitana, a queda foi de 29% nos óbitos e de 2% nas internações. No interior, as internações caíram 1% e as mortes, 5%. “Os dados sugerem que o interior pode também, assim como a capital, estar saindo do platô”, disse Gorinchteyn.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Brasil terá maior fábrica de vacinas da América Latina

Publicados

em

Por


.

A Fundação Oswaldo Cruz e a Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro (Codin) assinaram hoje (17) acordo para instalação da maior fábrica de vacinas da América Latina. O Complexo Industrial de Biotecnologia em Saúde vai ocupar uma área de 580 mil metros quadrados e terá capacidade de produção de 120 milhões de frascos de vacinas e biofármacos por ano e será instalada em Santa Cruz, na zona oeste do Rio de Janeiro.

As vacinas contra meningite, hepatite e tríplice bacteriana, que atualmente são importadas, vão passar a sair do polo. O acordo prevê a construção de nove prédios e a inauguração está prevista para 2023 e deverá gerar cinco mil empregos diretos. O complexo será responsável por toda produção de vacinas da Fiocruz, inclusive a de covid-19, quando esta for aprovada.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  HC investiga 16 pacientes suspeitos de reinfecção por covid-19
Continue lendo