Saúde

Paraná confirma 26.692 casos, 78 municípios em epidemia e mais 10 óbitos por Dengue

Publicados

em

O boletim da dengue divulgado hoje (18) pela secretaria da Saúde do Paraná registra 26.692 casos confirmados de dengue no estado; com 6.129 casos a mais que a semana anterior que trazia 20.563 confirmações. O aumento é de 29,81%.

Dez novos casos de óbitos por dengue foram confirmados e o total agora sobe para 23. O período de monitoramento teve início em 28 de julho de 2019.

Os óbitos acometeram principalmente pessoas idosas, portadoras de outras doenças e aconteceram nos municípios de: Alto Paraná, com registro de duas mortes, um homem de 62 anos, portador de hipertensão e, outro homem de 82 anos, com diabetes e hipertensão; Foz do Iguaçu, um homem de 76 anos, que tinha como fator de risco doença crônica no fígado; Medianeira, um homem de 90 anos, com insuficiência renal crônica; Douradina, uma mulher de 81 anos, com hipertensão arterial e doença cardíaca; Xambrê, uma mulher de 80 anos, portadora de hipertensão; Terra Rica, um homem de 65 anos, portador de diabetes e pressão alta; Santa Mônica, uma idosa de 73 anos; Sarandi, uma mulher de 26 anos, sem comorbidades e, em Maringá, uma menina de 7 anos que também não apresentou comorbidade associada.

São 76.285 notificações no Estado que abrangem 325 municípios .

“Neste dias de feriado do Carnaval muitas famílias viajam para o litoral e outros lugares turísticos do estado e ocupam casas e apartamentos que ficaram fechados por longos períodos e que podem ter focos do mosquito transmissor da dengue. Nosso alerta é para uma verificação geral nesses imóveis eliminando os possíveis criadouros; a remoção dos focos é a medida preventiva mais importante e que deve ser adotada por todos, diariamente”, disse o secretário da Saúde Beto Preto.

Na última quinta-feira, dia 13, o governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior decretou Estado de Alerta para combate e controle da dengue no Estado. Entre as considerações do decreto, além do aumento de mais de 6.657,47 % em relação ao mesmo período do ano anterior, está a sazonalidade da doença que aponta aumento nos próximos meses. O verão é a época mais propícia à proliferação do mosquito Aedes Aegypti por causa das chuvas; qualquer acúmulo de água parada por formar criadouro do mosquito.

Leia Também:  Covid-19: número de mortes sobe para 136

78 municípios estão em situação de epidemia para a dengue no Paraná, 16 entraram para a relação nesta semana: Alto Paraíso, Alto Piquiri, Altônia, Cafezal do Sul, Nova Olímpia, Perobal, Xambrê, Amaporã, Cruzeiro do Sul, Jardim Olinda, São Carlos do Ivaí, Ourizona, Santo Inácio, São Jorge do Ivaí, Ibiporã e Ouro Verde do Oeste.

Outros 40 municípios estão em estado de alerta.

O município que registrou maior número de casos confirmados na semana epidemiológica foi Paranavaí com 1.123 registros; Foz do Iguaçu com 503 casos e Bandeirantes cm 276 novos casos.

Sinais – O boletim desta semana traz 64 municípios que apresentam casos de dengue com sinais de alarme. Isso significa que as pessoas infectadas estão sendo acompanhadas clinicamente para que a doença não evolua para a forma grave.

A dengue apresenta-se na forma clássica, com febre alta súbita, dor de cabeça, dor atrás dos olhos, náuseas, tonturas e extremo cansaço, entre outros.

Quando o caso evolui, mostra os chamados sinais de alarme, como dores abdominais fortes e contínuas, vômitos persistentes, palidez, sangramentos pelo nariz, boca e gengivas.

Normalmente os sinais de alarme ocorrem entre o terceiro e o quinto dia da infecção, é o chamado período crítico da dengue. Tratado corretamente, com hidratação e medicação sintomática, a maioria segue para cura.

Equipe técnica da Sesa percorreu, nas duas últimas semanas, as regiões de Londrina, Maringá, Paranavaí, Campo Mourão, Cornélio Procópio, Jacarezinho e Cianorte com capacitação para mais de 1.700 médicos e enfermeiros sobre o manejo clínico da dengue, atualizando principalmente as informações para o diagnóstico oportuno, monitoramento e tratamento.

Leia Também:  Rio terá mais 1.800 leitos em hospitais de campanha até final de abril

Dengue – O secretário da Saúde explicou que a dengue é hoje uma das patologias mais fáceis e ao mesmo tempo mais difíceis da gestão da saúde.

“Quando digo que é uma doença fácil é porque temos o mapeamento do fluxo dela, conhecemos o manejo clínico e monitoramos a circulação do vírus . Mas, é difícil porque a prevenção depende de uma mudança de hábitos; cuidar de todo ambiente, interno e externo de uma residência, empresa e prédio público é um desafio, e a eliminação de pontos que acumulam água parada deve ser feita diariamente”, disse Beto Preto.

“Estamos trabalhando fortemente para o combate. Mas, mais do que materiais instrutivos, mais do que a minha fala e as orientações técnicas, é preciso tocar a consciência de cada um: a dengue é evitável e a ação de cada um é fundamental para evitarmos que mais pessoas adoeçam e que morram. E nós da gestão em saúde, como secretário de Estado, como ex-prefeito e como médico temos o dever de alertar e de adotar as medidas de prevenção”, complementou.

O Aedes Aegypti se reproduz em água parada, limpa ou suja. Os ovos depositados pela fêmea do mosquito ficam viáveis por um ano, por isso a necessidade de eliminação dos focos.

Entre as medidas que devem ser dotadas no nosso cotidiano estão: tampar as caixas d´água e colocar tela no respiro; manter as calhas limas; deixar garrafas sempre viradas com a boca para baixo; manter lixeiras bem tampadas; deixar os ralos limpos e também protegidos com tela; não deixar água nos vasos de planta e verificar sempre o recipiente de degelo do refrigerador e do ar condicionado”, lembrou o secretário.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Número de casos de covid-19 sobe para 7.910; mortes chegam a 299

Publicados

em

.

O número de casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus no país subiu de 6.836 para 7.910 entre ontem (1º) e hoje (2), conforme atualização do Ministério da Saúde. O número de mortes passou de 240 para 299. O índice de letalidade subiu de 3,5% para 3,8%.

As mortes ocorreram em São Paulo (188), Rio de Janeiro (41), Ceará (20), Pernambuco (9), Piauí (4), Rio Grande do Sul (5), Paraná (4), Amazonas (3), Distrito Federal (4), Minas Gerais (4), Bahia (3), Santa Catarina (2), Rio Grande do Norte (2), Sergipe (2), Alagoas (1), Maranhão (1), Mato Grosso do Sul (1), Pará (1), Espírito Santo (1), Goiás (1), Paraíba (1) e Rondônia (1).  

Como vem ocorrendo diariamente, o governo atualiza, em coletiva no Palácio do Planalto, os dados do avanço da doença no país. Participam os ministros da Casa Civil, Walter Braga Netto; da Saúde, Luiz Henrique Mandetta; da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves; e do Turismo, Álvaro Antônio. Acompanhe a transmissão ao vivo:

Leia Também:  Medidas de emergência não devem suprimir direitos humanos, diz ONU

Novos casos

Os novos casos totalizaram 1.076. O resultado significou um aumento de 16% em relação ao total registrado antes. Mas se considerado apenas os novos casos, o desempenho foi menor do que nos dois dias anteriores, quando os números foram, respectivamente, de 1.119 (em 1º de abril) e 1.138 (em 31 de março).

Nas últimas 24 horas, foram 58 novas mortes. O resultado é o maior série histórica. Nos três dias desta semana, os números de novas mortes totalizaram 23, 42 e 40. No tocante ao perfil das vítimas, 58% eram homens e 42%, mulheres. No recorte por idade, 89% das vítimas tinham acima de 60 anos.

Já no tocante ao quadro de saúde, 152 pessoas apresentavam alguma doença do coração,104 tinham diabetes, 42 tinham alguma condição de pneumopatia e 30 estavam com uma doença neurológica. As hospitalizações aumentaram de 1.274 para 1.587, uma elevação de 24%.

avanço do coronavírus no Brasilavanço do coronavírus no Brasil
Ministério da Saúde/Divulgação

Ampliada às 18h02

Edição: Denise Griesinger

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo