Estadual

Pacientes graves poderão receber medicamento liberado por ministério

Publicados

em

.

O Ministério da Saúde publicou uma Nota Informativa que trata do uso do medicamento Cloroquina como terapia auxiliar no tratamento de casos graves de Covid-19 para pacientes hospitalizados. A Nota nº 5/2020-DAF/SCTIE/MS foi divulgada na tarde desta sexta-feira (27).

“A medicação será disponibilizada para uso, a critério médico, como um auxílio no tratamento, especificadamente para pacientes em casos graves e que estejam hospitalizados. Não indicamos a auto medicação e nem que as pessoas corram até as farmácias para comprar e ingerir esse remédio pois ele não é uma cura para a doença”, alertou o secretário da Saúde do Paraná, Beto Preto.

Para a população em geral, o secretário reforça as medidas de prevenção da doença: lavar as mãos várias vezes com água e sabão ou utilizar álcool gel, lavar os pulsos, entre os dedos e embaixo das unhas; limpar os objetos mais manuseados com álcool, manter os ambientes sempre ventilados e arejados, ao tossir ou espirrar, cobrir a boca e o nariz com o braço ou com um lenço descartável”.

Leia Também:  Na Semana do meio Ambiente, Paraná lança o programa Voo Livre

ISOLAMENTO – Além disso, segundo ele, o isolamento social é essencial para evitar a disseminação do vírus. “A Secretaria da Saúde, alinhada com o Governo do Estado, reforça que o isolamento social é importante para evitarmos a contaminação de mais pessoas”.

A medida considera que não existe outro tratamento específico eficaz disponível até o momento. Existem atualmente dezenas de estudos clínicos nacionais e internacionais em andamento, avaliando a eficácia e segurança de cloroquina/hidroxicloroquina para infecção por Covid-19, bem como outros medicamentos, e, portanto, essa medida poderá ser modificada a qualquer momento, a depender de novas evidências científicas.

PARANÁ – O medicamento Cloroquina começou a ser distribuído pelo Ministério da Saúde às Secretarias Estaduais de Saúde na sexta-feira, 27 de março.

A Secretaria de Estado da Saúde informa que tem estoque para atendimento imediato aos pacientes que se enquadrem exclusivamente no critério estabelecido pelo Ministério da Saúde, já a partir desse final de semana.

O estoque está disponível no setor de epidemiologia das 22 Regionais de Saúde para fornecimento aos hospitais. O Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde do Paraná (Cievs-PR) poderá informar aos hospitais o processo do acesso ao medicamento.

Leia Também:  Workshop reúne empreendedores do programa Sinapse da Inovação

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governoparana e www.pr.gov.br

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Estadual

Na Semana do meio Ambiente, Paraná inicia o programa Voo Livre

Publicados

em

Por


.

Na Semana Nacional do Meio Ambiente, o Governo do Paraná lança o Programa Voo Livre, de preservação da fauna silvestre. A ação é do Instituto Água e Terra, vinculado à Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo.

Os proprietários de imóveis interessados em colaborar com a preservação da fauna silvestre vitimada já podem se cadastrar para as Áreas de Reabilitação de Animais Silvestres (ARAS) e Áreas de Soltura de Animais Silvestres (ASAS) apreendidos no Estado do Paraná.

O chamamento destina-se a pessoas físicas ou jurídicas, que detenham a titularidade de imóveis localizados na zona urbana ou rural e tenham interesse em receber, reabilitar, tratar, soltar e monitorar espécimes da fauna silvestre nativa, provenientes de apreensões ou resgates realizados pelos órgãos ambientais e que estejam aptos a retornar à natureza.

ÁREAS ADEQUADAS – A iniciativa surgiu da necessidade de áreas adequadas à soltura de animais e também em atendimento às buscas por parte de pessoas sensíveis às demandas da fauna silvestre.

O programa vai permitir que o Instituto exerça maior controle sobre as espécies devolvidas aos seus habitats naturais e fazer o monitoramento das ações realizadas. A partir do cadastramento dessas áreas, biólogos e pesquisadores parceiros e do IAT poderão monitorar os aspectos relacionados com as espécies e o ambiente.

RECOMPOSIÇÃO E EQUILÍBRIO – O secretário de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes, ressalta a importância do programa. “A iniciativa considera que a soltura de animais silvestres, de forma monitorada, é uma importante ferramenta na recomposição e equilíbrio destas áreas”, diz ele. “Um relevante mecanismo de controle e reabilitação do ecossistema que vem ao encontro dos objetivos desse governo de preservar o meio ambiente em harmonia com o desenvolvimento do Estado”, ressalta.

Para o presidente do IAT, Everton de Souza, o Programa Voo Livre é uma das muitas iniciativas que o órgão tem planejado para a gestão da fauna silvestre no Paraná. O programa cria o cadastro informatizado para as ARAS e para as ASAS, dando um caráter técnico-científico às solturas, o que beneficia os animais e os ambientes.

Leia Também:  Estado repassa R$ 1,5 milhão a municípios no combate à dengue

“A fauna é uma prestadora de serviços ambientais e ecossistêmicos e as ações de soltura realizada de forma monitorada podem contribuir nestes processos. Até o momento, eram feitas sem condições técnicas de monitoramento e avaliação dessas áreas e dos animais. Com o programa, damos um importante passo para a preservação da fauna e de seus habitats”, explica.

INCENTIVOS – Os proprietários irão receber o selo Amigo da Fauna e o órgão estadual estuda as formas de inserir projetos específicos no programa de conversão de multas, por meio de futuros editais, de forma a apoiar a manutenção destas áreas.

A bióloga doutora em Conservação da Natureza e chefe do Setor de Fauna do Instituto Água e Terra, Paula Vidolin, considera que esse chamamento vai otimizar a gestão de reinserção da fauna vitimada na natureza. “Esses animais voltam para o local de onde nunca deveriam ter saído. É um projeto fundamental é necessário. Com ele teremos mais controle e direcionamento de nossas ações, com a possibilidade de monitoramento e avaliação constante”.

CADASTROS – Os interessados poderão fazer o cadastro para áreas de reabilitação (ARAS) e de soltura (ASAS). Deverão adequar-se à Resolução Conjunta Sedest/IAP nº 10/2019, que permite o cadastro dessas áreas, dispondo sobre conceitos, documentação necessária e instrução para a criação das mesmas.

ARAS – São áreas de reabilitação do animal antes de ser solto. O Estado tem profissionais parceiros, como biólogos e veterinários que possuem a técnicas de reabilitação, treinamento para voo, caça e recuperação de determinadas espécies. Estes profissionais ajudam de forma voluntaria o órgão ambiental e as ARAS é uma forma de reconhecer esses profissionais como parceiros.

Leia Também:  Programa de incentivo ao esporte tem nova lista de contemplados

ASAS – São áreas de soltura que apresentam características ideais para receber os animais. Elas se dividem em duas categorias. Uma é destinada às espécies que podem ser imediatamente soltas e não precisam passar por aclimatação. Normalmente, é o animal que foi recém-tirado da natureza. São avaliados os critérios de asselvajamento e a sua possibilidade de adaptação imediata.

A segunda classe é destinada ao animal que necessita se aclimatar ao ambiente. A soltura precisa ser no meio da mata, com trilhas, por onde é ofertado o alimento por determinado período que vai sendo reduzido gradativamente.

As ARAS reabilitam, enquanto as ASAS recebem. Serão associadas aos Centros de Apoio à Fauna Silvestre (CAFS) e aos Centros de Triagem de Animais Silvestres (CETAS), que manterão parcerias com instituições de ensino e pesquisas.

Será possível monitorar o ambiente, saber os impactos que a ação da soltura causou e avaliar a adaptação animal no local.

CRITERIOS – Para habilitação da propriedade será analisada a estrutura e funcionalidade do mosaico paisagístico onde a propriedade está inserida. Além disso, aspectos bio-ecológicos e sanitários dos animais também são critérios de avaliação.

Os interessados no cadastramento deverão adequar-se à Resolução Conjunta Sedest/IAP nº 10 de 15 de julho de 2019, que criou o cadastro destas áreas, dispondo sobre conceitos, documentação necessária e instrução para a criação das mesmas.

As solicitações podem ser realizadas através do link – Cadastro de Usuário Ambiental para solicitação de inserção no Programa Voo Livre – ARAS e ASAS.

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governoparana e www.pr.gov.br

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo