Política Estadual

Os dados de sarampo no Paraná e os cuidados com o vírus são o tema do Assembleia Entrevista

Publicados

em


.

O cuidado com o sarampo, uma doença contagiosa que está controlada no Paraná, é o tema do Assembleia Entrevista, programa da TV Assembleia. Quem traz os dados do estado é a coordenadora de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde, Cássia Nars. “Não temos nenhum óbito notificado por sarampo. A nossa campanha de vacinação contra o sarampo, que está vigente até o dia 30 de junho, indiscriminada para a população de 20 a 49 anos, contempla a maior parte da população acometida pela doença no Paraná”, explica os motivos de o estado estar em uma situação confortável frente à doença.

“A principal forma de proteção é a vacinação”, afirma Cássia. Ela fala ainda da associação do isolamento social no período de pandemia do Covid-19 com a diminuição da transmissão do vírus do sarampo. “As orientações de etiqueta respiratória para prevenção das doenças transmitidas pela tosse, pelo espirro e pela fala, fizeram com que nossos casos de sarampo fossem reduzidos”, declara. “O sarampo é uma infecção viral aguda altamente transmissível, que também pode complicar com inflamações das membranas cerebrais e até óbito”.

Leia Também:  Deputado cobra explicações da Agepar e do DER sobre acidente na BR-277

Imunização – De acordo com a infectologista, febre alta, coriza, conjuntivite, tosse seca e manchas avermelhadas na face e atrás das orelhas, se espalhando pelo corpo, são sintomas do sarampo. A campanha de vacinação paranaenses foi focada em adultos jovens, de 20 a 49 anos, porque 69% dos casos estão concentrados nesta faixa etária. Ela alerta, no entanto, que todos devem procurar a vacina, disponível em postos de saúde em todo Paraná. “Tivemos um intervalo de 20 anos sem sarampo e com a diminuição da vacinação ela voltou. As notícias falsas fizeram com que as pessoas não se vacinassem. Temos consciência que a vacina é a melhor forma de proteção, de cuidar”, alerta Cássia.

O primeiro caso de sarampo, após 20 anos, foi confirmado em agosto de 2019. Desde então, o Paraná registrou 1.176 casos da doença, segundo a Secretaria de Estado da Saúde.

Segundo a coordenadora, a população deve procurar a vacinação gratuita, que tem hoje todas as medidas de proteção oferecidas pelo órgão estadual, como atendimentos extramuros nas unidades básicas de saúde. Ela explica que os sintomas são muito diferentes dos do Covid-19. “Os sintomas do Covid são semelhantes à síndrome gripal, com alteração do paladar e do olfato, diferente do sarampo. Para ela não há vacina ou medicação específica que proteja”, esclarece.

Leia Também:  Paraná vai punir com rigor aumento abusivo de preço durante calamidade pública

A coordenadora fala da mudança de visão a respeito do que já foi considerado o público alvo das campanhas de vacinação: as crianças. Para ela, os pais devem continuar levando os filhos para a imunização, porém todos devem procurar as duas doses recomendadas para evitar o contágio.

“Como tínhamos uma alta cobertura vacinal, não havia a circulação do vírus em nosso estado. A partir da entrada por nossas divisas, com muitos casos em São Paulo, o sarampo, altamente contagioso, aliado a uma pequena parte da população desprotegida, fez o vírus voltar a circular no Paraná. A melhor maneira é a vacinação”, enfatiza.

A íntegra do programa pode ser assistida pela TV Assembleia, através da Claro/Net canal 16 e 20.2 em canal aberto, e também no canal do Youtube no link: https://youtu.be/FWckY2gjYtI

 

 

 

 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política Estadual

Nutricionista lista os alimentos que ajudam na imunidade e reagem às infecções, entre elas as causadas pelo coronavírus

Publicados

em

Por


.

Você deve saber que uma alimentação saudável, relacionada a um estilo de vida ativo, pode prevenir uma série de doenças. Mas consegue imaginar que os alimentos ricos em determinadas substâncias podem definir a forma com que seu corpo vai reagir às infecções, entre elas a da Covid-19, causada pelo coronavírus? Estas questões serão respondidas pela nutricionista Adriana Zadrozny no programa Assembleia Entrevista da TV Assembleia.

Mestre em Fisiologia Humana, Adriana explica quais os alimentos mais indicados para encarar os longos dias em casa durante a pandemia. “Algo que nos tem preocupado é a falta de radiação solar, estamos tomando muito pouco sol. Esta menor síntese de vitamina D em nossos organismos predispõe processos de ordem depressiva que, por sua vez, podem alterar o comportamento alimentar”, exemplifica.

Segundo ela, as pessoas têm buscado mais alimentos processados e industrializados, mais práticos, porém mais ricos em gorduras e açúcar. “Um estudo australiano com crianças obesas, comparando o padrão alimentar de um ano atrás e de agora, mostra que em média elas fazem uma refeição a mais por dia” alerta a nutricionista. 

Leia Também:  Repasse da Assembleia Legislativa às universidades atenderá 6 mil estudantes

Adriana Zadrozny afirma que um conjunto de fatores resultam em um quadro imunológico adequado para que o corpo lide com situações como a da pandemia do Coronavírus. Entre os alimentos mais indicados para isto, estão a cúrcuma, a canela, a couve-flor, brócolis, repolho e couve de Bruxelas, ricas em vitamina C e substâncias anti-inflamatórias. 

“Mas não se pode depositar nossa confiança somente nisso. Temos uma imunidade indireta, os produtos fermentados criam uma condição intestinal que melhora a absorção de subprodutos da dieta que potencializam o sistema imunológico, é uma cadeia que melhoram a imunidade”, frisa.

Alimentos como kefir e vegetais orgânicos potencializam o crescimento de bactérias intestinais benéficas, com função probiótica. “Os vegetais orgânicos oferecem ao organismo o que eles nutricionalmente podem oferecer”, diz, lembrando que o vegetal não orgânico pode conter produtos tóxicos em sua proteção.

A nutricionista explica ainda que alimentos reduzem a alcalinidade sanguínea. “É algo conhecido por todos, mas pouco aplicado. Temos uma oportunidade muito rara de olharmos com mais atenção nossas geladeiras e nossas escolhas e tentar que algo de bom aconteça do ponto de vista alimentar a partir de agora”, completa.

Leia Também:  Novo número de sintonia trará maior visibilidade para TV Assembleia e canais legislativos

Assembleia Entrevista – A íntegra da entrevista com a nutricionista Adriana Zadrozny, além de muitas outras entrevistas já feitas pelo programa Assembleia Entrevista, pode ser conferida pela TV Assembleia através do canal aberto 20.2 e 16 pela Claro/Net, além do canal do Youtube pelo link: https://bit.ly/3k705Ag

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo