Política Nacional

Oposição vai denunciar chefe da Secom à PGR e pedir convocação no Senado

Publicados

em

source
Fábio Wajngarten%2C chefe da Secretaria de Comunicação arrow-options
Alan Santos/PR

Fábio Wajngarten, chefe da Secretaria de Comunicação

O líder da oposição no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), afirmou nesta quarta-feira (15), que pretende apresentar uma notícia crime na Procuradoria Geral da República contra o chefe da Secretaria de Comunicação (Secom) do governo, Fábio Wajngarten. 

Leia também: Wajngarten diz que se afastou de negócios antes de assumir cargo

Randolfe afirmou ainda que vai pedir a convocação do chefe da Secom para depor na Comissão de Transparência, Governança, Fiscalização e Controle e Defesa do Consumidor do Senado. 

“Ao contrário do que faz o presidente, não vamos aceitar outra denúncia de corrupção contra esse desgoverno ir para debaixo do tapete. Vou pedir a convocação do chefe da Secom, Fábio Wajngarten , para depor na CTFC do Senado e apresentarei uma notícia-crime na PGR”, escreveu o senador em sua conta do Twitter. 

Leia Também:  STF julga se é válido acesso a dados sigilosos do Coaf sem autorização judicial



De acordo com uma reportagem publicada pela Folha de S.Paulo , o chefe da Secom estaria  recebendo dinheiro de empresas contratadas pela secretaria. De acordo com a reportagem, a FW Comunicação e Consultoria, fundada por Wajngarten, tem como clientes emissoras de televisão e agências de publicidade que também recebem recursos de publicidade oficial do governo federal. 

Nesta quinta-feira (16), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que “está tudo legal” com Wajngarten e que ele irá continuar no cargo.


COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política Nacional

Jornalista que investigou uso de fake news em eleição de 2018 poderá falar a CPI

Publicados

em

CPI das Fake News tem vários requerimentos na pauta de votações para a próxima semana. Um deles solicita a convocação da jornalista Patrícia Campos Mello para prestar depoimento como testemunha. A jornalista investigou o uso de fake news e disparo ilegal de mensagens na campanha eleitoral de 2018. Ouça a reportagem de Regina Pinheiro, da Rádio Senado. 

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Aliança Pelo Brasil é registrado em cartório
Continue lendo