Política Nacional

Oposição ameaça pedir impeachment de Bolsonaro se ele barrar vacina da Covid-19

Publicados

em


source
Presidente Jair Bolsonaro
Marcos Corrêa/PR

Bolsonaro ordenou que Pazuello voltasse atrás na intenção de compra de vacina da Covid-19

O Cidadania ameaçou entrar com um processo de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) se ele barrar a compra, por parte do governo federal, de uma vacina contra a Covid-19 , doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2).

A estratégia do partido está sendo avaliada por lideranças da legenda, mas ainda depende de quais serão os próximos passos do Palácio do Planalto . O assunto chegou à pauta após Bolsonaro ter desautorizado o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello , da intenção de compra do imunizante da farmacêtica chinesa Sinovac Biotech, desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan.

A intenção de compra de doses havia sido anunciada pelo Ministério da Saúde na terça-feira (20). O presidente, porém, se incomodou com o destaque recebido pelo governador João Doria (PSDB) no episódio e avaliou que Pazuello se precipitou e permitiu que o tucano capitalizasse as negociações.

Leia Também:  57 cidades brasileiras escolhem prefeitos neste domingo

A nacionalidade e o domicílio eleitoral da vacina deram fôlego à ala ideológica do governo, que atacou a iniciativa tomada com aval dos militares.

Se for comprovado que realmente a vacina pode imunizar a população do novo coronavírus, uma atitude de Bolsonaro para barrar o financiamento poderia ser enquadrada como crime de responsabilidade ou até mesmo crime comum, de acordo com o presidente do Cidadania, Roberto Freire.

Um processo de impeachment precisa passar pelo crivo do Congresso e, inicialmente, depende de uma decisão do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que, até o momento, rejeita autorizar uma denúncia. 

Na quarta-feira (21), a Rede Sustentabilidade protocolou ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para obrigar Bolsonaro a assinar protocolo de intenções para a aquisição de 46 milhões de doses da vacina Coronavac. 

Na avaliação do partido, Bolsonaro agiu violando o direito à vida e à saúde, com o objetivo de “privar a população brasileira de uma possibilidade de prevenção da covid-19 por puro preconceito ideológico ou, até pior, por motivações estritamente políticas”.

Leia Também:  Homicídio de vulnerável pode ser enquadrado como crime hediondo

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política Nacional

Alvaro Dias cobra votação pela Câmara de projetos do Senado

Publicados

em

Por


O líder do Podemos, senador Alvaro Dias (PR), cobrou a votação pela Câmara de projetos aprovados pelo Senado, que, “engavetados”, aguardam por longos prazos pela apreciação pelos deputados. Uma dessas propostas (PL 1.166/2020), de autoria do próprio Alvaro Dias, limita os juros do cartão de crédito durante a pandemia e foi aprovado em agosto pelo Senado. Para o senador, que também citou a proposta que acaba com o foro privilegiado para autoridades dos três poderes (PEC 10/2013), a demora configura um desrespeito ao Senado. Mais informações na reportagem de Marcella Cunha, da Rádio Senado.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Plínio Valério defende voto impresso, assunto de PEC em discussão na Câmara
Continue lendo