Política Estadual

Nutricionista lista os alimentos que ajudam na imunidade e reagem às infecções, entre elas as causadas pelo coronavírus

Publicados

em


.

Você deve saber que uma alimentação saudável, relacionada a um estilo de vida ativo, pode prevenir uma série de doenças. Mas consegue imaginar que os alimentos ricos em determinadas substâncias podem definir a forma com que seu corpo vai reagir às infecções, entre elas a da Covid-19, causada pelo coronavírus? Estas questões serão respondidas pela nutricionista Adriana Zadrozny no programa Assembleia Entrevista da TV Assembleia.

Mestre em Fisiologia Humana, Adriana explica quais os alimentos mais indicados para encarar os longos dias em casa durante a pandemia. “Algo que nos tem preocupado é a falta de radiação solar, estamos tomando muito pouco sol. Esta menor síntese de vitamina D em nossos organismos predispõe processos de ordem depressiva que, por sua vez, podem alterar o comportamento alimentar”, exemplifica.

Segundo ela, as pessoas têm buscado mais alimentos processados e industrializados, mais práticos, porém mais ricos em gorduras e açúcar. “Um estudo australiano com crianças obesas, comparando o padrão alimentar de um ano atrás e de agora, mostra que em média elas fazem uma refeição a mais por dia” alerta a nutricionista. 

Leia Também:  Proposta que autoriza o funcionamento de até 200 Colégios Cívico-Militares no Paraná segue sob análise da CCJ

Adriana Zadrozny afirma que um conjunto de fatores resultam em um quadro imunológico adequado para que o corpo lide com situações como a da pandemia do Coronavírus. Entre os alimentos mais indicados para isto, estão a cúrcuma, a canela, a couve-flor, brócolis, repolho e couve de Bruxelas, ricas em vitamina C e substâncias anti-inflamatórias. 

“Mas não se pode depositar nossa confiança somente nisso. Temos uma imunidade indireta, os produtos fermentados criam uma condição intestinal que melhora a absorção de subprodutos da dieta que potencializam o sistema imunológico, é uma cadeia que melhoram a imunidade”, frisa.

Alimentos como kefir e vegetais orgânicos potencializam o crescimento de bactérias intestinais benéficas, com função probiótica. “Os vegetais orgânicos oferecem ao organismo o que eles nutricionalmente podem oferecer”, diz, lembrando que o vegetal não orgânico pode conter produtos tóxicos em sua proteção.

A nutricionista explica ainda que alimentos reduzem a alcalinidade sanguínea. “É algo conhecido por todos, mas pouco aplicado. Temos uma oportunidade muito rara de olharmos com mais atenção nossas geladeiras e nossas escolhas e tentar que algo de bom aconteça do ponto de vista alimentar a partir de agora”, completa.

Leia Também:  Uso de plasma do sangue para combater coronavírus tem resultados positivos

Assembleia Entrevista – A íntegra da entrevista com a nutricionista Adriana Zadrozny, além de muitas outras entrevistas já feitas pelo programa Assembleia Entrevista, pode ser conferida pela TV Assembleia através do canal aberto 20.2 e 16 pela Claro/Net, além do canal do Youtube pelo link: https://bit.ly/3k705Ag

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política Estadual

Uso de plasma do sangue para combater coronavírus tem resultados positivos

Publicados

em

Por


.

O uso do plasma (parte líquida do sangue) para combater o novo coronavírus tem dado resultados animadores no Paraná. O projeto-piloto desenvolvido pelo Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná (Hemepar) permite a utilização do líquido como procedimento experimental no combate ao vírus. O experimento consiste em utilizar o plasma convalescente coletado de pacientes que se recuperaram da doença e utilizar em novos infectados. “Os pacientes já estão recebendo estes plasmas e estamos tendo resultados positivos em relação a esta terapia”, revelou a chefe da Divisão de Hemoterapia do Hemepar, Renata Pavese, em entrevista ao programa Assembleia Entrevista, da TV Assembleia.

Segundo Renata, a injeção de plasma já com os anticorpos de quem se recuperou da infecção permite a criação de uma barreira protetora em quem recebe o sangue. O objetivo é evitar que a doença tenha um agravamento e, em muitos casos, a necessidade de uma transferência para unidade de terapia intensiva (UTI). “O plasma não oferece a cura, mas minimiza o agravamento. Evita que paciente vá para uma UTI, por exemplo”, explicou ela.

De acordo com o Hemepar, 40 pessoas já foram beneficiadas pela técnica, todos com um índice de 100% de reação positiva. “O plasma é a porção líquida do sangue, onde estão contidos anticorpos de pacientes já recuperados da covid-19. Ele é rico em anticorpos”, disse Renata Pavese.

Leia Também:  Uso de plasma do sangue para combater coronavírus tem resultados positivos

Os estudos começaram a ser desenvolvidos pelo Hemepar em março. Agora, uma campanha pretende angariar mais doadores. A intenção é conseguir de 10 a 15 doações por dia, em todas as 23 unidades que formam a rede do Hemepar no Estado. Os doadores de plasma têm de ter critérios específicos, além dos já exigidos para doadores normais de sangue, as pessoas devem ter entre 16 e 59 anos. Entre as mulheres, só podem doar as que não estiveram grávidas. Os doadores também não podem nunca ter se submetido à ventilação mecânica ou recebido transfusão de sangue na vida. Quem pretende doar plasma também deve levar impresso o exame positivo de covid-19. As doações têm de ocorrer a partir de 45 dias após o diagnóstico do coronavírus, com um prazo que não ultrapasse 180 dias.

Estoques baixos – Por causa do novo coronavírus, os estoques de sangue do Hemepar estão baixos. Por isso, Renata Pavese convida a todos para doarem. De acordo com ela, o Hemepar oferece um ambiente seguro para os doadores. “Não é necessário ter receio de vir doar sangue. O Hemepar está preparado, tomando todas as precauções necessárias”, explicou.

Leia Também:  Proposta que autoriza o funcionamento de até 200 Colégios Cívico-Militares no Paraná segue sob análise da CCJ

Entre os cuidados, o local não permite a lotação das unidades, adota práticas de distanciamento, verifica a temperatura de todos, além de obrigar a utilização de máscara e de álcool gel. Também é realizada a desinfecção das bancadas entre uma doação e outra. “Lembrando que o banco de sangue é um local de pessoas sadias. Apenas pessoas sadias podem doar, mesmo assim estamos tomando as precauções. Todo processo leva entre 45 minutos a uma hora. O procedimento é tranquilo e seguro”, lembrou.

A seleção dos doadores de plasma é realizada presencialmente e os interessados devem fazer o agendamento pelo fone (41) 3281-4074, em Curitiba, ou nas unidades do Hemepar no interior do Estado. Já as doações de sangue podem ser feitas após o agendamento, no site www.saude.pr.gov.br/Pagina/Doacao-de-Sangue.

A íntegra do programa com a chefe da Divisão de Hemoterapia do Hemepar, Renata Pavese, pode ser assistida pela TV Assembleia, através da Claro/Net canal 16 e 10.2 em canal aberto e também no canal do Youtube nesta sexta-feira (25) a partir das 16 horas.

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo