Nosso grupo do WhatsApp WhatsApp
Domingo, 16 de Maio de 2021 10:17
44 99157-4575
Geral Pará

Infectologista do HGI alerta para manutenção dos protocolos de segurança após vacinação contra Covid-19

Mesmo quem já recebeu as duas doses de imunizantes deve continuar usando máscara, higienizando as mãos e mantendo distanciamento

04/05/2021 23h10
Por: Redação Fonte: Secom Pará
Foto: Reprodução/Secom Pará
Foto: Reprodução/Secom Pará

A vacinação contra a Covid-19, oferecida gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS), não descarta a necessidade de manutenção dos protocolos de segurança contra a doença. Segundo o médico infectologista do Hospital Geral de Ipixuna do Pará, Márcio Erivaldo Maia Uchôa, nenhuma vacina disponível, mesmo para outras doenças, garante que os vacinados com as doses recomendadas fiquem 100% livres do risco de adoecer.

Por isso, é importante que as orientações preventivas preconizadas pelos órgãos de saúde sejam cumpridas para evitar o contágio e a disseminação do novo coronavírus e suas variantes. "É muito importante a continuidade de medidas de biossegurança, como o uso de máscara, lavagem das mãos com água e sabão, higienização das mãos com álcool gel 70% e o distanciamento social", reiterou o infectologista.

O Hospital Geral de Ipixuna do Pará integra a rede de saúde pública mantida pelo Estado
O Hospital Geral de Ipixuna do Pará integra a rede de saúde pública mantida pelo Estado - (Foto: Divulgação)

Sobre a proteção contra o vírus por meio da vacinação, ainda de acordo com o médico, as duas vacinas utilizadas no Brasil (CoronaVac/Sinovac e Oxford/AstraZeneca), ficam entre 50% e 70% de eficácia. Mesmo entre os que já receberam as duas doses, de três a cinco em cada 10 pessoas, se expostas ao vírus poderão desenvolver doença.

"A diferença ao contrair a doença após a vacinação é que os sintomas serão menos intensos, e com risco de morte menor que os 3% que temos hoje, como taxa de mortalidade geral para muito menos de 1%. Embora seja uma excelente tática para controle da epidemia, deve obrigatoriamente ser acompanhada das medidas já bem conhecidas para evitar a Covid-19. Volto a repetir: é importante higienização frequente e rigorosa das mãos, distanciamento social e uso de máscaras, especialmente quando em ambientes fechados", reforçou o médico.

Foto: Divulgação
O infectologista do HGI, Márcio Erivaldo Maia Uchôa, reforça a necessidade de manter os cuidados preventivos para evitar reinfecção
Foto: Reprodução/Secom Pará
Reavaliação- Sobre a previsão do fim do uso de métodos preventivos, o especialista informou que apenas quando a população estiver amplamente vacinada, e os mecanismos dessa imunidade forem totalmente esclarecidos, será possível reavaliar a efetividade ou não de manter as medidas de distanciamento social para a proteção individual. Mas, por enquanto, elas ainda são valiosos aliados na prevenção da Covid-19.

Sobre as incertezas em relação à reinfecção, o infectologista frisou que "é importante salientar que os casos confirmados no mundo são raríssimos, em parte devido à subnotificação, já que para confirmar reinfecção é necessário que tenha sido feito sequenciamento genético nos dois episódios de doença. Entretanto, alguns especialistas internacionais demonstraram a possibilidade de reinfecção entre 10 a 15% dos pacientes, de acordo com estudo publicado na prestigiada revista médica The Lancet, em abril de 2021".

Os motivos relacionados às reinfecções, de acordo com o estudo citado pelo médico do HGI, seriam a incapacidade de algumas pessoas de produzir defesas (anticorpos, imunidade celular etc.) em quantidade suficiente para impedir os novos quadros, e também que quadros assintomáticos gerem menor produção de defesas, e consequentemente maior risco de reinfecção pelo SARS COV-2. Outra possível causa de reinfecção, acrescentou Márcio Erivaldo Maia Uchôa com base no estudo, seria a circulação de cepas com diferenças estruturais significativas em relação à da primeira infecção, o que facilitaria o “escape” do vírus da imunidade produzida no primeiro quadro da doença.

"Com base nos motivos expostos, podemos inferir que pessoas com enfermidades debilitantes, como câncer, doenças imunológicas ou em uso de medicamentos que causem redução da resistência (imunossupressores, corticoides em doses elevadas e por tempo prolongado) têm o sistema imune mais frágil e, consequentemente, maior risco de reinfecção", ressaltou o infectologista. (Texto: Joelza Silva – Ascom/HGI).

Por Governo do Pará (SECOM)
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias