Nosso grupo do WhatsApp WhatsApp
Domingo, 11 de Abril de 2021 09:56
44 99157-4575
Internacional Internacional

Colômbia é 1º das Américas a receber vacinas da Covax

País sul-americana espera receber 20 milhões de doses imunizantes entregues pelo projeto em 2021

01/03/2021 23h40
Por: Redação Fonte: R7
Colômbia recebe doses do projeto Covax, que inclui vacinas da AstraZeneca - (Foto: REUTERS/Dado Ruvic - 11.1.2021)
Colômbia recebe doses do projeto Covax, que inclui vacinas da AstraZeneca - (Foto: REUTERS/Dado Ruvic - 11.1.2021)

A Colômbia recebeu, nesta segunda-feira (1º), 117 mil vacinas contra a covid-19 por meio de iniciativa Covax, sendo o primeiro país no continente americano a contar com imunizantes entregues pelo projeto.

De acordo com a Opas (Organização Pan-Americana de Saúde), foram entregues vacinas produzidas pela Pfizer em parceria com a BionTech, parte da primeira fase da iniciativa, que deve seguir com imunizantes da AstraZeneca em conjunto com a Universidade de Oxford, avançando para 36 países que participam do mecanismo na região.

As vacinas se somam à campanha colombiana que teve inicio em 17 de fevereiro, e o país espera receber 20 milhões de doses por meio da Covax em 2021. Além da Colômbia, Peru, El Salvador e Bolívia devem contar com imunizantes sendo entregues pela iniciativa em breve, de acordo com a Opas.

Segundo a organização até o final de março todos os países da América Latina e Caribe que tiverem os processos necessários realizados devem receber vacinas por meio da Covax. O projeto é que as nações recebam doses suficientes para imunizar entre 2,2% e 2,6% de suas populações na primeira fase, chegando a um total de 280 milhões de doses até o fim de 2021.

"A Colômbia, com o apoio dos parceiros da Covax, trabalhou muito para poder receber a primeira onda de vacinas", afirmou o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) Tedros Adhanom. "A chegada significa que mais profissionais de saúde e populações de alto risco podem começar a ser vacinados", concluiu.

A diretora regional da Opas, Carissa Etienne, avalia que "em um contexto em que a disponibilidade de doses ainda é muito limitada, a Opas continuará apoiando os grandes esforços dos países da região para obter o máximo de vacinas o mais rápido possível."

fonte: Estadão Conteudo

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias