Segunda, 29 de Novembro de 2021
19°

Poucas nuvens

Nova Cantu - PR

Tecnologia James Webb

O novo telescópio poderoso da NASA pode transformar a forma como procuramos vida em exoplanetas

Antes de seu lançamento previsto para o final de dezembro, um pesquisador estava investigando o potencial do JWST em termos de espectroscopia de transmissão que ele poderia realizar

24/11/2021 às 20h24
Por: Redação Fonte: https://universoracionalista.org/o-novo-telescopio-poderoso-da-nasa-pode-transformar-a-forma-como-procuramos-vida-em-exoplanetas/
Compartilhe:
(Créditos: NASA/Chris Gunn)
(Créditos: NASA/Chris Gunn)

Traduzido por Julio Batista
Original de David Nield para o ScienceAlert

Quando finalmente for lançado, o Telescópio Espacial James Webb (JWST, na sigla em inglês) nos dará nossa melhor visão do Universo ao nosso redor – é o maior e mais poderoso telescópio que os humanos já construíram, e um novo estudo pré-publicado diz que pode detectar sinais potenciais de vida alienígena em apenas 20 horas de trânsito. Antes de seu lançamento previsto para o final de dezembro, um pesquisador estava investigando o potencial do JWST em termos de espectroscopia de transmissão que ele poderia realizar – um método promissor para detectar a composição da atmosfera de um planeta pela forma como a luz de um estrela vizinha passa por ele. Usando o exemplo do TRAPPIST-1e – um exoplaneta que sabemos ser um candidato promissor para bioassinaturas ou sinais de vida alienígena – o astrônomo Thomas Mikal-Evans calculou quanto tempo pode levar o JWST para detectar metano (CH4) e dióxido de carbono (CO2) na atmosfera do planeta. Ele disponibilizou os resultados no servidor de pré-publicação arXiv antes de passar pela revisão por pares.

Dependendo de inúmeras variáveis, incluindo o nível de nuvem e neblina, uma combinação de CH4 e COpode ser encontrada em apenas cinco trânsitos – leituras de brilho realizadas pelo telescópio. A 4,3 horas por trânsito, é um pouco mais de 20 horas no total. “Se TRAPPIST-1e tem uma composição atmosférica semelhante à da Terra Arqueana, detecções robustas para CH4 e CO2 são possíveis para 5-10 observações de trânsito sob a suposição de ruído instrumental bem manejado e negligenciando o efeito da variabilidade estelar”, escreveu Mikal-Evans, do Instituto Max Planck de Astronomia da Alemanha.

Claro, a presença de CH4 e CO2 em torno do TRAPPIST-1e não seria a prova cabal da presença alienígena, mas é o tipo de evidência que os astrônomos buscam quando procuram bioassinaturas nos céus.

Lembre-se de que a estimativa de 20 horas está na extremidade inferior; os dados de Mikal-Evans sugerem que também pode levar mais de 200 horas para obter uma leitura adequada, dependendo de fatores como o quão enevoada a atmosfera acaba ficando. Além disso, o exoplaneta pode acabar tendo uma composição atmosférica totalmente diferente.

No entanto, o resultado ainda é emocionante. “É amplamente esperado que JWST será transformador para estudos de exoplanetas”, escreveu Mikal-Evans, e seus resultados demonstram que não só será possível usar o telescópio para caçar bioassinaturas na atmosfera de planetas alienígenas distantes, mas poderia mesmo ser alcançado com relativa facilidade.

(Créditos: NASA/Desiree Stover)

Nomeado em homenagem a James E. Webb, um administrador da NASA entre 1961 e 1968 e uma figura-chave no programa espacial Apollo, o JWST é uma joint venture entre a NASA, a Agência Espacial Europeia (ESA) e a Agência Espacial Canadense (CSA).

As agências espaciais por trás do JWST estão se concentrando em colocá-lo em órbita antes de tudo. Nos últimos dias, vibrações inesperadas devido a uma liberação prematura da braçadeira atrasaram o lançamento do telescópio por mais alguns dias, enquanto todos os instrumentos estão sendo verificados novamente. Ainda se espera que a decolagem possa acontecer em 22 de dezembro.

No entanto, esta não é a primeira vez que o telescópio teve seu lançamento atrasado. Na verdade, o projeto foi imaginado pela primeira vez no século 20, e o telescópio seria originalmente lançado em 2007.

Desde então, inúmeros atrasos, problemas de custo e desafios técnicos atrapalharam (incluindo a última edição de uma pandemia global). O telescópio está sendo preparado em uma base em Kourou, na Guiana Francesa.

Quando o JWST chegar ao espaço, espere uma longa série de descobertas empolgantes: o telescópio é equipado com instrumentos que permitem ver em distâncias mais longas e comprimentos de onda mais longos, revelando sinais do Universo primitivo que seu predecessor Hubble não consegue detectar. No centro está um enorme espelho dourado projetado para ajudar a focar a luz.

Esperançosamente, até o final do ano, o JWST deverá ter deixado a Terra – e estamos ansiosos para ver o que ele encontrará primeiro.

O estudo pré-publicado de bioassinatura está disponível no arXiv.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Ele1 - Criar site de notícias