Segunda, 27 de Setembro de 2021
24°

Poucas nuvens

Nova Cantu - PR

Direitos Humanos Sexismo

Federação de jornalismo aproveita Tóquio 2020 para pedir fim do sexismo no esporte e na cobertura esportiva

Na véspera da abertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio, a Federação Internacional de Jornalistas (IFJ) fez um alerta pedindo a federações esportivas, empresas jornalísticas, profissionais de imprensa e entidades do setor para se empenharem na erradicação do sexismo no esporte.

23/07/2021 às 20h38
Por: Redação Fonte: https://mediatalks.uol.com.br/2021/07/22/ifj-aproveita-jogos-olimpicos-para-pedir-fim-do-sexismo-no-esporte-e-na-cobertura-esportiva/?utm_medium=email&utm_source=newsletter&utm_campaign=c-se
Compartilhe:
Federação de jornalismo aproveita Tóquio 2020 para pedir fim do sexismo no esporte e na cobertura esportiva

Na véspera da abertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio, a Federação Internacional de Jornalistas (IFJ) fez um alerta pedindo a federações esportivas, empresas jornalísticas, profissionais de imprensa e entidades do setor para se empenharem na erradicação do sexismo no esporte.

“Muitas jornalistas mulheres estão sujeitas à discriminação e poucas têm acesso a cargos de liderança”, disse Maria Angeles Samperio, presidente do Conselho de Gênero da IFJ.

A federação quer que as entidades desportivas lancem campanhas de prevenção para condenar os ataques contra jornalistas mulheres. 

“O tratamento dispensado às jornalistas esportivas reflete o das atletas femininas pelas federações esportivas, e isso tem que parar. Precisamos de reportagens esportivas inclusivas, tratamento igual para todos os jornalistas esportivos e fim do sexismo nos esportes”.

Igualdade de remuneração e oportunidade
Atletas se ajoelham contra o racismo em Tóquio 2020. (COI/Divulgação)

A IFJ cobra ainda que os meios de comunicação recrutem mais mulheres para cobrirem esportes, e que adotem políticas para erradicar o sexismo, como diretrizes para o assédio, a igualdade de remuneração e as políticas de oportunidade. E defende que as reportagens sejam inclusivas e evitem estereótipos de gênero. 

Os Jogos Olímpicos de 2020 serão baseados em diversidade e inclusão. Sob o lema “Conheça as diferenças, mostre as diferenças”, a olimpíada se propõe a “abraçar a diversidade” dos indivíduos, independentemente de idade, etnia, nacionalidade, gênero, orientação sexual, religião crenças ou deficiência intelectual ou física.

A preparação para os Jogos deste ano já resultou na renúncia do chefe do comitê organizador, Yoshiro Mori, em fevereiro, após fazer comentários sexistas sobre as mulheres na administração esportiva.

O diretor de criação da cerimônia de abertura e encerramento, Hiroshi Sasaki, também renunciou recentemente após a revelação de um comentário antigo seu sobre uma obra que criou, de que iria “brincar de Holocausto”.

Jogos Olímpicos são uma oportunidade, afirma IFJ

Uma pesquisa do Global Media Monitoring Project, publicada no dia 14 de julho, mostrou que apenas 9% das matérias nas principais páginas de notícias e nos noticiários mundiais são sobre esportes. As mulheres representam apenas 15% dos assuntos de notícias em matérias sobre o assunto, enquanto representam entre 1% e 7% dos jornalistas esportivos, dependendo da mídia.

“Nos últimos anos, vimos muitas mulheres jornalistas denunciando o sexismo nos esportes e os sindicatos devem ouvir essas chamadas e agir”, disse o secretário-geral da IFJ, Anthony Bellanger. “Os Jogos Olímpicos são uma oportunidade para cobrir esportes de forma diferente e incentivar as organizações de mídia a adotar estratégias claras para erradicar o sexismo no jornalismo esportivo.”

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Ele1 - Criar site de notícias