Política Nacional

MP sobre regras trabalhistas requer mais debate, diz Weverton

Publicados

em


.

No encerramento da sessão deliberativa remota desta quinta-feira (9), o senador Weverton Rocha (PDT-MA) atribuiu o adiamento da votação do PLV 18/2020, decorrente da Medida Provisória (MPV) 927/2020 — que flexibiliza regras trabalhistas durante a pandemia da covid-19 — à demanda dos líderes partidários, que consideram o tema “polêmico” e desejam um debate mais aprofundado. O parlamentar também expressou as críticas de colegas ao procedimento de alteração de leis do trabalho por MP.

— Há sempre um anseio e um pedido de todos os partidos, e da maioria das forças políticas da Casa, para que esse tipo de assunto seja tratado por projeto de lei, não por medida provisória — sublinhou.

Weverton também mencionou a posição do relator da MP, senador Irajá (PSD-TO), a favor do adiamento da votação, e disse que a nova data será decidida pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre, na reunião de líderes na próxima segunda-feira (13).

Amazônia

Entre as atividades do Senado na próxima semana, Weverton confirmou a presença, na terça-feira (14), do vice-presidente Hamilton Mourão, que tratará da questão da Amazônia. A audiência é realizada a requerimento da senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA).

Leia Também:  Senado recebe luz roxa nesta sexta-feira pelo fim da violência contra a mulher

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política Nacional

Entenda o que se sabe sobre os repasses feitos por Queiroz a Michelle Bolsonaro

Publicados

em

Por


source
Michelle Bolsonaro
Marcos Corrêa/PR

Primeira-dama Michelle Bolsonaro recebeu depósitos entre 2011 e 2018

Uma reportagem publicada na edição desta sexta-feira (7) da revista eletrônica Crusoé revelou que Fabricío Queiroz, ex-assessor parlamentar de Flávio Bolsonaro na Alerj (Asssembleia Legislativa do Rio), depositou cerca de 21 cheques na conta da primeira-dama , Michelle Bolsonaro. Os depósitos foram realizados entre 2011 e 2018 e chegaram ao valor de R$ 72 mil.

Em 2018, Bolsonato alegou que o ex-assessor havia feito os depósitos para paga uma dívida de R$40 mil, mas o valor é inferior ao apurado pela revista Crosué. Além da quantia repassada por Queiroz, sua mulher, Márcia de Aguiar, também destinou R$ 17 mil em cheques para Michelle, segundo informação revelada pelo jornal “Folha de S. Paulo” e confirmada pelo GLOBO. O valor total, então, é de R$ 89 mil.

Após a descoberta dos novos depósitos, o presidente ainda não se manifestou sobre o assunto. Em 2018, porém, uma das justificativas de Bolsonaro para o dinheiro estar na conta de Michelle em vez da dele, é de que ele “não tinha tempo de sair”.

Leia Também:  Senadores repudiam ataque racista a motoboy

Outro ponto importante é que, em nota nesta sexta-feira, o Ministério Público informou que a primeira-dama Michelle Bolsonaro “nãao faz parte do escopo das infestigações sobre a prática de rachadinha”.

Além disso, como os depósitos ocorreram antes que Bolsonaro se tornasse presidente, não pode haver uma denúncia à Procuradoria-Geral da República, caso seja comprovada uma conexão entre os pagamentos e alguma atividade ilícita.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo