Geral

Morre 22ª vítima de incêndio no Hospital Badim, no Rio

Publicados

em

Com a morte de uma mulher neste domingo (1°), no Hospital Quinta d’Or, subiu para 22 o número de vítimas do incêndio no Hospital Badim, no bairro do Maracanã, zona norte do Rio, ocorrido no dia 12 de setembro deste ano.

No dia do incêndio, uma grande operação foi montada com dezenas de macas colocadas na calçada para abrigar os internos. Uma creche, que fica ao lado do hospital, foi usada para atendimento até que as vítimas fossem transferidas para outros hospitais das redes particular e públicas de saúde da região.

De acordo com a perícia técnica, o fogo começou devido a um curto-circuito no gerador, instalado no subsolo. O equipamento é dotado de grande quantidade de combustível e é usado em casos de falta de luz. O produto inflamável alimentou uma fumaça que tomou todo o prédio rapidamente. O gerador tem capacidade para ser usado por longo tempo, caso haja interrupção no fornecimento de energia durante atendimento aos pacientes no centro cirúrgico.

Dos 103 pacientes envolvidos no incêndio, quatro continuam internados e 77 tiveram alta. Do total de 21 colaboradores e acompanhantes internados em consequência do fogo, todos já tiveram alta.

Leia Também:  Consumidor poderá tirar dúvidas sobre valor cobrado na conta de luz

 

Edição: Lílian Beraldo
Fonte: EBC Geral
COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Geral

Igrejas do Rio retomam missa com a presença de fiéis

Publicados

em

Por


.

Após três meses fechadas para evitar aglomerações, devido à pandemia de covid-19, igrejas, templos e demais atividades religiosas puderam reabrir hoje (4) no Rio de Janeiro para cultos, missas e rituais com a presença de fiéis.

Na missa da manhã na Catedral Metropolitana do Rio de Janeiro, na região central da cidade, os fiéis encontraram marcações no chão para indicar a distância que deveriam manter antes de entrar no templo, totem para higienizar as mãos com álcool em gel e medição da temperatura.

O espaço interno da Catedral teve a capacidade reduzida de 5 mil para 1,3 mil pessoas, com os bancos agrupados de dois em dois para evitar o uso e marcações para distanciamento nos assentos.

A Igreja Nossa Senhora da Glória, no Largo do Machado, na zona sul, fez missas com duração de 20 minutos hoje. Um aviso no site da paróquia informa que o uso da máscara é obrigatório, podendo ser retirada apenas para a comunhão.

A igreja recomenda às pessoas que pertencem ao grupo de risco ou que ainda não se sintam à vontade para retornar à missa presencial, que acompanhem a celebração online e utilizem o aplicativo para se confessar ou para comunhão.

Leia Também:  Defesa Civil levanta danos causados pela passagem de ciclone em SC

Mas nem todas retornaram. A Catedral Metodista do Rio de Janeiro, no Catete, informa que vai permanecer sem missas presenciais durante o mês de julho. As celebrações são transmitidas ao vivo pela internet às quintas-feiras 17h50 e aos domingos às 11h e às 19h30.

Corresponsabilidade

Após uma noite com bares cheios na última quinta-feira (2), o segundo dia de retorno desses estabelecimentos, depois de mais de três meses fechados devido à pandemia de covid-19, foi mais tranquilo e com menos aglomerações. A prefeitura fiscalizou 26 locais na noite de ontem (3), aplicando 28 multas.

Três bares na Avenida Olegário Maciel, na Barra da Tijuca, zona oeste da cidade, foram interditados por ter aglomeração. Um bar em Botafogo e quatro no Leblon foram multados por colocar mesas e cadeiras de forma irregular, promovendo a aglomeração e a ocupação ilegal.

Somados às ações de quinta-feira, foram ao todo 127 pontos comerciais vistoriados e 99 infrações aplicadas por irregularidades como aglomeração, falta de insumos para a higienização das mãos e o não cumprimento do distanciamento de dois metros entre mesas e pessoas.

Leia Também:  Leonardo Villar, ator de Pagador de Promessas, morre aos 96 anos

O superintendente de Educação e Projetos da Vigilância Sanitária, Flávio Graça, destaca que o dono do estabelecimento é corresponsável pelas aglomerações no entorno do bar.

“Se o bar está dando a bebida na mão dos clientes, e as pessoas estão se aglomerando nas ruas, ele também está promovendo aglomeração. Então ele é corresponsável e tem que parar a operação. A gente está orientando sobre isso, porque alguns estão pensando que se o problema está acontecendo fora do estabelecimento eles estão livres de infrações, mas não estão.”

A prefeitura alerta que apenas ambulantes autorizados podem trabalhar com comércio de rua na cidade. Quem não estiver legalizado pode ter a mercadoria apreendida.

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo