Novo Cantu - Mundo

Momentos de crise são terreno favorável para as ‘fake news’

Publicados

em

Momentos de crise são terreno favorável para as 'fake news'

 

Situações de crise – como os desastres naturais, os atentados e os tiroteios – são um terreno favorável para as “fake news” (notícias falsas), cujos autores aproveitam a emoção do momento para tentar ampliar sua magnitude.

Um exemplo recente é o tiroteio de terça-feira que deixou três feridos na sede do YouTube, perto de São Francisco: as “fake news” surgiram e citaram “dezenas de mortos”, ou tentaram envolver personalidades como Hillary Clinton no ataque. Alguns meios de comunicação informaram que a conta de um funcionário do site foi alvo de hackers.

O recente massacre em um colégio de Parkland, na Flórida, e as manifestações a favor do controle de armas também foram alvo de notícias falsas, geralmente com fins políticos.

“São eventos traumáticos propícios para a divulgação de informações falsas e teorias da conspiração, porque geram um efeito de estupor”, explica à AFP Rudy Reichstadt, diretor do observatório Conspiracy Watch, com sede em Paris.

“Quando vemos uma notícia que nos marca, ou choca, buscamos explicações e, na falta de informações, nos ligamos a teorias, inclusive as mais improváveis”, completa.

Um estudo do MIT, prestigioso instituto de pesquisa americano, publicado no mês passado na revista “Science” aponta que as notícias falsas tendem a viralizar nas redes sociais de modo mais rápido que as notícias verdadeiras, independentemente do tema.

 

 Clickbaits

De acordo com as conclusões do estudo, enquanto no Twitter as notícias verdadeiras raramente são compartilhadas por mais de mil pessoas, 1% das notícias falsas mais populares alcançam entre mil e 100.000 pessoas. Além disso, as verdadeiras demoram seis vezes mais tempo do que as “fake news” para alcançar 1.500 pessoas.

Os autores do estudo determinaram ainda que as notícias falsas mais virais envolvem a política, à frente das lendas urbanas e da economia. A categoria “terrorismo e guerra” aparece em quarto lugar, seguida por desastres naturais.

Os perfis e as motivações dos que produzem e propagam as “fake news” são diversos.

Reichstadt disse que “há empresários da teoria da conspiração, que reescrevem os fatos atuais de forma instantânea e permanente (…) em uma narrativa alternativa”, como Alex Jones, criador do site americano Infowars, ou o francês Thierry Meyssan.

Após o massacre de Parkland, várias montagens de fotos que pretendiam desacreditar os defensores do controle das armas de fogo tentaram convencer os internautas de que uma das sobreviventes, Emma González, que virou uma das líderes do movimento, havia rasgado uma cópia da Constituição americana (que na realidade era um alvo de tiro), ou que que atacava um veículo de um defensor das armas (imagem que correspondia a uma foto antiga de Britney Spears).

Para completar existem os “clickbaits” (algo como caça-cliques), conteúdos que prosperam graças ao sensacionalismo e cujos autores desejam aumentar o faturamento com publicidade, e os fãs de complôs, que elaboram várias teses, segundo o direto da Conspiracy Watch.

Além das más intenções, da confusão e da precipitação em situações de crise, as notícias falsas também podem ganhar espaço pela falta de verificação da imprensa tradicional, ou por erros cometidos pelas fontes oficiais.

No terremoto que sacudiu o México em setembro do ano passado, a imprensa de todo o planeta informou sobre a tentativa de resgatar uma pequena menina chamada Sofia, com base nas declarações de socorristas e de autoridades, até que o governo veio a público para informar que a criança nunca existira.

 

Fonte: Catve.com

Leia Também:  Papa Francisco pede aos pais: “Não discutam diante dos filhos – eles sofrem!”
COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Novo Cantu - Mundo

O mundo está cansado de mentirosos, de padres da moda, de arautos de cruzadas

Publicados

em

Por

O mundo está cansado de mentirosos, de padres da moda, de arautos de cruzadas

 

Aos novos bispos do curso anual de formação, o papa afirma que fazer pastoral da misericórdia não é fazer liquidação de pérolas. “Não poupem esforços para ir ao encontro do povo de Deus, estejam perto das famílias com fragilidade. Nos seminários, apontem para a qualidade, não para a quantidade. Desconfiem dos seminaristas que se refugiam na rigidez.”

“O mundo está cansado de encantadores mentirosos… e, eu me permito dizer, de padres ou bispos na moda. As pessoas ‘farejam’ e se afastam quando reconhecem os narcisistas, os manipuladores, os defensores das causas próprias, os arautos de cruzadas vãs.”

O Papa Francisco dirigiu um longo discurso aos bispos recém-nomeados, em Roma, para um curso de formação, tocando diversas questões do seu ministério, a partir da necessidade de tornar pastoral – “isto é, acessível, tangível, encontrável” – a misericórdia, que é o “resumo daquilo que Deus oferece ao mundo”.

Os bispos, disse Jorge Mario Bergoglio, devem ser capazes de encantar e de atrair os homens e as mulheres do nosso tempo a Deus, sem “lamentações”, sem “deixar nada de não tentado a fim de alcançá-los” ou “recuperá-los”, e graças aos percursos de iniciação (“Hoje, pedem-se frutos demais de árvores que não foram cultivadas o suficiente”).

Além disso, é necessário vigiar a formação dos futuros sacerdotes, apontando para a “qualidade do discipulado”, e não para a “quantidade” de seminaristas, e usando “cautela e responsabilidade” ao acolher sacerdotes na diocese. Francisco também convidou os novos bispos a estarem perto do seu clero, àqueles que Deus coloca “por acaso” no seu caminho e às famílias com as suas “fragilidades”.

“Perguntem a Deus, que é rico em misericórdia – disse o papa aos 154 novos bispos (16 dos territórios de missão) que participaram do curso anual de formação promovido conjuntamente pela Congregação para os Bispos e pela Congregação para as Igrejas Orientais – o segredo para tornar pastoral a Sua misericórdia nas suas dioceses. De fato, é preciso que a misericórdia forme e informe as estruturas pastorais das nossas Igrejas. Não se trata de rebaixar as exigências ou vender barato as nossas pérolas. Ou, melhor, a única condição que a pérola preciosa dá àqueles que a encontram é a de não poder reivindicar menos do que tudo. Não tenham medo de propor a Misericórdia como resumo daquilo que Deus oferece ao mundo, porque o coração do homem não pode aspirar a nada maior”, disse Francisco, que, sobre a misericórdia como “limite para o mal”, citou Bento XVI, acrescentando duas perguntas retóricas: “Por acaso, as nossas inseguranças e desconfianças são capazes de suscitar doçura e consolação na solidão e no abandono?”.

Para tornar a misericórdia “acessível, tangível, encontrável”, acima de tudo, o papa recordou que “um Deus distante e indiferente pode ser ignorado, mas não resistimos facilmente a um Deus tão próximo e, além disso, ferido por amor. A bondade, a beleza, a verdade, o amor, o bem – eis o que podemos oferecer a este mundo mendicante, ainda que em vasos meio quebrados. No entanto, não se trata de atrair a si mesmos. O mundo – disse Francisco – está cansado de encantadores mentirosos… e, eu me permito dizer, de padres ou bispos na moda. As pessoas ‘farejam’ e se afastam quando reconhecem os narcisistas, os manipuladores, os defensores de causas próprias, os arautos de cruzadas vãs. Em vez disso, tentem ajudar a Deus, que já Se introduz antes ainda da chegada de vocês”.

Nesse sentido, “Deus não se rende nunca! Somos nós, que, acostumados ao rendimento, muitas vezes nos acomodamos, preferindo nos deixar convencer que realmente puderam eliminá-Lo e inventamos discursos amargos para justificar a preguiça que nos bloqueia no som imóvel das lamentações vãs: as lamentações de um bispo são coisas feias”.

Em segundo lugar, é necessário, segundo o papa, “iniciar” aqueles que são confiados aos pastores: “Eu lhes peço para não terem outra perspectiva para olhar os seus fiéis do que a da sua unicidade, de não deixarem nada de não tentado a fim de alcançá-los, de não poupar qualquer esforço para recuperá-los. Sejam bispos capazes de iniciar as suas Igrejas nesse abismo de amor. Hoje – disse Francisco – pedem-se frutos demais de árvores que não foram cultivadas o suficiente. Perdeu-se o sentido da iniciação, e, no entanto, nas coisas realmente essenciais da vida, tem-se acesso apenas mediante a iniciação. Pensem na emergência educativa, na transmissão tanto dos conteúdos quanto dos valores, no analfabetismo afetivo, nos percursos vocacionais, no discernimento nas famílias, na busca da paz: tudo isso requer iniciação e percursos guiados, com perseverança, paciência e constância, que são os sinais que distinguem o bom pastor do mercenário”.

Francisco se debruçou com atenção particular sobre o tema da formação dos futuros padres: “Peço-lhes que cuidem com especial solicitude as estruturas de iniciação das suas Igrejas, em particular os seminários. Não os deixem ser tentados pelos números e pela quantidade das vocações, mas busquem a qualidade do discipulado. Não privem os seminaristas da sua firme e terna paternidade. Façam-nos crescer a ponto de adquirir a liberdade de estar em Deus ‘tranquilos’ e serenos como crianças desmamadas nos braços da sua mãe”; não como presas dos próprios caprichos e escravos das próprias fragilidades, mas livres para abraçar aquilo que Deus lhes pede, mesmo quando isso não parece tão doce quanto o seio materno era no início. E fiquem atentos quando alguns seminaristas se refugiam na rigidez; por baixo, sempre há algo de feio”.

E ainda: “Eu lhes peço também para agirem com grande prudência e responsabilidade ao acolher candidatos ou incardinar sacerdotes nas suas Igrejas locais. Por favor, prudência e responsabilidade nisso. Lembrem-se de que, desde o início, quis-se como inseparável a relação entre uma Igreja local e os seus sacerdotes, e nunca se aceitou um clero vagante ou em trânsito de um lugar para outro. E essa é uma doença dos nossos tempos”.

Por fim, o papa pediu que os bispos sejam “capazes de acompanhar”, citando, a esse respeito, a parábola do bom samaritano: “Sejam bispos com o coração ferido por tal misericórdia e, portanto, incansável na humilde tarefa de acompanhar o homem que, ‘por acaso’, Deus colocou no seu caminho”.

E, ainda, recomendou o papa aos novos bispos, “acompanhem por primeiro, e com paciente solicitude, o seu clero” e “reservem um acompanhamento especial para todas as famílias, regozijando-se com o seu amor generoso e encorajando o imenso bem que elas dispensam neste mundo. Acompanhem sobretudo as mais feridas. Não ‘passem ao largo’ diante da sua fragilidade”.

“Fico alegre por acolhê-los e por poder compartilhar com vocês alguns pensamentos que vêm ao coração do sucessor de Pedro, quando vejo diante de mim aqueles que foram ‘pescados’ pelo coração de Deus para guiar o Seu povo santo”, tinha iniciado o papa.

“Deus os livre de tornar vão tal frêmito, de domesticá-lo e esvaziá-lo da sua potência ‘desestabilizadora’. Deixem-se desestabilizar, é bom para um bispo”, disse Francisco.

“Muitos, hoje, se mascaram e se escondem. Eles gostam de construir personagens e inventar perfis. Tornam-se escravos dos parcos recursos que recolhem e aos quais se agarram como se bastassem para comprar o amor que não tem preço. Não suportam o frêmito de se saberem conhecidos por Alguém que é maior e não despreza o nosso pouco, é mais Santo e não culpa a nossa fraqueza, é realmente bom e não se escandaliza com as nossas chagas. Não seja assim para vocês”, concluiu: “Deixem que tal frêmito percorra vocês. Não removam-nos nem o silenciem”.

 

Fonte: Aleteria.org

Leia Também:  Decisão dos Estados Unidos de acabar com neutralidade na internet provoca reações
COMENTE ABAIXO:
Continue lendo