Saúde

Ministério da Saúde entrega mais de 6 mil ventiladores pulmonares

Publicados

em


.

O secretário executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco, disse hoje (29), durante entrevista no Palácio do Planalto, que já foram entregues 6.410 ventiladores pulmonares. Nos últimos sete dias, foram distribuídos 1.553. Os estados que mais receberam o equipamento até agora foram Rio de Janeiro (814), São Paulo (766), Pará (406), Minas Gerais (389) e Bahia (306).

Foram disponibilizadas 4,37 milhões de unidades de cloroquina. Os estados destinatários das maiores quantidades de comprimidos foram São Paulo (489 mil), Pará (439 mil), Alagoas (412 mil), Amazonas (371 mil) e Ceará (302 mil).

Segundo o Ministério da Saúde, foram encaminhados até agora 115,7 milhões de equipamentos de proteção individual (EPIs). Deste total, foram repassados às secretarias estaduais de saúde 54,7 milhões de máscaras cirúrgicas, 36,8 milhões de luvas cirúrgicas, 15,6 milhões de toucas, 3,4 milhões de máscaras N95, 2,9 milhões de aventais, 1,2 milhão de protetores faciais e 554 mil recipientes de álcool em gel.

Em termos de recursos, de acordo com a pasta, até o momento, foram destinados aos estados e municípios R$ 9,7 bilhões para ações de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus.

Desabastecimento

Os representantes do Ministério da Saúde também falaram sobre as dificuldades de abastecimento das secretarias estaduais e municipais de saúde em relação a medicamentos utilizados em Unidades de Terapia Intensiva. O fornecimento não é responsabilidade da pasta, mas estados e municípios solicitaram auxílio diante do problema.

A diretora do Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos da pasta, Sandra de Castro Barros, informou que após uma reunião na Procuradoria-Geral da República (PGR), no dia 17 de junho, entre autoridades de saúde, procuradores, Anvisa e fabricantes de remédios, foram definidas três ações para lidar com o cenário de desabastecimento.

Leia Também:  Interior já responde por 70% dos novos casos de coronavírus em SP

A Organização Pan-americana de Saúde (OPAS) está fazendo uma cotação juntamente a fornecedores internacionais. Não foi indicada pelos representantes do órgão uma previsão de quando esse processo de aquisição deverá ser concluído.

O Ministério da Saúde realizará um pregão eletrônico para aquisição centralizada desses medicamentos, na qual os estados poderão entrar como co-participantes. O secretário executivo do órgão argumentou que este tipo de procedimento ajuda ao permitir uma compra em escala, reduzindo o preço dos medicamentos.

Outra medida adotada foi a requisição administrativa do excedente da produção da indústria farmacêutica como forma de facilitar o acesso por estados a estes medicamentos.

“Tivemos desajuste no mercado e dificuldade de aquisição pelos estados, com aumento da procura e do preço por esses medicamentos. Pelo levantamento que fizemos com Conass e Conasems, estaremos atendendo às necessidades sem desabastecer o mercado, porque temos também a rede privada. Vamos conseguir fazer isso trazendo material de fora”, comentou Elcio Franco.

Em relação aos remédios cuja disponibilização é responsabilidade do Ministério da Saúde, para além das 4,3 milhões de unidades de cloroquina, foram distribuídos 7,26 milhões de comprimidos de Tamiflu. Ainda há estoque de 3,3 milhões de unidades em estoque desta substância.

Veja entrevista na íntegra

 ANS torna obrigatória cobertura de teste do novo coronavírus por planos de saúde

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) decidiu incluir, no rol de procedimentos obrigatórios a serem atendidos por planos de saúde, os testes para confirmação de infecção pelo novo coronavírus, que causa a covid-19. A Resolução Normativa 458, de 2020, que inclui os exames laboratoriais, foi publicada hoje (29) no Diário Oficial da União.

Leia Também:  Covid-19: Rio tem 124 mil infectados e 101 mil recuperados

As pesquisas de anticorpos IgA, IgC ou IgM serão obrigatórias para os planos de saúde nas segmentações ambulatorial, hospitalar (com ou sem obstetrícia) e referência, nos casos em que o paciente apresente ou tenha apresentado alguns quadros clínicos.

Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior

Um estudo feito pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) tornou mais fácil identificar lugares onde, segundo pesquisadores, a chance de ser infectado pelo vírus SARS-Cov-2, responsável pela pandemia de covid-19, é maior. Os resultados parecem comprovar o que já é protocolo sanitário em todo o Brasil: a residência é o lugar mais seguro para as pessoas neste momento. Hospitais e transporte público são os locais com alto risco de contágio. Confira na reportagem. 

Estado de São Paulo tem queda semanal de mortes em decorrência do novo coronavírus

O estado de São Paulo apresentou, na semana passada, que corresponde à 26ª semana epidemiológica, uma queda no número de mortes provocadas pelo novo coronavírus. Segundo o governo paulista, o estado teve 144 mortes a menos na semana passada na comparação com a semana anterior [25ª semana epidemiológica].

“Houve queda de óbitos em relação à semana anterior. E isso é uma boa notícia. Houve diminuição de 144 mortes da semana que acabou em relação à semana anterior”, disse o governador de São Paulo, João Doria.

Edição: Liliane Farias

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Casos de covid-19 na Rocinha podem ser 62 vezes maiores que o oficial

Publicados

em

Por


.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

número de casos de covid-19 na Rocinha pode ser até 62 vezes maior do que o divulgado nesta comunidade da zona sul da cidade do Rio de Janeiro. A conclusão faz parte de uma análise feita pela empresa de consultoria Boston Consulting Group (BCG) com dados do Painel Covid Radar, um coletivo de mais de 50 empresas que atua para reduzir os efeitos da crise de saúde no Brasil.

O painel, que tem como um dos líderes o Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU), inclui estudos basedos em cálculos de soroprevalência, imunização e subnotificação da pandemia no Brasil e avalia cenários do mundo todo.

O estudo da BCG busca entender o nível de imunização da população e o grau de subnotificação de casos de covid-19. Conforme a análise, a média brasileira de subnotificação está em 10 vezes, mas pode variar em algumas regiões e bairros do país. Na Rocinha, por exemplo, esse número chega a 62.

A Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro diz que a Resolução nº 4.331, de 17/03/2020, normatiza o preenchimento dos formulários de notificação, combatendo, assim, a possibilidade de subnotificação. De acordo com a secretaria, é preciso levar em consideração também a parcela de cidadãos contaminados, mas assintomáticos, que podem não ser notificados em função da ausência de sintomas, comportamento que não é exclusivo das comunidades. “Portanto, não se pode afirmar que seja maior a subnotificação em comunidades do que em outros locais”, conclui a pasta.

Leia Também:  Estado de São Paulo registra mais de 332 mil casos de covid-19

Pela análise da BCG, o grau de imunização no Brasil está entre 1% e 2% da população. No entanto, áreas mais atingidas pelo vírus já têm taxas melhores, como, por exemplo, bairros altamente expostos de São Paulo, onde o percentual chega a 10%. Na Rocinha, 25% da população do bairro já pode estar imunizada.

Pesquisa epidemiológica

Na cidade do Rio, termina hoje (7), o trabalho de campo da Fase 2 da pesquisa epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde em comunidades e outros bairros do município, que vem sendo feita desde o dia 1º. Segundo a secretaria, o resultado da primeira fase mostrou que o maior percentual de casos positivos nas seis regiões pesquisadas ocorreu na Cidade de Deus (28%). Em seguida, vieram Rio das Pedras (25%) e Rocinha (23%).

O percentual de letalidade, resultado do número de mortos em relação ao total de infectados, ficou em 0,2% em Rio das Pedras; 0,3% na Maré e na Rocinha; 0,4% na Cidade de Deus; 1,2% em Realengo e 1,8% em Campo Grande.

Na avaliação dos sintomas, entre os que tiveram resultado positivo em testes para o novo coronavirus, o índice que prevaleceu foi o de assintomáticos. “As pessoas que tinham o vírus, mas não apresentaram sintomas foram 52%. Apenas 1% dos entrevistados e testados relataram ter apresentado todos os sete sintomas averiguados: febre, cansaço, dor no corpo, dor de garganta, tosse, dispneia (falta de ar) e diarreia”, acrescentou a secretaria.

Segundo a pasta, é relevante o fato de o percentual de casos positivos, mas sem sintoma, ter sido maior entre os mais idosos. A incidência ficou em 67% entre os que tinham de 80 a 89 anos, em 50¨% entre os que tinham de 30 a 39 anos e de 45% entre os com idade de 40 a 49 anos.

m homem recebe um teste de auto-coronavírus de um estudante de medicina à sua porta, em meio ao surto de doença de coronavírus (COVID-19), em São Caetano do Sul, São Paulo, Brasil, 14 de abril de 2020. REUTERS / Rahel Patrasso m homem recebe um teste de auto-coronavírus de um estudante de medicina à sua porta, em meio ao surto de doença de coronavírus (COVID-19), em São Caetano do Sul, São Paulo, Brasil, 14 de abril de 2020. REUTERS / Rahel Patrasso

Leia Também:  Rio pode triplicar número de testes para covid-19
Segundo a secretaria, na primeira fase foram testados 3.210 moradores das comunidades da Maré, Rocinha, Cidade de Deus e Rio das Pedras, Campo Grande e Realengo – REUTERS / Rahel Patrasso/Direitos Reservados

Testes

Conforme a secretaria, na primeira fase foram testados 3.210 moradores das comunidades da Maré, Rocinha, Cidade de Deus e Rio das Pedras, Campo Grande e Realengo. A fase dois da pesquisa epidemiológica foi nas seis comunidades já testadas. Nessa etapa são mais 3.200 testes, coletados por equipes de Atenção Primária da pasta. “Os dados serão analisados e confrontados com os resultados da primeira fase”, informou a secretaria.

Foram intensificadas as orientações para a população atendida nas clínicas da família e nos centros municipais de Saúde e que moram em comunidades. “As unidades oferecem tratamento e acompanhamento de casos leves, além do monitoramento dos grupos de risco, por telefone”, completou a secretaria.

A prefeitura do Rio inaugurou centros de imagens em comunidades, ampliando o acesso ao exame que auxilia no diagnóstico precoce da doença e início do tratamento. A secretaria reforçou, junto aos seus profissionais e às instituições privadas, a necessidade e a importância da correta notificação de casos suspeitos, confirmados ou óbitos decorrentes da pandemia.

Edição: Nádia Franco e Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo