Saúde

Mandetta diz que continua no cargo de ministro da Saúde

Publicados

em

.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou em entrevista coletiva na noite desta segunda-feira (6) que vai continuar no cargo. A permanência dele à frente da pasta foi questionada depois de críticas feitas pelo presidente Jair Bolsonaro. Hoje o presidente se reuniu com ministros para discutir o futuro das ações do governo no enfrentamento à pandemia.

Hoje foi dia que rendeu pouco, ficou todo mundo com a cabeça avoada se eu iria permanecer ou sair. Agradeço muitos que vieram em solidariedade. Gente limpando gaveta, inclusive a minha. Nós vamos continuar, porque continuando nós vamos enfrentar o nosso inimigo, que é a covid-19″, declarou Mandetta.

Ele afirmou que diante da tarefa de combate à pandemia é importante ter um bom ambiente de trabalho e condenou o que chamou de críticas não construtivas. “Mas as condições de trabalho precisam ser para todos. A única coisa é que tenhamos melhor ambiente para trabalhar no ministério. Esperamos que a gente possa possa ter paz.” O titular da pasta agradeceu a equipe, dizendo que ela entrou junta e sairá junta. Ele afirmou que a reunião de hoje entre o presidente e ministros “reposicionou” o governo “no sentido de ter mais foco”.

Leia Também:  Ministério da Saúde fala sobre perfil epidemiológico da covid-19

Esse reposicionamento foi marcado por uma mudança nas orientações do ministério, que passa a trabalhar com dois tipos de distanciamento social: o ampliado e o seletivo. O primeiro é o que vem sendo realizado pelos estados, enquanto o segundo envolve uma abertura maior a atividades econômicas e circulação de pessoas abaixo de 60 anos desde que não apresentem sintomas.

Pelas novas recomendações, as cidades ou estados que tenham pelo menos 50% dos leitos vagos poderão adotar um modelo de distanciamento seletivo a partir da próxima segunda-feira (13). Essa alternativa não vale para unidades federativas com alto índice de incidência de casos por 100.000 habitantes, como é o caso de São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará, Amazonas e Distrito Federal.

Mandetta colocou que há dias vem reforçando a importância do distanciamento até que os sistemas de saúde de cidades e estados estejam estruturados com leitos, máquinas e insumos (como equipamentos de proteção individual). Enquanto isso não estiver garantido, é importante manter o distanciamento.

“Momento é de cautela, é de distanciamento social. Isso que vocês passaram não é quarentena. É muito mais duro que isso. Estamos em fase de distanciamento social. Pessoa pode fazer caminhada, não precisa ficar trancada, mas não pode aglomerar. A gente está conseguindo ter um número de casos relativamente controlado. Não vamos deixar que a cidade A, B ou C vá fazer o movimento exponencialmente pra cima”, defendeu.

Leia Também:  Prefeitura de SP diz que deputados visitaram hospital sem autorização

Para fazer essa transição, será necessário um acompanhamento ágil dos leitos e equipamentos. A equipe do Ministério da Saúde anunciou que fará nesta semana uma recadastramento da situação das unidades de saúde nos estados para verificar a ocupação e as condições destes.

Edição: Juliana Andrade

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Prefeitura de SP diz que deputados visitaram hospital sem autorização

Publicados

em

Por


.

Após tomar conhecimento da visita de cinco deputados estaduais de São Paulo ao hospital de campanha do Complexo do Anhembi, realizada ontem (4), a prefeitura de São Paulo reagiu, afirmando que a abordagem foi feita sem autorização. 

Em vídeos que circulam em redes sociais, o grupo alega que se trata de uma fiscalização de interesse da população e é visto interpelando profissionais de saúde que trabalham na unidade, estruturada de forma emergencial para atender a pacientes com covid-19.

Em nota, a prefeitura afirmou que a passagem dos parlamentares pelo hospital transcorreu “de maneira desrespeitosa” e que incluiu agressões verbais e morais contra pacientes e funcionários.

No informe, também destaca que o grupo entrou nas instalações sem utilizar equipamentos de proteção individual (EPI), o que colocou em risco a saúde das pessoas que estão fazendo tratamento.

Segundo a prefeitura, o grupo, que teve a entrada barrada por seguranças, chegou a filmar pacientes sem que tivesse seu consentimento, sendo que muitos deles estavam sendo higienizados nos leitos no momento das gravações. 

Leia Também:  Bolsonaro participa de inauguração de hospital em Goiás

“A prefeitura de São Paulo mantém transparência pública, tanto é que vários veículos de imprensa nacional e de outros países já visitaram as instalações, respeitaram as regras sanitárias para garantir a própria saúde dos pacientes e dos profissionais, bem como parlamentares que respeitaram as regras vigentes também já foram atendidos”, acrescenta.

O hospital contempla 1,8 mil leitos e foi construído mediante a contratação do Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (Iabas), alvo da Operação Placebo, deflagrada pela Polícia Federal em 26 de maio, para investigar irregularidades que teriam sido cometidas pela organização social. 

No estado do Rio de Janeiro, o Iabas responde por sete dos nove hospitais de campanha abertos pelo governo e atrasou o cronograma de entrega das unidades.

Atualmente, 397 pacientes recebem tratamento na enfermaria do hospital do Anhembi, em São Paulo, e outros dez encontram-se em estabilização. Ainda segundo a prefeitura, desde que a unidade entrou em funcionamento, 3,7 mil pessoas já passaram pelo local, das quais 2,8 mil se recuperaram e tiveram alta.

Leia Também:  Revista inglesa retira publicação de estudo que invalidava cloroquina

Edição: Kleber Sampaio

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo