Política Nacional

Líderes divulgam nota desencorajando ida a manifestações no domingo

Publicados

em


.

Líderes de seis partidos do Senado divulgaram nota pública desencorajando os brasileiros a irem às ruas neste domingo (7) protestarem contra o governo. A nota foi lida durante a sessão remota do Senado desta quinta-feira (4) pelo líder da Minoria na Casa, Randolfe Rodriges (Rede-AP). Além de Randolfe, assinam o documento os líderes do Cidadania, Eliziane Gama (MA); do PDT, Weverton (MA); do PSB, Veneziano Vital do Rêgo (PB); do PSD, Otto Alencar (BA); e o vice-líder do PT, Jaques Wagner.

Na nota, os senadores explicam que, não tendo o país superado a pandemia, é preciso redobrar os cuidados sanitários e fortalecer o distanciamento social. Para Randolfe, é necessário pensar em alternativas que respeitem o isolamento, uma vez que o país já registrou mais de 30 mil mortes pela covid-19.

“Entendemos que ainda não é o momento, em respeito às famílias de vítimas do coronavírus e também daqueles que até hoje têm respeitado, e com razões, o isolamento como a melhor alternativa de combate à covid-19. Continuaremos firmes na oposição das mais diversas formas que a situação pandêmica nos permite”, diz o documento.

Leia Também:  MP que flexibiliza ano escolar chega ao Senado

Veja abaixo o texto na íntegra:

Nota dos Líderes Partidários do Senado Federal em defesa da VIDA e da DEMOCRACIA”

Os líderes dos diferentes partidos do Senado Federal, a saber a Rede Sustentabilidade, o PSB, o PDT, o Cidadania, o PSD e o PT, vem através desta nota desencorajar os brasileiros que, acertadamente, fazem oposição ao Sr. Jair Bolsonaro a irem às ruas nesse próximo domingo.

Nosso pedido parte da avaliação de que, não tendo o país ainda superado a pandemia, que agora avança em direção ao Brasil profundo, saindo das capitais e agravando nos interiores, precisamos redobrar os cuidados sanitários e ampliar a comunicação com a sociedade em prol do distanciamento social.

Bem certo que a organização de setores da sociedade aqueceu nossos corações de esperança, na certeza de que o Brasil já identificou que a política da presidência da república tem sido devastadora ao país e aliada do Coronavírus. Adiaremos à ida às ruas, pelo bem da população, até que possamos, sem riscos, ocupá-las, em prol da população.

Ademais, observando a escalada autoritária do governo federal, devemos preservar a vida e segurança dos brasileiros, não dando ao governo aquilo que ele exatamente deseja, o ambiente para atitudes arbitrárias.

Entendemos, portanto, que ainda não é o momento, em respeito às famílias de vítimas do Coronavírus e também daqueles que até hoje tem respeitado e com razões, baseado nos melhores estudos científicos, o isolamento como a melhor alternativa de combate à Covid-19. Continuaremos firmes na oposição das mais diversas formas que a situação pandêmica nos permite.

Assinam,

Randolfe Rodrigues, líder da Oposição e da Rede Sustentabilidade do Senado Federal.

Eliziane Gama, líder do Cidadania no Senado Federal.

Weverton Rocha, líder do PDT no Senado Federal

Jaques Wagner, vice-líder do PT no Senado Federal.

Veneziano Vital do Rego, líder do PSB no Senado Federal.

Otto Alencar, líder do PSD no Senado Federal.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Leia Também:  Senadores questionam veto presidencial a medidas de proteção para indígenas

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política Nacional

Desmatamento será tema de debate com Hamilton Mourão na terça-feira

Publicados

em

Por


.

O Senado vai realizar na próxima terça-feira (14), a partir das 16h, audiência por videoconferência com o vice-presidente da República, Hamilton Mourão. Ele vai debater as ações do governo federal para enfrentar o desmatamento na Amazônia, além de responder a questionamentos dos senadores.

O convite partiu da senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), que coordena a Frente Parlamentar Ambientalista no Senado. Ela quer que o governo explique o alto índice de desmatamento e os focos de incêndio na região. De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), as queimadas na Amazônia em junho atingiram o maior índice para o mês nos últimos 13 anos. A senadora acusa o Executivo de agir com “desleixo”.

— O Senado não pode silenciar num momento em que parte significativa do maior patrimônio natural do nosso país está sendo queimado – disse ela na última segunda-feira (6), ao defender a aprovação do seu requerimento para a audiência com o vice-presidente.

Mourão preside desde o início do ano o Conselho Nacional da Amazônia Legal, que é responsável pela gestão do Fundo Amazônia — que recebe investimentos de empresas e de outros países para ações de preservação da floresta.

Leia Também:  Paim defende testagem obrigatória de trabalhadores

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo