Entretenimento

Keith Richards quer comemorar 60 anos dos Stones “em uma cadeira de rodas”

Publicados

em


source

The Music Journal Brazil

undefined
Redação

Keith Richards quer comemorar 60 anos dos Stones “em uma cadeira de rodas”

Keith Richards , o lendário guitarrista dos Rolling Stones , deu uma declaração irônica durante uma entrevista á BBC , quando foi questionado como seria comemorar os 60 anos de carreira da banda.

“Eu nem tinha pensado nisso. Não sei. Posso comprar uma cadeira de rodas nova” , disparou o músico britânico.

Richards está nos Rolling Stones desde sua formação em Londres no ano de 1962 , quando a formação inicial contava, além de Mick Jagger, Ron Wood e Charlie Watts que seguem com a banda até hoje, com Brian Jones, Ian Stewart e Bill Wyman.

Contudo, o guitarrista de 76 anos chegou a ponderar sobre uma nova reunião da banda em decorrência da atual pandemia do coronavírus , durante uma entrevista á GQ : “Em primeiro lugar, vou passar por este ano e ver como vamos lidar com o ano que vem. Porque acho que no momento há mais problemas do que uma celebração dos Rolling Stones” , disse.

Fonte: IG GENTE

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Vanessa Hudgens comanda premiação dos 'melhores de todos os tempos' na MTV
Propaganda

Entretenimento

CCXP Worlds entrevista ator de O Poderoso Chefão sobre reedição de último filme

Publicados

em

Por


source
poster do filme O Poderoso Chefão: A Morte de Michael Corleone
Divulgação

Ator de O Poderoso Chefão: A Morte de Michael Corleone fala sobre nova versão do clássico


No próximo dia 8 de dezembro, o  filme que encerra a franquia ‘O Poderoso Chefão’ ganhará para seu aniversário de 30 anos uma versão remasterizada, com novo nome e montagem. Trata-se de ‘ O Poderoso Chefão – Desfecho: A Morte de Michael Corleone’, que promete dar um novo tom ao encerramento da jornada vivida no cinema pelo personagem de Al Pacino.


“Você verá um novo filme, com um novo começo e com um fim diferente. Muitas cenas foram reposicionadas. O filme ganhou uma nova vida”, afirma o próprio diretor, Francis Ford Coppola, no painel da CCXP Worlds sobre o relançamento.

Para falar sobre a releitura feita pelo diretor, o evento recebeu nesta sexta-feira (04) o ator Andy Garcia, que vive Vincent Mancini-Corleone, para falar sobre a experiência de reviver o longa e participar de uma das séries cinematográficas mais famosas e importantes da sétima arte.

Leia Também:  ‘Arte imita a vida’, afirma criador de The Walking Dead sobre série derivada

Garcia afirmou que não sabia o que Coppola planejava com o terceiro filme da franquia, mas era sabido que o diretor não estava satisfeito com a edição. “O filme estrearia no dia de Natal e Francis sentiu que nunca tinha tido tempo para organizar o filme da maneira como queria. Algumas decisões foram tomadas e, com o tempo, ele queria revisitar e entregar o filme que ele realmente queria ter feito”, contou o ator na CCXP Worlds.

A mudança do título também foi um diferencial, já que era um desejo do autor que sempre se chamasse “The Godfather Coda”, mas a ideia foi proibida pela Paramount, que esperava pela continuação da franquia.

Perguntado sobre o que deve mudar para seu personagem no filme, Garcia afirma que Francis conseguiu traçar uma narrativa mais clara e coesa sobre a história. Na versão original, algumas cenas foram cortadas e tiraram certos eventos de contexto, o que agora foi reparado.


Sobre a direção de Coppola, Garcia afirma que a experiência como um diretor de teatro o ajudou a causar o impacto que gostaria com seus filmes. “Ele é muito bom em se aproximar aos atores, seja para criar cenários ou improvisações, e ajustar o tom da cena. Não são muitos filmes ou diretores que têm o privilégio de ensaiar seus próprios filmes”, reflete o ator.

Leia Também:  'A Fazenda 12': Carol Narizinho revela que ex-peões voltarão ao reality

Por fim, perguntado sobre como foi trabalhar com Al Pacino , Andy afirma que o ator foi uma inspiração para uma geração de atores, incluindo ele mesmo. “O trabalho dele mudou minha vida. Tive a grande sorte de conhecê-lo socialmente. Al é um homem muito generoso, é um privilégio ter trabalhado com ele”, afirma.

Fonte: IG GENTE

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo