Novo Cantu - Esporte

Itália empata com a Suécia e fica fora da Copa pela primeira vez desde 1958

Publicados

em

Itália empata com a Suécia e fica fora da Copa pela primeira vez desde 1958

 

A Itália pressionou durante os 90 minutos, mas não conseguiu superar a barreira montada pela Suécia e ficou no 0 a 0, no Giuseppe Meazza, em Milão. O resultado deixa a Azzurra fora da Copa do Mundo pela primeira vez desde 1958, após ter perdido, em Solna, na partida de ida por 1 a 0. É a única seleção campeã mundial que irá ficar fora da competição. Por outro lado, os escandinavos voltam após ausências em 2010 e 2014.

Sem Verratti, o técnico Giampiero Ventura colocou o ítalo-brasileiro Jorginho como titular. O jogador do Napoli foi bem, principalmente na etapa inicial, e conseguiu desafogar o meio de campo da Azzurra, com bons passes que não visavam apenas aos alas Candreva e Darmian. No ataque, o treinador entrou com Gabbiadini, deixando Belotti como opção. De Rossi também ficou no banco.

A Itália foi para cima e dominou todo o primeiro tempo. A seleção adiantava a marcação, pressionava a saída de bola e não deixava a Suécia sair para o jogo. Em dois lances na frente, os escandinavos pediram pênalti, após a bola bater no braço de Darmian e Barzagli. Os italianos também pediram uma penalidade em Parolo. Nas três ocasiões, o árbitro mandou seguir.

A Azzurra atacava mais com Candreva pelo lado direito. O meia da Inter quase abriu o placar em chute que passou raspando. Jorginho, pelo meio, procurava Immobile. Aos 15 minutos, o atacante da Lazio recebeu e bateu na rede pelo lado de fora. 

A melhor chance do primeiro tempo foi com Immobile. Ele recebeu dentro da área e chutou. A bola bateu no goleiro Olsen e, antes que ela entrasse, Lustig apareceu para tirar o gol. No fim, Florenzi fez grande jogada pela esquerda e finalizou para boa defesa do arqueiro sueco.

Os italianos voltaram do intervalo com a mesma postura, tentando ao menos um gol para levar a partida para a prorrogação. Logo no primeiro minuto, pediu pênalti de Lustig em Darmian. Assim como na etapa inicial, o árbitro nada marcou. Aos oito, Florenzi quase tirou o zero do placar em voleio de Florenzi. 

Com o relógio contra, o técnico Giampiero Ventura colocou o time no ataque, lançando El Shaarawy e Belotti nas vagas de Darmian e Gabbiadini. Com mais homens na frente, as chances começaram a aparecer. Immobile escorou para fora cruzamento de Candreva. Florenzi mandou no travessão após cruzamento ser desviado pela zaga.

A Itália foi toda para o ataque. Chiellini virou ala esquerdo, Bonucci e Barzagli não saíam do campo ofensivo. A Suécia já ensaiava alguns contra-ataques, que não eram bem aproveitados pelos homens de frente. 

Apesar de ter muitos jogadores no ataque, a Itália abusava dos cruzamentos para a área, a maioria não levava perigo e a defesa cortava com certa facilidade. Os jogadores demonstravam nervosismo a cada lance desperdiçado na frente. A torcida estava apreensiva. Nos minutos finais, El Shaarawi obrigou Olsen a grande defesa. Buffon foi para área nos acréscimos, mas nada conseguiu de proveitoso.

No fim, classificação sueca, que se garante na Copa do Mundo. 

 

Fonte: Lance

Leia Também:  Jô recebe proposta de clube do Japão e deve deixar o Corinthians
COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Novo Cantu - Esporte

Missão abafa: Coritiba vai com objetivo de bloquear o Palmeiras em casa

Publicados

em

Por

Missão abafa: Coritiba vai com objetivo de bloquear o Palmeiras em casa

 

Marcar foi a termo mais repetido pelo técnico Marcelo Oliveira para falar sobre o confronto com o Palmeiras. O treinador reforçou a necessidade do Coritiba em se impor na partida no Pacaembu, mas não esquecer que enfrenta uma equipe rápida e cheia de técnica. A solução, segundo ele, é que todo o time esteja preocupado em evitar o avanço palmeirense sobre a defesa coxa-branca.

A consciência de que todo o time precisa marcar passou pela receita de Marcelo Oliveira para conseguir um bom resultado. A “técnica do abafa” deve ser a saída que o técnico quer.

– Equilíbrio, muita concentração e marcação. O time do Palmeiras é técnico, rápido e muito bem treinado. Precisamos marcar bem e usar a nossa força. A ideia é ter jogadores técnicos jogando com qualidade e participando da marcação. Se tivermos consciência da marcação coletiva, temos certeza que poderemos brigar pela vitória.

A preocupação com a marcação é tamanha, que Marcelo Oliveira colocou de lado a possibilidade de escalar os meias Anderson e Longuine juntos. Ele acredita que os dois jogadores não possuem características de marcação como necessita e aproveitou para dar um puxão de orelha neles.

– Os dois jogam por dentro e alguém tem que marcar a lateral, porque o Palmeiras joga bastante pelas laterais. Se esses jogadores tiverem a consciência de participar da marcação, aí até pode acontecer, mas não sei se para esse jogo, disse na entrevista coletiva da última sexta.

Os jogadores já parecem ter absorvido a orientação de Marcelo Oliveira. O lateral direito Dodô, que volta ao time nesta segunda-feira, lembra que o time precisa retomar a forma de jogar do início do Brasileiro. Segundo ele, a equipe abafava os adversários ainda no ataque.

– Tem que ter a mesma pegada que tinha início, independente do que vai sofrer atrás. Às vezes ficavam dois só atrás, mas na frente estava todo mundo marcando.

Marcelo Oliveira também quer afastar da cabeça dos jogadores que o Palmeiras vive um momento complicado. Apesar de estar na quarta colocação, o time é cobrado por sua torcida por não estar brigando pela liderança no principal campeonato que sobrou após a desclassificação na Libertadores e na Copa do Brasil.

– O Palmeiras tem um time muito forte, um treinador muito experiente e não tem facilidade. A torcida empurra muito o time deles. O Coritiba tem que pensar em si próprio, porque estamos perdendo jogos em desatenções importantes, como um cartão amarelo desnecessário, um pênalti desperdiçado…

A provável escalação do Coritiba deve ser: Wilson; Dodô, Walisson Maia, Cleber Reis (Márcio) e Carleto; Alan Santos, João Paulo, Matheus Galdezani e Longuine (Anderson); Rildo e Henrique Almeida.

 

Fonte: G1

Leia Também:  Sobrepeso e sedentarismo são fatores de risco para síndrome metabólica
COMENTE ABAIXO:
Continue lendo