Saúde

Hospital Universitário de Brasília tem consulta virtual para índigenas

Publicados

em


.

O Hospital Universitário de Brasília (HUB) criou um programa para atender as comunidades indígenas do Distrito Federal, incluindo os alunos da Universidade de Brasília (UnB). O serviço conta com consultas em saúde mental e diversas especialidades, orientações sobre covid-19, espaços para troca de conhecimento entre as comunidades e discussões virtuais em grupo, com equipe multiprofissional.

A teleconsulta é realizada por chamada de vídeo, de segunda a sexta-feira, de 14h às 18h. O indígena que precisar de qualquer orientação ou atendimento de saúde deve agendar pelo telefone (61) 2028-5422, que também funciona como WhatsApp. Segundo as informações do HUB, primeiro, ele passa por um acolhimento virtual com a equipe formada por estudantes, professores e profissionais de diversas áreas e, depois, é encaminhado para o cuidado que precisa.

A iniciativa é coordenada pelo Ambulatório de Saúde Indígena do hospital. Para a coordenadora do ambulatório, Graça Hoefel, o indígena pode passar por sofrimento e adoecimento psíquico durante a pandemia, pois não está habituado ao isolamento e deixou de realizar o ritual comunitário de passagem nos casos de morte pelo novo coronavírus.

Leia Também:  Doença ocorre mais em crianças, mas também atinge adultos. É preciso tratar

“A covid chegou nas comunidades indígenas, que estão muito fragilizadas, com pouco recurso e poucas informações. Esperamos conseguir dar apoio e atenção à saúde dessa população”, explicou, em comunicado.

Desde 2013, o hospital conta com o ambulatório para atendimento à população indígena. O serviço é formado por profissionais de saúde, professores e alunos UnB, a maioria indígena, o que, de acordo com o HUB, facilita o contato entre médico e paciente, já que reduz as dificuldades causadas pelas diferenças culturais.

Edição: Maria Claudia

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Rio de Janeiro registra 83 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas

Publicados

em

Por


.

O Rio de Janeiro contabilizou 83 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas, totalizando 14.295 óbitos causados pela doença desde o registro do primeiro caso no estado. Há ainda 1.061 mortes em investigação. 

De acordo com a Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro, até esta quarta-feira (12), há 185.610 casos confirmados do novo coronavírus no estado, sendo que 165.894 pacientes conseguiram se recuperar da doença.

Óbitos

Do total de  14.295 mortes por covid-19 no estado, as cidades com o maior número de óbitos são: Rio de Janeiro (8.710); São Gonçalo ( 605); Duque de Caxias (596); Nova Iguaçu (459); São João de Meriti (338); Niterói (314); Campos dos Goytacazes (244); Belford Roxo ( 227); Itaboraí (179); Magé (167); Volta Redonda (159); Petrópolis ( 149); Mesquita (144); Nilópolis (133); Angra dos Reis (127); Macaé (121); Itaguaí (98); Teresópolis (95) e  Cabo Frio (91).

Infectados

O município do Rio de Janeiro também lidera o número de infecções no estado, com 77.627 casos confirmados. Em seguida vêm Niterói ( 9.599);  São Gonçalo (9.514); Duque de Caxias ( 6.657); Macaé (6.282);  Nova Iguaçu (4.536); Volta Redonda ( 4.290); Angra dos Reis (4.142); Belford Roxo (3.617); Itaboraí (3.569); Campos dos Goytacazes (3.377); Teresópolis (3.037); Magé (2.651); São João de Meriti( 2.548); Maricá (2.457); Itaperuna  (2.098); Queimados (2.090); Itaguaí (1.956)  e Cabo Frio  (1.721).

Leia Também:  Covid-19: Brasil registra mais 1.274 mortes e 52.160 casos

Edição: Paula Laboissière

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo