Internacional

Hong Kong adia eleição por um ano após vetar candidatos opositores

Publicados

em


.

A líder de Hong Kong, Carrie Lam, adiou em um ano, nesta sexta-feira (31), uma eleição legislativa marcada para 6 de setembro por causa do aumento de casos do novo coronavírus, um golpe para a oposição pró-democracia, que esperava obter ganhos na votação.

A oposição visava a capitalizar a onda de ressentimentos com a nova Lei de Segurança Nacional, que a China impôs à cidade em 30 de junho, para obter maioria no Conselho Legislativo, onde metade dos assentos é eleita diretamente e a outra metade é preenchida principalmente por indicados da China.

O adiamento vem depois de 12 candidatos pró-democracia serem desqualificados e impedidos de concorrer na eleição, por razões como supostas intenções subversivas, repúdio à nova Lei de Segurança e uma campanha para obter maioria a fim de impedir a aprovação de leis.

Segundo Lam, que disse que a eleição ocorrerá em 5 de setembro do ano que vem, a decisão foi a mais difícil que tomou em sete meses e visa a salvaguardar a saúde das pessoas.

“Temos 3 milhões de eleitores saindo em um dia por toda Hong Kong, tal fluxo de pessoas provocaria alto risco de infecção”, argumentou.

Leia Também:  Facebook e Twitter intensificam ações contra desinformação em eleições

Apoiada por Pequim, Carrie Lam disse ainda que teve que invocar uma lei de emergência para fazer o adiamento e que a decisão não envolveu nenhuma consideração política. O Parlamento chinês decidirá como preencher o vácuo legislativo causado pelo adiamento.

A eleição seria a primeira votação oficial da ex-colônia britânica, desde que a China impôs a Lei de Segurança para combater o que define amplamente como secessão, subversão, terrorismo e conluio com forças estrangeiras, puníveis até com prisão perpétua.

Hong Kong voltou ao controle chinês em 1997 com garantia de autonomia, mas críticos dizem que a nova lei mina o alto grau de autonomia da cidade e a coloca em caminho mais autoritário.

Os governos chinês e de Hong Kong dizem que a legislação não minará as liberdades e que ela é necessária para preservar a ordem e a prosperidade, após os meses de protestos antigoverno, muitas vezes violentos, do ano passado.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbing, afirmou que o surto do novo coronavírus em Hong Kong é um fator na eleição local, que por sua vez é um assunto interno da China.

Leia Também:  Eleições EUA: Facebook e Twitter reforçam ações contra desinformação

A notícia do adiamento coincidiu com o fim do período de registro de candidaturas para a eleição.

Entre os 12 candidatos opositores desqualificados está Joshua Wong, que conquistou fama liderando protestos em Hong Kong em 2012 e 2014, quando ainda era um adolescente.

“Impedir-me de concorrer não deteria nossa causa pela democracia”, disse Wong, de 23 anos.

Pelo menos 68 países e territórios adiaram eleições nacionais ou regionais por causa do novo coronavírus desde fevereiro, informou o Instituto Internacional para a Democracia e a Assistência Eleitoral.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Internacional

Incêndio florestal na Califórnia força moradores a deixarem suas casas

Publicados

em

Por


.

Um incêndio florestal no estado norte-americano da Califórnia forçou centenas de moradores a deixarem suas casas conforme o fogo assolava as montanhas ao norte de Los Angeles, alimentado por uma vegetação densa de arbustos secos e madeira que queimaram pela última vez entre 50 e 100 anos atrás, afirmaram autoridades dos bombeiros nessa quinta-feira (13). 

As chamas atingiram 4,25 mil hectares desde que começaram na tarde de quarta-feira, nas proximidades do Lago Hughes, na Floresta Nacional de Los Angeles. Na tarde de ontem, a contenção ainda estava em zero por cento, apesar de uma leve chuva sobre a área de manhã, disse o porta-voz do Serviço Florestal dos Estados Unidos Andrew Mitchell. 

As temperaturas esperadas na região eram de mais de 37 graus Celsius durante o dia, afirmou Mitchell.

Mais de mil bombeiros foram alocados para combater o incêndio, batizado de Incêndio do Lago, e que pode ter sido provocado por atividade humana, embora a causa precisa ainda esteja em investigação, disse Mitchell.

Nenhuma vítima foi registrada até ontem, mas o incêndio provocou a retirada obrigatória de moradores de 500 casas nas comunidades de Lake Hughes e Leona Valley, cerca de 65 quilômetros ao norte do centro de Los Angeles, de acordo com o porta-voz. 

Leia Também:  Facebook e Twitter combatem desinformação nas eleições dos EUA

Segundo ele, a vegetação espessa e seca, que não queima há cerca de um século, estava abastecendo as chamas que avançavam rapidamente sobre cânions íngremes e encostas de morros. 

“Será um grande incêndio e que vai durar vários dias”, disse o diretor regional de Incêndios do Serviço Florestal, Robert Garcia, a jornalistas.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo