Estadual

Fórum Paranaense de Turismo Religioso será nesta quinta e sexta-feira

Publicados

em


.

Será realizado nesta quinta e sexta-feira (13 e 14), a terceira edição do Fórum Paranaense de Turismo Religioso 2020. Seguindo o atual formato dos demais eventos com participação da população, o Fórum, que atrai centenas de paranaenses, anualmente, será acontece de forma virtual.

Segmento é um dos mais fortes do turismo do Paraná. O encontro virtual terá a participação do vice-governador Darci Piana, do secretário do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes; do presidente da Paraná Turismo, Jacob Mehl; de representantes de destinos turísticos, de empresas e da população em geral. Nos dois dias, as atividades serão das 9 às 11 horas, a partir de lives (vídeos ao vivo).

O evento será realizado por meio de uma plataforma online e será transmitido pelo Youtube através dos links:

Quinta-feira -https://www.youtube.com/watch?v=cT2_bENPM8s

Sexta-feira  – https://www.youtube.com/watch?v=i9y_pAbArvs

PROPOSTAS – O Fórum Paranaense de Turismo Religioso tem como proposta contribuir para a qualificação do setor religioso no Estado, aumentar o fluxo de visitantes e melhorar a economia regional. Neste ano, Paranaguá sediaria o evento. Devido à pandemia, os organizadores optaram pelo não cancelamento e a adaptação da programação com as ferramentas disponíveis na internet.

Além de evento técnico da área do turismo, o Fórum é uma oportunidade de reflexão sobre o momento atual, já que o turismo religioso, assim como as demais modalidades, está praticamente parado, fazendo com que romeiros e excursionistas em geral deixem de visitar atrativos ligados à religiosidade. O cenário imposto pela pandemia faz com a espiritualidade tenha que ser praticada de formas diferentes.

SUPORTE – O secretário de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes, participa da abertura do evento, que se tornou uma importante ferramenta para preparar os organismos do setor, dar suporte referente a espiritualidade e auxiliar as comunidades de uma forma geral.   “O turismo religioso é um segmento muito importante para fortalecer a fé das pessoas e como fonte de renda para os municípios que abrigam esses atrativos”, diz o secretário. “Essas localidades estão entre os destinos mais escolhidos por turistas que buscam experiências ligadas a fé e esperança. Além disso, o turismo religioso colabora no desenvolvimento socioeconômico sustentável do Paraná com toda a sua riqueza cultural”.

Para Jacob Mehl, presidente da Paraná Turismo, o Fórum é uma importante oportunidade de incrementar, incentivar e organizar o turismo religioso no Estado. “São representantes de cinco estados brasileiros, aproximadamente 150 estudiosos e milhares de devotos acompanhando. A religiosidade faz parte da vida de quase todas as pessoas e posso afirmar que temos o maior interesse no sucesso desse evento, por que ele é a síntese do segmento do turismo que mais cresce no mundo”, resumiu.

EVENTO – Ao realizar o Fórum de forma virtual, os organizadores apostam em um número maior de participantes que o registrado nas edições anteriores. Segundo o gerente de turismo do Serviço Social do Comércio (Sesc-Paraná) e representante da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomercio-PR), Giovanni Bagatini, a ideia foi não deixar a data passar em branco.

Leia Também:  Ação integrada na divisa do PR com SP prendeu quase mil pessoas

“Com o evento online, conseguimos atingir um número maior de participantes do mundo todo que têm interesse em conhecer o turismo religioso do Paraná”, disse. “Nós, seres humanos, precisamos de um propósito para seguirmos em frente e a fé traz esse suporte. É muito comum usar as religiões para a busca pela paz, a compaixão e a cooperação, que são muito importantes nesse momento difícil”, acrescenta.

Para o coordenador do Grupo de Trabalho (GT) do Turismo Religioso, que coordena o evento, Eliseu Rocha, a reflexão que pode ser feita entre a religiosidade e o momento atual é que há uma desconstrução em andamento do ser humano.  “O que aconteceu com todos nós nesse momento de pandemia é que fomos ‘desinstalados’, ou seja, aquilo que estávamos habituados a fazer no automático foi desconstruído”.

Nesse ponto é que entra a relação com o turismo religioso, segundo Rocha. “Olhando para dentro da gente, é isso que a religiosidade e a fé vão trazer. Eu acredito que o turismo religioso vai propiciar um ganho de saúde mental para as pessoas nas atuais circunstâncias em que vivemos. É primordial trabalharmos esse equilíbrio, porque muitos não terão condições de encontrar essa luz sozinhos”.

Box1
Segmento representa 24,6% do volume de visitantes

No Paraná, o turismo religioso vem crescendo, principalmente, pela grande religiosidade do paranaense, identificada a partir que quatro matrizes de tradições religiosas: oriental, indígena, africana e ocidental. A ecleticidade cultural faz com que o segmento seja bastante representativo no Estado. Segundo dados da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Ministério do Turismo e Sebrae, está à frente de todos os demais segmentos, com 24,6%.

Além disso, é o terceiro em número de atrativos distribuídos em quase todo o território paranaense. As rotas abrangem diversos municípios e regiões turísticas, entre elas a Rota do Rosário, na Região Turística Norte Pioneiro, e a Rota da Fé, na Região Turística Ecoaventuras, Histórias e Sabores. Esses fatores fazem com que o turismo religioso, aliado ao turismo cultural, seja o segundo segmento com mais roteiros no Estado (28%), atrás apenas do Ecoturismo e Turismo de Aventura.

O turismo religioso faz a diferença no município de Lunardelli, na região do Vale do Ivaí, com o Santuário de Santa Rita de Cássia, que a cada ano recebe mais visitantes, beneficiando diretamente a população local. Ao redor do santuário são montadas feirinhas onde são vendidos produtos locais, como mel, frutas, verduras e pães, que geram renda e movimentam a economia, transformando a realidade das famílias que fazem as vendas.

No Brasil, de acordo com dados do Ministério do Turismo, a religião move, aproximadamente, 17 milhões de turistas brasileiros pelo País, anualmente. Em momentos de exceção, quando não são permitidos deslocamentos, a fé se torna uma prática individualizada e mais intensa. Esse segmento abrange todas as religiões, além de permitir ao visitante aprender sobre história, cultura e costumes locais.

Economicamente, o Brasil é o quinto país no mundo que mais se beneficia com os impactos do turismo no Produto Interno Bruto (PIB) e o turismo religioso é parte inerente desse processo.  Isso ocorre porque o turista não faz apenas o papel de visitante no destino. Mais do que isso, ele é um consumidor, pois se alimenta, hospeda e desloca usando o transporte público, movimentando diversos setores da economia em uma única visita.

Leia Também:  Boletim agropecuário destaca término da colheita do café

Box 2
Histórico e organização do Fórum

A primeira edição do Fórum foi realizada em outubro de 2018, em Curitiba. O evento reuniu palestrantes de cinco estados – Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Pará e São Paulo, com inscrições de oriundas de 57 municípios paranaenses e participação de 150 estudiosos do tema.

Em 2019, a segunda edição foi realizada em Maringá, com 185 participantes de 42 municípios paranaenses e palestrantes de quatro estados (Santa Catarina, Espírito Santo, Minas Gerais e Goiás).

O GT do Turismo Religioso é formado por representantes da Associação Inter Religiosa de Educação (Assintec), que representa as matrizes religiosas indígena, ocidental, africana e oriental; da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) – Regional Sul 2 e Pastoral do Turismo, que representam a Igreja Católica; de empreendedores e gestores estaduais do turismo religioso (público e privado); das organizações de apoio ao turismo religioso no Paraná: Sistema Fecomércio do Paraná e Paraná Turismo.

É coordenado por Eliseu Rocha e dividido em três câmaras: Planejamento, coordenada por Alessandra de Paula Xavier; Produtos, coordenada por Pedro Kempe; e Capacitação, coordenada por Waldirene Meneguetti. Os painéis serão mediados pela diretora técnica da Paraná Turismo, Isabella Tioqueta.

Programação:
Quinta – feira

09h00 – Boas vindas (Isabella Tioqueta, Jacob Mehl – Paraná Turismo; Eliseu Rocha – GT Turismo)

09h15 – Retomada da Economia Paranaense pós Covid-19 (Darci Piana – vice-governador)

09h35 – Novos Horizontes para o Turismo no Paraná e Nota Paraná (Márcio Nunes – Secretário do Desenvolvimento  Sustentável e do Turismo – a confirmar)

09h55 – Santuário Nossa Senhora do Rocio – Paranaguá (Adan Carlos – Adm/ Padre Dirso)

10h10 – Turismo Religioso na Terra dos Pinheirais – Prudentópolis – (Estela Rosa, Presidente da IGR Terra dos Pinheirais)

10h25 – Turismo Religioso na Rota do Rosário (Wellington Bergamaschi – Presidente da Atunorpi)

10h40 – Agradecimento e encerramento

Sexta-feira
9h00 – Turismo Religioso no Paraná e a retomada (Isabella Tioqueta)

09h15 – Turismo Regional ou Viagens de Vizinhança (Manoel Jacó Gimmenes – Diretor Consultor do Instituto Prosperare)

09h30 – Roteiros e Atrativos Religiosos do Paraná – Oportunidades na Retomad

Domus Operadora – Pedro Kempe – Conselheiro da ABAV-PR

Sesc/PR – Giovanni Bagatini- Gerente Turismo Social

Pinheiro Receptivo – Cleverson Pinhei

Serra Verde Express – Luciane – Gerente

10h30 – Agradecimento e encerramento.

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governoparana e www.pr.gov.br

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Estadual

Ação integrada na divisa do PR com SP prendeu quase mil pessoas

Publicados

em

Por


.

A Megaoperação Divisas Integradas, realizada nesta semana e encerrada nesta quinta-feira (17), resultou na prisão de 986 pessoas e na vistoria de 41,6 mil veículos em toda a área de divisa entre Paraná e São Paulo. Durante os três dias da megaoperação, desencadeada para atuar no combate a organizações criminosas, tráfico de drogas, armas, contrabando, descaminho e outras atividades ilegais, foram recolhidos 884 quilos de drogas em todos os municípios do Paraná e de São Paulo, que compreendem a área de atuação da ação. Dinheiro, armas e veículos também foram apreendidos.

Durante as ações, as forças policiais abordaram 71.544 pessoas, das quais 986 foram presas, e apreenderam 52 adolescentes. Também foram vistoriados 41,6 mil veículos e recuperados 143. A megaoperação resultou, ainda, na apreensão de 62 armas de fogo e 996 munições, além de retirar de circulação R$ 138,5 mil em dinheiro e R$ 644 mil em cheques.

“Essa ação foi um sucesso. Conseguimos reforçar a área de divisa e montamos uma faixa de segurança, que resultou em diversas apreensões, prisões e fiscalizações. Tudo isso foi possível devido a integração entre os órgãos e o planejamento inicial, que foi essencial para este resultado positivo”, afirmou o secretário da Segurança Pública do Paraná, Romulo Marinho Soares.

O secretário da Segurança Pública de São Paulo, João Campos, também salientou que a parceria entre os órgãos é o maior ganho da ação. “O balanço estratégico já acontece, que é a integração entre as polícias dos estados e a polícia federal. O exército brasileiro também está trabalhando conosco nessa operação, na fiscalização de produtos controlados, isto é, juntos somos mais fortes”, declarou.  

Leia Também:  Ação integrada na divisa do PR com SP prendeu quase mil pessoas presas

FORÇAS – Mais de 7.800 policiais de diversas forças de segurança estaduais e nacional participaram da atividade. Dentre eles polícias Militar, Civil e Científica, Corpo de Bombeiros, tanto do Paraná quanto de São Paulo, além de Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Exército Brasileiro, Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). 

Além dos policiais e agentes de segurança pública, foram utilizadas 2.100  viaturas, 21 aeronaves, seis drones, 18 cães e 11 embarcações. Ações preventivas e ostensivas foram feitas nos pontos de bloqueio de divisas dos dois estados.

Foram 20 pontos de bloqueio na área de divisa entre os estados do Paraná e São Paulo. Dez ficaram sob responsabilidade da Polícia Militar de São Paulo, sete da Polícia Militar do Paraná e outros três da Polícia Rodoviária Federal. 

As atividades, no Estado de São Paulo, foram realizadas a partir do eixo das rodovias Raposo Tavares (SP-270), Régis Bittencourt (BR-116) e Transbrasiliana (SP-153), e avançaram para as demais regiões a partir dos limites territoriais entre os dois estados.

Já no Paraná, aconteceram também da BR 116, em Campina Grande do Sul, até a cidade de Diamante do Norte, na PR 182.

Os locais de produtos controlados como explosivos e armamentos, foram fiscalizados por policiais civis do Paraná, policiais federais, Exército Brasileiro e Grupo de Bombas e Explosivos.

NO PARANÁ – Toda a ação contou, ainda, com o acompanhamento do Centro Integrado de Comando e Controle Regional (CICCR), que tem estrutura adequada com câmeras e apoio, representantes das instituições e dos órgãos de inteligência. Foram 88 câmeras que transmitiram imagens das ações para o Centro na capital.

A Operação Divisas Integradas contou também com o auxílio do Centro Integrado de Inteligência de Segurança Pública da Região Sul (CIISP-Sul), que atuou em conjunto com o Departamento de Inteligência do Paraná (Diep) e demais agências do estado no acompanhamento e assessoramento das ações.

Leia Também:  Governo prepara projeto para extinguir parque gráfico do Estado

PARANÁ – Somente no Paraná, as polícias Civil e Militar vistoriaram 405 locais durante os três dias de operação, resultando na autuação de quatro estabelecimentos e na fiscalização eletrônica de 355 veículos. Foram cumpridos ainda 180 mandados judiciais, sendo 110 de busca e apreensão e 70 de prisão.

Também foram recolhidos no Paraná materiais para pesca ilegal, aves e animais silvestres, entre outros itens. Em ações estratégicas, os policiais paranaenses recuperaram dois tratores que tinham sido roubados em São Paulo e também apreenderam 150 metros de espinhéis, duas tarrafas e 50 metros de rede, além de 50 anzóis. Uma das ações também resultou na apreensão de fios de cobre.

O coordenador estadual da operação pelo Paraná e chefe do Centro de Inteligência Estratégica da Secretaria da Segurança Pública, coronel Luiz Augusto de Oliveira Santiago, ressaltou o sucesso da operação. “Foi um marco nesse tipo de operações combinadas entre secretarias de segurança pública que servirá de base para futuras ações, particularmente aqui no Paraná, em relação aos estados vizinhos, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina. Os resultados são a comprovação de que o nosso trabalho, diuturnamente, é um trabalho sério, comprometido com a segurança da sociedade, e esses dados que foram obtidos são tão somente o fruto desse bom trabalho realizado”, disse.

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governoparana e www.pr.gov.br

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo