Estadual

Fórum debate logística para a região Noroeste

Publicados

em

Os investimentos do Governo do Estado na área de infraestrutura e logística foram tema de um fórum nesta sexta-feira (14), promovido pelo Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá (Codem). O evento reuniu empresários do setor produtivo da região e apresentou as vantagem de exportar pelos Portos do Paraná.

O secretário estadual de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, apresentou os projetos e ações que são realizados em diferentes modais para desenvolver ainda mais o agronegócio e a indústria paranaense. “A intenção é demonstrar as atuações da secretaria, seja no porto, nas rodovias, ferrovias e aeroportos. As obras em andamento e as obras que estão prospectadas através do Banco de Projetos, principalmente para a região Noroeste”, disse.

PORTOS – Maringá é a cidade que mais exportou granéis pelos portos paranaenses em 2019. Foram mais de 3,2 milhões de toneladas de produtos, saídos da cidade. Destaque para o milho (1,4 milhão de toneladas) e a soja (1 milhão de toneladas).

A região Noroeste também tem potencial para um novo tipo de movimentação: o DDGS, sigla em inglês para o farelo de milho que é resultado da moagem do produto na produção de etanol. Em dezembro do ano passado, o Porto de Paranaguá fez o primeiro embarque do produto.

Leia Também:  Paraná vai antecipar campanha contra pólio e multivacinação

O diretor de Operações da Portos do Paraná, Luiz Teixeira, explica que a única fábrica de DDGS no Estado fica em Jandaia do Sul. “É uma nova possibilidade. A região já tem muita força na produção e exportação de açúcar, farelo, milho e soja”, disse.

Para Teixeira, esse tipo de evento é essencial para que os produtores conheçam o porto e as vantagens de exportar por Paranaguá e Antonina. “Nossos portos são as opções mais vantajosas para exportação e também para a importação de insumos. O Paraná está cada vez mais integrado e entender a logística é fundamental para o setor produtivo”, acrescentou.

RODOVIAS – No ano passado, 14.918 caminhões cruzaram as rodovias entre Maringá e Paranaguá. O diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem, Fernando Furiatti, falou sobre as obras que devem melhorar a malha viária. Ele detalhou as obras em estradas já finalizadas no Paraná, as que estão em andamento e como será o Banco de Projetos, em criação pelo Governo do Estado. “Vamos entregar a futuros governantes, para um período de 10 anos, projetos executivos prontos, para que possam executar obras sem o empecilho que temos hoje. Com isso entregamos para a população uma possibilidade de receber investimentos futuros com o menor tempo possível”.

Leia Também:  Live debate influência do La Niña na agricultura do Paraná

Furiatti elogiou a integração entre governo do Estado, Senado e Governo Federal. “Temos um diálogo excelente com a equipe do Ministério da Infraestrutura e isso facilita o caminho para captar investimentos e realizar as obras necessárias”, salientou.

FERROVIA – O modal ferroviário foi responsável pela maior parte do transporte de cargas com origem em Maringá. O Porto de Paranaguá recebeu 45.167 vagões que saíram da cidade.

“A interação entre os diferentes modais melhora os custos logísticos e evita gargalos. Por isso, estamos promovendo uma reestruturação da empresa pública que administra as ferrovias estaduais.”, explicou o presidente da Ferroeste, André Luis Gonçalves.

EXPECTATIVA – José Roberto Matos, presidente do Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá, conta que os empresários da região estão se preparando para o futuro. “Queremos criar um caminho, junto com o setor público, para crescer. Nossos planos são para os próximos anos”.

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governoparana e www.pr.gov.br

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Estadual

Ação integrada na divisa do PR com SP prendeu quase mil pessoas

Publicados

em

Por


.

A Megaoperação Divisas Integradas, realizada nesta semana e encerrada nesta quinta-feira (17), resultou na prisão de 986 pessoas e na vistoria de 41,6 mil veículos em toda a área de divisa entre Paraná e São Paulo. Durante os três dias da megaoperação, desencadeada para atuar no combate a organizações criminosas, tráfico de drogas, armas, contrabando, descaminho e outras atividades ilegais, foram recolhidos 884 quilos de drogas em todos os municípios do Paraná e de São Paulo, que compreendem a área de atuação da ação. Dinheiro, armas e veículos também foram apreendidos.

Durante as ações, as forças policiais abordaram 71.544 pessoas, das quais 986 foram presas, e apreenderam 52 adolescentes. Também foram vistoriados 41,6 mil veículos e recuperados 143. A megaoperação resultou, ainda, na apreensão de 62 armas de fogo e 996 munições, além de retirar de circulação R$ 138,5 mil em dinheiro e R$ 644 mil em cheques.

“Essa ação foi um sucesso. Conseguimos reforçar a área de divisa e montamos uma faixa de segurança, que resultou em diversas apreensões, prisões e fiscalizações. Tudo isso foi possível devido a integração entre os órgãos e o planejamento inicial, que foi essencial para este resultado positivo”, afirmou o secretário da Segurança Pública do Paraná, Romulo Marinho Soares.

O secretário da Segurança Pública de São Paulo, João Campos, também salientou que a parceria entre os órgãos é o maior ganho da ação. “O balanço estratégico já acontece, que é a integração entre as polícias dos estados e a polícia federal. O exército brasileiro também está trabalhando conosco nessa operação, na fiscalização de produtos controlados, isto é, juntos somos mais fortes”, declarou.  

Leia Também:  Ação integrada na divisa do PR com SP prendeu quase mil pessoas presas

FORÇAS – Mais de 7.800 policiais de diversas forças de segurança estaduais e nacional participaram da atividade. Dentre eles polícias Militar, Civil e Científica, Corpo de Bombeiros, tanto do Paraná quanto de São Paulo, além de Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Exército Brasileiro, Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). 

Além dos policiais e agentes de segurança pública, foram utilizadas 2.100  viaturas, 21 aeronaves, seis drones, 18 cães e 11 embarcações. Ações preventivas e ostensivas foram feitas nos pontos de bloqueio de divisas dos dois estados.

Foram 20 pontos de bloqueio na área de divisa entre os estados do Paraná e São Paulo. Dez ficaram sob responsabilidade da Polícia Militar de São Paulo, sete da Polícia Militar do Paraná e outros três da Polícia Rodoviária Federal. 

As atividades, no Estado de São Paulo, foram realizadas a partir do eixo das rodovias Raposo Tavares (SP-270), Régis Bittencourt (BR-116) e Transbrasiliana (SP-153), e avançaram para as demais regiões a partir dos limites territoriais entre os dois estados.

Já no Paraná, aconteceram também da BR 116, em Campina Grande do Sul, até a cidade de Diamante do Norte, na PR 182.

Os locais de produtos controlados como explosivos e armamentos, foram fiscalizados por policiais civis do Paraná, policiais federais, Exército Brasileiro e Grupo de Bombas e Explosivos.

NO PARANÁ – Toda a ação contou, ainda, com o acompanhamento do Centro Integrado de Comando e Controle Regional (CICCR), que tem estrutura adequada com câmeras e apoio, representantes das instituições e dos órgãos de inteligência. Foram 88 câmeras que transmitiram imagens das ações para o Centro na capital.

A Operação Divisas Integradas contou também com o auxílio do Centro Integrado de Inteligência de Segurança Pública da Região Sul (CIISP-Sul), que atuou em conjunto com o Departamento de Inteligência do Paraná (Diep) e demais agências do estado no acompanhamento e assessoramento das ações.

Leia Também:  Live debate influência do La Niña na agricultura do Paraná

PARANÁ – Somente no Paraná, as polícias Civil e Militar vistoriaram 405 locais durante os três dias de operação, resultando na autuação de quatro estabelecimentos e na fiscalização eletrônica de 355 veículos. Foram cumpridos ainda 180 mandados judiciais, sendo 110 de busca e apreensão e 70 de prisão.

Também foram recolhidos no Paraná materiais para pesca ilegal, aves e animais silvestres, entre outros itens. Em ações estratégicas, os policiais paranaenses recuperaram dois tratores que tinham sido roubados em São Paulo e também apreenderam 150 metros de espinhéis, duas tarrafas e 50 metros de rede, além de 50 anzóis. Uma das ações também resultou na apreensão de fios de cobre.

O coordenador estadual da operação pelo Paraná e chefe do Centro de Inteligência Estratégica da Secretaria da Segurança Pública, coronel Luiz Augusto de Oliveira Santiago, ressaltou o sucesso da operação. “Foi um marco nesse tipo de operações combinadas entre secretarias de segurança pública que servirá de base para futuras ações, particularmente aqui no Paraná, em relação aos estados vizinhos, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina. Os resultados são a comprovação de que o nosso trabalho, diuturnamente, é um trabalho sério, comprometido com a segurança da sociedade, e esses dados que foram obtidos são tão somente o fruto desse bom trabalho realizado”, disse.

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governoparana e www.pr.gov.br

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo