Saúde

Fiocruz lança projeto de combate à covid-19 em comunidades do Rio

Publicados

em


.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) lançou hoje (19) o Conexão saúde: de olho na covid, projeto que vai contribuir para o enfrentamento da pandemia de covid-19 no Complexo da Maré e em Manguinhos, comunidades na zona norte da cidade do Rio de Janeiro.

A iniciativa conta com o apoio da gestão municipal, por meio das unidades de saúde, e inclui desde a orientação e o apoio à população local, até a telemedicina, a testagem molecular, o rastreamento de quem teve contato com alguém infectado pelo novo coronavírus e a produção de mapas de risco dentro das comunidades.

Além do processamento das amostras dos testes RT-PCR, a Fiocruz atuará na coordenação do projeto e será responsável pela capacitação dos profissionais envolvidos, logística das etapas, doação de insumos para coleta e transporte das amostras para seus laboratórios.

O projeto é uma parceria da Fiocruz com as associações Redes da Maré e Conselho Comunitário de Manguinhos, o aplicativo Dados do Bem, o SAS Brasil e o União Rio, movimento da sociedade civil que uniu pessoas e organizações para tentar reduzir os impactos da covid-19 no Rio de Janeiro.

Segundo o coordenador do projeto pela Fiocruz, Valcler Rangel, a ideia é ampliar o acesso dos moradores das duas favelas aos serviços de saúde durante o período de pandemia, oferecendo uma cadeia completa de atendimento, desde a possibilidade de um diagnóstico precoce da doença e acompanhamento clínico até a realização de testes de diagnóstico do novo coronavírus e o rastreamento de contactantes.

Leia Também:  Dia do doador de medula: transplante une famílias no Recife

“Queremos promover o isolamento seguro, monitorar via telemedicina de maneira articulada com as equipes de saúde da família e internar o paciente quando for necessário”, disse Rangel. “Os dados mostram uma periferização da doença ao longo do tempo. As maiores taxas de mortalidade estão concentradas nas favelas. A população negra tem o maior percentual de óbitos”.

De acordo com Rangel, uma segunda etapa do projeto prevê que ele possa ser replicado em outras favelas e periferias como um modelo de intervenção para emergências em saúde pública já testado em nível local.

Durante o lançamento virtual do projeto, a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, destacou a importância da parceria das instituições públicas com a iniciativa privada de forma articulada com as lideranças comunitárias. “A articulação da sociedade civil voltada para soluções não pode prescindir de uma construção coletiva”.

O médico Drauzio Varella ressaltou ser fundamental o trabalho prévio da Fiocruz com as duas comunidades de cerca de 180 mil pessoas para que a iniciativa possa trazer bons resultados e ser replicada em outras localidades do país.

Leia Também:  Governo brasileiro confirma intenção de aderir à Covax

Para a pneumologista e pesquisadora da Fiocruz Margareth Dalcolmo, o projeto traz o reconhecimento do papel primordial das lideranças comunitárias para o acesso às comunidades. “São as legítimas representantes das pessoas e dos problemas que são mais prevalentes nessas comunidades”.

A representante do Conselho Comunitário de Manguinhos, Patricia Evangelista, lembrou que a emergência sanitária evidenciou as desigualdades vividas nas favelas como a falta de saneamento básico, de água, e de habitações adequadas. “A população mais vulnerável só tem acesso ao sistema público de saúde que já estava precário antes da pandemia, o que dificulta e coloca mais em risco a vida das pessoas”.

O Conexão saúde: de olho na covid recebeu cerca de R$ 1,6 milhão do Todos pela Saúde, iniciativa liderada pelo Itaú Unibanco que tem financiado uma série de ações para o enfrentamento da pandemia.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Saúde atualiza números da pandemia: Brasil tem 363 novos óbitos

Publicados

em

Por


.

Segundo a última atualização do Ministério da Saúde, mais 363 pessoas morreram por causa da covid-19 no Brasil neste domingo (20). Com isso, o total de óbitos chega a 136.895 desde 27 de março. 

A taxa de letalidade (número de mortes pelo total de casos) ficou em 3%. A mortalidade (quantidade de óbitos por 100 mil habitantes) atingiu 65,1. A incidência dos casos de covid-19 por 100 mil habitantes é de 2.162,6. As informações são do Ministério da Saúde e estão disponíveis na internet.

De acordo com a atualização de dados feita às 18h, 16.389 pessoas tiveram confirmadas novas contaminações hoje. O balanço totaliza 4.544.629 casos de contaminação pelo novo coronavírus Segundo o ministério, 3.851.227 de pessoas recuperaram a saúde depois da infecção – cerca de 85% dos casos.

A Região Sudeste registra um total de 1,581 milhão de casos de infecção pela covid-19, seguida pela Região Nordeste com 1,272 milhão de casos. No Norte do país, somam 600,8 mil casos. No Sul, 545,2 mil. E no Centro-Oeste, mais de 544 mil casos.

Leia Também:  Doria anuncia que São Paulo receberá 5 milhões de doses de CoronaVac

O Estado de São Paulo, o mais populoso é o com maior número de contaminações. Desde o início da pandemia no Brasil, a região registra 935.300. Nesse período, 33.952 mortes ocorreram no estado por causa da covid-19.

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo