Internacional

Estados Unidos temem alta adicional de casos de covid-19 nos feriados

Publicados

em


Autoridades sanitárias dos Estados Unidos se preparam para outro crescimento de infecções, internações e mortes por covid-19, após a disseminação do novo coronavírus ter acelerado na semana anterior ao feriado do Dia de Ação de Graça (26 de novembro).

A média móvel em sete dias de novos casos da doença chegou a mais de 165 mil na quinta-feira (19), com a média de mortes subindo para 1.359, mais do que qualquer outro dia desde o fim de maio, segundo contagem da agência de notícias Reuters.

Com as internações subindo em muitas partes do país, sobrecarregando uma equipe médica que já está exausta, as autoridades em mais de 20 estados impuseram restrições para tentar conter a disseminação do vírus.

A coordenadora da força-tarefa contra o coronavírus da Casa Branca, Deborah Birx, afirmou que o vírus está se espalhando a uma taxa elevada em mais de metade do país e que os encontros do Dia de Ação de Graças devem se limitar aos familiares imediatos.

Leia Também:  Covid-19: Pfizer e BioNTech pedem uso emergencial de vacina na Europa

Viagens devem ser evitadas

“Eu não gosto de falar um número… se você disser que podem ser dez pessoas, e são oito de quatro famílias diferentes, então provavelmente não é o mesmo nível de segurança do que dez pessoas de uma mesma casa”, afirmou Birx.

As autoridades americanas têm insistido que as pessoas devem evitar viagens desnecessárias e ter cautela com a aproximação dos feriados de Ação de Graças e Natal. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos emitiram uma “forte recomendação” para que os americanos evitem viajar nas férias.

 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Internacional

Sonda chinesa está a caminho da Terra depois de concluir missão na Lua

Publicados

em

Por


A sonda espacial chinesa Chang’e 5 deixou nessa quinta-feira (3) a superfície da Lua e já está retornando à Terra, de acordo com imagens transmitidas pela televisão estatal CCTV.

O módulo espacial, que chegou à Lua na terça-feira (1º), deixou o solo lunar às 23h10 de Pequim (15h10 em Lisboa), sendo esta a primeira tentativa de coleta de amostras da superfície lunar em mais de 40 anos, informou o canal.

Se o regresso à Terra correr bem, a China será o terceiro país a recolher amostras lunares, depois dos Estados Unidos e da antiga União Soviética.

As amostras foram recolhidas na superfície da Lua, com a utilização de um braço robótico, e no subsolo, com uma broca que perfurou dois metros, para obter amostras variadas que podem datar de períodos muito diferentes.

A sonda deve pousar na região da Mongólia Interior, no Norte da China, no fim deste mês.

Na terça-feira, a Chang`e 5 pousou com sucesso na área ao norte de Mons Rümker, no Oceanus Procellarum, uma área não visitada até agora por astronautas ou missões espaciais. 

Leia Também:  Covid-19: Reino Unido começa a vacinar população na próxima semana

Trata-se do mais recente empreendimento do programa espacial chinês, que enviou o primeiro astronauta ao espaço em 2003 e que tem uma nave a caminho de Marte. O programa visa, eventualmente, a colocar um homem na Lua.

Caso tenha sucesso, será a primeira vez que cientistas obtêm novas amostras de rochas lunares desde que uma sonda soviética pousou na Lua, na década de 70.

A Chang`e 5 foi lançada em 24 de novembro, pelo foguete Longa Marcha-5, que já lançou, em 23 de julho, a primeira missão da China a Marte, a Tianwen-1. A chegada ao planeta vermelho está prevista para maio.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo