Estadual

Estado repassa R$ 1,5 milhão a municípios para combate à dengue

Publicados

em


.

Mesmo com o foco voltado para o combate ao coronavírus, o Governo do Paraná não se descuida da epidemia de dengue que assola o Estado há quase um ano. A Secretaria de Estado da Saúde confirmou o repasse de R$ 1,5 milhão para 62 municípios que estão com taxa de incidência da doença igual ou superior a 100 casos por 100 mil habitantes. Ou seja, cidades em situação de alerta ou em epidemia.

O aporte financeiro consta na resolução 768/2020, publicada no Diário Oficial do Estado na quarta-feira (03). “Costumo dizer que esse é o governo dos grandes desafios: dengue, coronavírus com impacto direto na economia e agora a crise hídrica. Temos nos dedicado ao enfrentamento à Covid-19, mas jamais podemos esquecer da dengue e de sempre lembrar as formas de prevenir a doença”, afirmou o governador Carlos Massa Ratinho Junior.

Secretário de Estado da Saúde, Beto Preto explicou que o aporte deverá ser usado em atividades exclusivas à assistência do paciente com dengue. Ou, ainda, em benefício dos agentes de endemias ou comunitários de saúde que realizem atividades relacionadas ao agravo da doença, como compra de equipamentos de proteção individual (EPI), transporte, hospedagem e alimentação, entre outras ações.

“Nossa tendência é de queda no número de casos, mas não baixamos a guarda ainda, temos que avançar no que se refere à prevenção da dengue já pensando no próximo ano”, ressaltou o secretário. “Embora o número de registros positivos para a dengue seja alto, olhamos agora para os novos notificados e quantidade de situações em investigações para parâmetro do cenário”, acrescentou.

Leia Também:  Pesca está liberada nas bacias do Paraná

CASOS – De acordo com o mais recente informe da dengue divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde na terça-feira (02), o Paraná tinha confirmado 199 mil casos da doença até 30 de maio. O número é referente ao período epidemiológico iniciado em 28 de julho de 2019.

A dengue alcançou 343 municípios do Paraná, sendo que 237 estão em situação de epidemia. Cerca de 60 mil casos ainda estão em investigação.

MUNICÍPIOS – Confira os municípios que serão beneficiados com recursos para o combate à dengue: Paranaguá, Foz do Jordão, Palmital, São João, Ampére, Barracão, Cruzeiro do Iguaçu, Marmeleiro, Nova Prata do Iguaçu, Pérola D’Oeste, Planalto, Pranchita, Santo Antônio Sudoeste, São Jorge D’Oeste, Matelândia, Ramilândia, Boa Vista da Aparecida, Catanduvas, Céu Azul, Espigão Alto do Iguaçu, Guaraniaçu, Ibema, Santa Lúcia, Vera Cruz do Oeste, Altamira do Paraná, Campina da Lagoa, Farol, Francisco Alves, Iporã, Mariluz, Tapira, Apucarana, Arapongas, Bom Sucesso, Borrazópolis, Califórnia, Jandaia do Sul, Kaloré, Marilândia do Sul, Mauá da Serra, Novo Itacolomi, Assaí, Jaguapitã, Sertanópolis, Tamarana, Congoinhas, Ribeirão do Pinhal, Santo Antônio do Paraíso, Cambará, Conselheiro Mairinck, Ibaiti, Jundiaí do Sul, Pinhalão, Ribeirão Claro, Salto do Itararé, Tomazina, Entre Rios do Oeste, Ortigueira, Ariranha do Ivaí, Cândido de Abreu, Cruzmaltina e Rosário do Ivaí.

Leia Também:  Copel religa maior parte das unidades consumidoras atingidas por temporal

BOX

Você pode ajudar a evitar proliferação do mosquito da dengue

As principais medidas de prevenção e combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença são:

Manter bem tampado tonéis, caixas e barris de água;

Lavar semanalmente com água e sabão tanques utilizados para armazenar água;

Manter caixas d’água bem fechadas;

Remover galhos e folhas de calhas;

Não deixar água acumulada sobre a laje;

Encher pratinhos de vasos com areia ate a borda ou lavá-los uma vez por semana;

Trocar água dos vasos e plantas aquáticas uma vez por semana;

Colocar lixos em sacos plásticos em lixeiras fechadas;

Fechar bem os sacos de lixo e não deixar ao alcance de animais;

Manter garrafas de vidro e latinhas de boca para baixo;

Acondicionar pneus em locais cobertos;

Fazer sempre manutenção de piscinas;

Tampar ralos;

Colocar areia nos cacos de vidro de muros ou cimento;

Não deixar água acumulada em folhas secas e tampinhas de garrafas;

Vasos sanitários externos devem ser tampados e verificados semanalmente;

Limpar sempre a bandeja do ar condicionado;

Lonas para cobrir materiais de construção devem estar sempre bem esticadas para não acumular água;

Catar sacos plásticos e lixo do quintal.

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governoparana e www.pr.gov.br

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Estadual

Evento mais grave da história da Copel mobiliza 2,7 mil eletricistas

Publicados

em

Por


.

A Copel está enfrentando o pior evento climático de sua história em relação aos danos causados na rede de energia após o ciclone que atingiu o Paraná nesta semana. Desde as 10 horas de terça-feira (30), quando começaram os ventos fortes, 1,8 milhão de unidades consumidoras foram alternadamente afetadas – 38% do total de unidades consumidoras atendidas pela Copel.  

O pico de desligamentos aconteceu por volta de 17h20 de terça, com mais de 875 mil unidades consumidoras atingidas no Estado. As equipes da Copel atenderam com prioridade serviços públicos essenciais e seguiram buscando religar o maior número de consumidores ao longo da noite do mesmo dia e madrugada do dia seguinte. 

No começo da tarde de quarta-feira (1º), por volta das 13 horas, estavam abertos mais de 11,5 mil chamados de serviço em diferentes localidades. A média diária de serviços dos últimos três dias ficou em 5 mil. Em junho esse número fechou em 1,5 mil/dia.

A Copel chegou a ter mais de mil equipes – 777 delas de emergência – com 2,7 mil eletricistas próprios e terceirizados atendendo nas ruas. Profissionais do Interior foram deslocados para Curitiba, Região Metropolitana e Litoral para dar reforço nas áreas mais afetadas.  

Leia Também:  Pesca está liberada nas bacias do Paraná

O diretor-geral da Copel Distribuição, Maximiliano Orfali, enfatiza que toda a força de eletricistas da empresa está de alguma maneira envolvida, inclusive profissionais de outras áreas, além da operação e manutenção, como medição, automação e inspeção, entre pessoal próprio e terceirizado.

 “Foi realmente um caso excepcional, grave e histórico, e ainda assim os profissionais reconhecidamente qualificados da Copel atuaram de forma intensa para religar o mais rápido possível o maior número de consumidores”, afirma. 

CURITIBA, RMC E LITORAL  – Por conta do alto número de árvores e postes caídos, muitos trechos de redes estão exigindo reconstrução da estrutura. Desde o início do incidente, a Copel trocou 453 postes em diversas localidades do Paraná, e ainda restam 300 pendentes de troca (a média diária de troca de postes é 20).

Na Capital, a energia foi praticamente toda restabelecida. Restam apenas 1,5 mil desligamentos, o que corresponde a 0,2% do município. Nos últimos dias, o bairro do Uberaba foi um dos mais impactados, assim como boa parte da Cidade Industrial, Bacacheri, Fazendinha, Campo Comprido, Pinheirinho, Alto da Glória e Bom Retiro.

Leia Também:  Semana é marcada por mais restrições para conter o coronavírus

Curitiba e região receberam 66 equipes de eletricistas que foram remanejados do Norte e Noroeste do Paraná para reforçar o atendimento.

Na RMC alguns pontos estão demandando o trabalho de grandes equipes, como a Vila Macedo, em Piraquara. Ao todo, 35 postes foram ao chão com a tempestade. A Copel deslocou nove equipes, com 63 profissionais, para reconstruir os trechos.

O trecho sul da RMC foi o mais atingido. Nesta sexta-feira (03), Rio Negro segue com 1,3 mil desligamentos; Quitandinha com 4,5 mil; Campo do Tenente com 1,4 mil; Mandirituba com 3,5 mil e Tijucas do Sul com 2,5 mil. Em São José dos Pinhais, também uma das mais atingidas, os desligamentos diminuíram para 5,1 mil. 

No Litoral, Morretes e Antonina concentraram os maiores danos e Guaraqueçaba ainda está em situação crítica, com 3,5 mil unidades consumidoras sem energia.

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em:
http:///www.facebook.com/governoparana e www.pr.gov.br

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo