Política Nacional

Delator afirma que pagou R$ 115 mil de caixa dois à campanha de Witzel

Publicados

em

source

BRASÍLIA – Em delação premiada homologada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), o lobista Daniel Gomes afirmou ter pago R$ 115 mil de caixa dois em 2018 para a campanha eleitoral do atual governador do Rio Wilson Witzel (PSC) por meio de um suposto representante de sua campanha. Witzel nega as acusações e afirma que sua campanha não teve caixa dois.

Leia também: Witzel diz que gastos com câmeras em viaturas impediria compra de remédios

Wilson Witzel arrow-options
Reprodução/TV Globo

Wilson Witzel


Ex-conselheiro da Cruz Vermelha e com atuação na área da saúde, Gomes fez um acordo de delação que resultou na prisão do ex-governador da Paraíba Ricardo Coutinho (PSB) na Operação Calvário — ele já foi após uma decisão do STJ. Trechos do seu relato foram divulgados nesta sexta-feira pelo site “Crusoé” e confirmados pelo GLOBO.

Leia também: Witzel diz que mobilidade urbana será prioridade no seu segundo ano de governo

Segundo o relato de Daniel Gomes, o acerto para o caixa dois de Witzel foi feito com Robson dos Santos França, um assessor do então deputado federal Arolde de Oliveira (PSD-RJ), hoje senador. O delator não afirma ter negociado diretamente com Witzel os repasses.

Leia Também:  "Não vejo a hora do Lula morrer", diz deputado do PSL aliado de Bolsonaro

“Robson me disse que estava trabalhando na campanha de Wilson Witzel, pois o então deputado Arolde de Oliveira, da bancada evangélica, o estava apoiando e havia também de forma surpreendente sido eleito Senador da República”, afirmou. Robson, então, teria solicitado contribuição financeira para a campanha de Witzel, afirma o delator.

Como prova, o delator entregou imagens de trocas de mensagens com Robson nas quais havia suposto acerto dos pagamentos. “Eu resolvi atender o pedido e durante a campanha do segundo turno paguei a Robson o valor total de R$ 115 mil reais em espécie (doação não oficial), divididas em 3 parcelas, todas pagas pela minha secretária Michelle Louzada, destinados à campanha de Witzel”, diz trecho da delação.

Homologado pelo STJ, o relato envolvendo Witzel foi enviado para investigação no Rio de Janeiro. Como o assunto se refere a caixa dois, o caso deve tramitar na Justiça Eleitoral.

Procurada, a assessoria do governador negou o recebimento de caixa dois e disse que Robson não trabalhou na campanha de Witzel. “Robson dos Santos França, assessor do senador Arolde de Oliveira citado na referida delação, não trabalhou na campanha do governador Wilson Witzel. Todas as informações sobre a campanha foram prestadas à Justiça Eleitoral e as contas foram aprovadas pelo Tribunal Regional Eleitoral. A campanha de Wilson Witzel não teve caixa dois e o governador condena tais práticas”, diz a nota.

Leia Também:  CCJ pode aprovar cotas por sexo na OAB e conselhos profissionais

França não foi localizado para comentar. O senador Arolde de Oliveira se disse “preplexo” e afirmou que Robson França foi exonerado do seu gabinete.

Leia também: Para Witzel, Segurança Pública foi tema mais importante de seu governo em 2019

— Estou perplexo. Não poderia imaginar se tratar de delinquente achacador. Também não participei da campanha do governador. Ou melhor, gravei para a internet apenas uma mensagem de apoio — afirmou o senador.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política Nacional

Usando tornozeleira eletrônica, Pezão diz que vive com a aposentadoria da esposa

Publicados

em

source
Luiz Fernando Pezão arrow-options
Tomaz Silva/Agência Brasil

Ex-governador do Rio, Luiz Fernando Pezão responde processo por corrupção


Cercado de cuidados para evitar expor sua tornozeleira eletrônica, o ex-governador Luiz Fernando  Pezão , solto no último dia 11 de dezembro da Unidade Prisional da Polícia Militar, em Niterói, falou ao GLOBO sobre sua decepção e frustração com o ex-aliado Sérgio Cabral – já na 14ª condenação pelo megaesquema de corrupção desbaratado pela Lava-Jato. “Ele decidiu se voltar pra mim na 14ª condenação. Fiquei indignado”, disse Pezão, em sua casa em Piraí.

Escoltado pela mulher, Maria Lucia, que não permitia fotos da piscina ou de imagens espalhadas pela casa – como o famoso “São Pidão”, que levava em suas incursões a Brasília como governador para pedir verbas ao Rio e que agora está na cabeceira da cama.

Leia também: Réu na Lava Jato, Pezão é flagrado em bar bebendo cerveja em Piraí

Ele afirma que chegou a alertar o então governador, quando era vice, do excesso de ostentação que nutria em sua vida pessoal. Garante que vive da aposentadoria da mulher. E que paga uma quantia de 4 mil reais a seu advogado, preço bem abaixo do mercado. E que o ex-ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo advoga de graça para ele em Brasília.

Leia Também:  CAS aprova criação do Portal da Transparência da Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo