Política Nacional

Delator afirma que pagou R$ 115 mil de caixa dois à campanha de Witzel

Publicados

em

source

BRASÍLIA – Em delação premiada homologada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), o lobista Daniel Gomes afirmou ter pago R$ 115 mil de caixa dois em 2018 para a campanha eleitoral do atual governador do Rio Wilson Witzel (PSC) por meio de um suposto representante de sua campanha. Witzel nega as acusações e afirma que sua campanha não teve caixa dois.

Leia também: Witzel diz que gastos com câmeras em viaturas impediria compra de remédios

Wilson Witzel arrow-options
Reprodução/TV Globo

Wilson Witzel


Ex-conselheiro da Cruz Vermelha e com atuação na área da saúde, Gomes fez um acordo de delação que resultou na prisão do ex-governador da Paraíba Ricardo Coutinho (PSB) na Operação Calvário — ele já foi após uma decisão do STJ. Trechos do seu relato foram divulgados nesta sexta-feira pelo site “Crusoé” e confirmados pelo GLOBO.

Leia também: Witzel diz que mobilidade urbana será prioridade no seu segundo ano de governo

Segundo o relato de Daniel Gomes, o acerto para o caixa dois de Witzel foi feito com Robson dos Santos França, um assessor do então deputado federal Arolde de Oliveira (PSD-RJ), hoje senador. O delator não afirma ter negociado diretamente com Witzel os repasses.

Leia Também:  Qualidade de alimentos consumidos pelos brasileiros é tema de projetos que tramitam no Senado

“Robson me disse que estava trabalhando na campanha de Wilson Witzel, pois o então deputado Arolde de Oliveira, da bancada evangélica, o estava apoiando e havia também de forma surpreendente sido eleito Senador da República”, afirmou. Robson, então, teria solicitado contribuição financeira para a campanha de Witzel, afirma o delator.

Como prova, o delator entregou imagens de trocas de mensagens com Robson nas quais havia suposto acerto dos pagamentos. “Eu resolvi atender o pedido e durante a campanha do segundo turno paguei a Robson o valor total de R$ 115 mil reais em espécie (doação não oficial), divididas em 3 parcelas, todas pagas pela minha secretária Michelle Louzada, destinados à campanha de Witzel”, diz trecho da delação.

Homologado pelo STJ, o relato envolvendo Witzel foi enviado para investigação no Rio de Janeiro. Como o assunto se refere a caixa dois, o caso deve tramitar na Justiça Eleitoral.

Procurada, a assessoria do governador negou o recebimento de caixa dois e disse que Robson não trabalhou na campanha de Witzel. “Robson dos Santos França, assessor do senador Arolde de Oliveira citado na referida delação, não trabalhou na campanha do governador Wilson Witzel. Todas as informações sobre a campanha foram prestadas à Justiça Eleitoral e as contas foram aprovadas pelo Tribunal Regional Eleitoral. A campanha de Wilson Witzel não teve caixa dois e o governador condena tais práticas”, diz a nota.

Leia Também:  Blogueiro investigado sugeriu golpe em mensagens com assessor de Bolsonaro

França não foi localizado para comentar. O senador Arolde de Oliveira se disse “preplexo” e afirmou que Robson França foi exonerado do seu gabinete.

Leia também: Para Witzel, Segurança Pública foi tema mais importante de seu governo em 2019

— Estou perplexo. Não poderia imaginar se tratar de delinquente achacador. Também não participei da campanha do governador. Ou melhor, gravei para a internet apenas uma mensagem de apoio — afirmou o senador.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política Nacional

Andrea Matarazzo é o candidato entrevistado pelo iG nesta segunda

Publicados

em

Por


source
Andrea Matarazzo de camisa branca com casas desfocadas ao fundo
Divulgação

Andrea Matarazzo, candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PSD

O empresário Andrea Matarazzo (PSD) é o entrevistado desta segunda-feira (21), às 11h, na série de lives do portal iG com os candidatos à Prefeitura de São Paulo nas eleições municipais de 2020.

Matarazzo foi ministro da Secretaria de Comunicação da Presidência de Fernando Henrique Cardoso entre 1999 e 2001. Em 2005 se tornou subprefeito da Sé na gestão de José Serra na capital paulista. Ele assumiu também, em 2006, a Secretaria Municipal de Serviços, como subprefeito da Sé e secretário de Coordenação das Subprefeituras na gestão de Gilberto Kassab.

Em 2010, assumiu a Secretaria de Estado da Cultura, cargo que ocupou até 2 de abril de 2012. Se último cargo foi de vereador em São Paulo, entre os anos de 2013 e 2016.

Leia Também:  Qualidade de alimentos consumidos pelos brasileiros é tema de projetos que tramitam no Senado

Ao entrevista ao ar no  canal do YouTube ou na  página do Facebook do portal. Todas as entrevistas serão transmitidas nas duas plataformas a partir de hoje, sempre às 11h.

Durante a entrevista, os internautas poderão interagir e mandar perguntas. Essa é a hora para esclarecer todas as dúvidas e votar de forma consciente. Somente com informação de qualidade e democracia caminhando lado a lado que se toma a melhor decisão nas urnas.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo