Política Nacional

Delator afirma que pagou R$ 115 mil de caixa dois à campanha de Witzel

Publicados

em

source

BRASÍLIA – Em delação premiada homologada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), o lobista Daniel Gomes afirmou ter pago R$ 115 mil de caixa dois em 2018 para a campanha eleitoral do atual governador do Rio Wilson Witzel (PSC) por meio de um suposto representante de sua campanha. Witzel nega as acusações e afirma que sua campanha não teve caixa dois.

Leia também: Witzel diz que gastos com câmeras em viaturas impediria compra de remédios

Wilson Witzel arrow-options
Reprodução/TV Globo

Wilson Witzel


Ex-conselheiro da Cruz Vermelha e com atuação na área da saúde, Gomes fez um acordo de delação que resultou na prisão do ex-governador da Paraíba Ricardo Coutinho (PSB) na Operação Calvário — ele já foi após uma decisão do STJ. Trechos do seu relato foram divulgados nesta sexta-feira pelo site “Crusoé” e confirmados pelo GLOBO.

Leia também: Witzel diz que mobilidade urbana será prioridade no seu segundo ano de governo

Segundo o relato de Daniel Gomes, o acerto para o caixa dois de Witzel foi feito com Robson dos Santos França, um assessor do então deputado federal Arolde de Oliveira (PSD-RJ), hoje senador. O delator não afirma ter negociado diretamente com Witzel os repasses.

Leia Também:  PF intima Sergio Moro a depor em inquérito sobre atos antidemocráticos

“Robson me disse que estava trabalhando na campanha de Wilson Witzel, pois o então deputado Arolde de Oliveira, da bancada evangélica, o estava apoiando e havia também de forma surpreendente sido eleito Senador da República”, afirmou. Robson, então, teria solicitado contribuição financeira para a campanha de Witzel, afirma o delator.

Como prova, o delator entregou imagens de trocas de mensagens com Robson nas quais havia suposto acerto dos pagamentos. “Eu resolvi atender o pedido e durante a campanha do segundo turno paguei a Robson o valor total de R$ 115 mil reais em espécie (doação não oficial), divididas em 3 parcelas, todas pagas pela minha secretária Michelle Louzada, destinados à campanha de Witzel”, diz trecho da delação.

Homologado pelo STJ, o relato envolvendo Witzel foi enviado para investigação no Rio de Janeiro. Como o assunto se refere a caixa dois, o caso deve tramitar na Justiça Eleitoral.

Procurada, a assessoria do governador negou o recebimento de caixa dois e disse que Robson não trabalhou na campanha de Witzel. “Robson dos Santos França, assessor do senador Arolde de Oliveira citado na referida delação, não trabalhou na campanha do governador Wilson Witzel. Todas as informações sobre a campanha foram prestadas à Justiça Eleitoral e as contas foram aprovadas pelo Tribunal Regional Eleitoral. A campanha de Wilson Witzel não teve caixa dois e o governador condena tais práticas”, diz a nota.

Leia Também:  Projeto prevê uso de aviação agrícola no combate a incêndio florestal

França não foi localizado para comentar. O senador Arolde de Oliveira se disse “preplexo” e afirmou que Robson França foi exonerado do seu gabinete.

Leia também: Para Witzel, Segurança Pública foi tema mais importante de seu governo em 2019

— Estou perplexo. Não poderia imaginar se tratar de delinquente achacador. Também não participei da campanha do governador. Ou melhor, gravei para a internet apenas uma mensagem de apoio — afirmou o senador.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política Nacional

STJ manda Justiça do Rio analisar pedido de liberdade de ex-deputada

Publicados

em

Por


source

Agência Brasil

deputada
Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados

Em nota divulgada após a deflagração da operação, Cristiane Brasil disse que é vítima de perseguição política


O ministro Joel Ilan Paciornik, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), determinou, nesta sexta-feira (18), que a Justiça do Rio de Janeiro examine, em 24 horas, o pedido de liberdade da ex-deputada federal Cristiane Brasil .


Ela está presa desde a semana passada em função de investigações sobre um suposto esquema de desvio de recursos públicos em contratos da área de assistência social no estado e no município do Rio de Janeiro, entre 2013 e 2018. Cristiane é filha do presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson.

A decisão foi motivada por um pedido da defesa para que os pedidos de habeas corpus protocolados no Tribunal de Justiça do Rio sejam analisados.

Leia Também:  Especialistas fazem reparos à reforma no Código de Trânsito Brasileiro

Segundo o Ministério Público (MP), as investigações que levaram à prisão da ex-deputada constataram fraudes em contratos para diversos projetos sociais na Fundação Leão XIII, entidade estadual voltada para o atendimento a populações de baixa renda e moradores de rua do Rio de Janeiro, e também nas secretarias municipais de Envelhecimento Saudável e Qualidade de Vida e de Proteção à Pessoa com Deficiência do Rio de Janeiro, de 2013 a 2018.

Ainda de acordo com o MP, a organização criminosa era composta por três núcleos, o empresarial, o político e o administrativo, atuando para que fossem direcionadas licitações no município do Rio e no estado, visando à contratação fraudulenta das empresas Servlog Rio e Rio Mix 10, mediante o pagamento de propina a servidores públicos, que variava de 5% a 25% do valor do contrato.

Em nota divulgada após a deflagração da operação, Cristiane Brasil disse que é vítima de perseguição política . “Tiveram oito anos para investigar essa denúncia sem fundamento, feita em 2012 contra mim, e não fizeram, pois não quiseram”, declarou. 

Leia Também:  Brasil celebra Dia Nacional de Luta das Pessoas com Deficiência nesta segunda-feira

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo