Política Nacional

Davi e Bolsonaro acompanham trabalho de restabelecimento de energia no Amapá

Publicados

em


O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, viajou neste sábado (21) ao Amapá acompanhado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro. Eles foram acompanhar o trabalho de restabelecimento da energia no estado, que sofre com a falta de luz desde o dia 3 de novembro.

“Geradores da usina termoelétrica serão ativados. Soluções técnicas urgentes e trabalho em conjunto são necessários para devolver a luz aos amapaenses”, disse Davi no Twitter.

Eles decolaram da base aérea de Brasília, com destino a Macapá, por volta das 12h30. A agenda inclui visitas às subestações de energia de Santana, na região metropolitana de Macapá, e de Santa Rita, na capital. A volta está prevista para as 18h.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Celulares indicam localização de funcionários fantasmas de Flávio Bolsonaro
Propaganda

Política Nacional

Celulares indicam localização de funcionários fantasmas de Flávio Bolsonaro

Publicados

em

Por


source
Flávio Bolsonaro
Agência Senado

Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) durante sessão de comissão mista

Um mapa e calor feito a partir dos registros telefônicos de oito dos 12 assessores de “fantasmas” de  Flávio Bolsonaro (Republicanos) foi utilizado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) para trazer novas conclusões ao caso de rachadinhas na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro entre 2007 e 2018.

O rastreamento dos assessores pelo MP-RJ foi enviado à Justiça e mostra que oito deles apareciam raramente nos arredores da Alerj . Ao menos 47 mil ligações foram cruzadas para conseguir o demonstrativo de geolocalização utilizado pelo Ministério Público como prova contra Flávio Bolsonaro .

O intuito da investigação é comprovar o esquema de ” rachadinhas ” no gabinete do senador durante o período em que foi deputado estadual do Rio de Janeiro por 11 anos.

Leia Também:  'Fake News', diz Covas sobre prefeitura estar escondendo segunda onda em SP

Os assessores de Flávio Bolsonaro , filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), teriam desviado R$ 6.100.091,95 dos cofres públicos da Alerj.

Os promotores do caso alegam que a organização agiu durante mais de uma década “com alto grau de estabilidade, de forma estruturalmente ordenada, caracterizada pela clara divisão de tarefas entre seus integrantes e com o objetivo de, reiteradamente, desviar recursos”.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo