Política Nacional

DataSenado: Maioria acredita que há mais contaminados com covid-19 que o divulgado

Publicados

em


.

De acordo com pesquisa do Instituto DataSenado, a maioria dos brasileiros acredita que o número de contaminados no país com o novo coronavírus é maior que o divulgado. A pesquisa também indica que a TV é a principal fonte de informações sobre a pandemia; a maioria acredita que a crise econômica provocada pela covid-19 deve se agravar; e quase todos apoiam o uso obrigatório de máscara oficial em lugares públicos.

O DataSenado informou que a pesquisa foi realizada entre os dias 18 e 20 de maio, quando foram entrevistadas, por telefone, 1.200 pessoas com mais de 16 anos, em uma amostra representativa da opinião da população brasileira.

Para 59% dos participantes, o número de pessoas contaminadas pelo novo coronavírus no Brasil é maior do que o noticiado, enquanto 28% acreditam que o número de contaminados é menor que o divulgado.

A pesquisa também mostra que, para 62%, a TV é a principal fonte de informações sobre a pandemia de coronavírus. Os sites de notícias são o segundo meio mais citado: 16%. Em seguida aparecem “outros meios” (10%), Facebook (7%) e WhatsApp (4%).

Crise econômica e sanitária

A maioria dos entrevistados (57%) acredita que a crise econômica provocada pela covid-19 deve se agravar. Para outros 32%, atualmente a economia do país enfrenta a pior fase da crise.

Em relação à crise na saúde, as opiniões estão divididas: 45% dos participantes da pesquisa acreditam que o momento atual é o pior, enquanto outros 48% avaliam que o pior dessa crise ainda está por vir.

Quase todos os participantes da pesquisa (98%) manifestaram apoio ao uso obrigatório de máscaras faciais em lugares públicos.

Segundo a coordenadora do DataSenado, Laura Nascimento, a pesquisa indica a preocupação dos brasileiros com os impactos econômicos causados pela pandemia. Ela afirma que, nesse sentido, é significativo o apoio da população a projetos de lei que visam aliviar as dificuldades financeiras de pessoas, empresas, municípios e estados.

Leia Também:  Leila Barros defende auxílio emergencial para profissionais do esporte

Auxílio emergencial

O DataSenado quis também saber quanto os entrevistados sabiam sobre o auxílio emergencial aprovado pelo Congresso Nacional para trabalhadores informais, autônomos e desempregados: 47% disseram saber pouco; 43% muito; 7%, nada; e 3% não souberam ou preferiram não responder.

Os participantes da pesquisa responderam ainda se solicitaram o auxílio emergencial. Do total, 54% disseram não e 46%, sim. Dos que solicitaram o auxílio, 65% afirmaram que receberam a primeira parcela e 35%, não.

Nove em cada dez entrevistados acham que o pagamento do auxílio emergencial deve ser estendido até o final do estado de calamidade pública, como preveem os seguintes projetos de lei em tramitação no Senado: o PL 2.593/2020, da senadora Kátia Abreu (PP-TO); o PL 2.627/2020, do senador Jean Paul Prates (PT-RN); e o PL 2.133/2020, do senador Jaques Wagner (PT-BA).

Questionados sobre a prorrogação, 91% dos entrevistados concordam com a medida; 7% discordam; e 2% não souberam ou preferiram não responder. Para Jean Paul, o resultado mostra que a população brasileira “já se divorciou das bandeiras do governo Bolsonaro”.

— O que já foi aprovado até agora estabelece o auxílio por apenas três meses. É pouco e não é suficiente para impedir que uma grande parte dos brasileiros afunde na miséria até o final do ano. O governo tem que entender o que os brasileiros já entenderam: essa pandemia é uma crise grave e que só o Estado, só o governo pode socorrer a população. Isso está ocorrendo em todo o mundo, em todos os países. Ficar na contramão é uma péssima política — observou o senador.

Leia Também:  Dúvidas sobre o coronavírus: como fica o salário com jornada de trabalho reduzida

Internet

Os entrevistados também opinaram sobre o projeto de lei (PL 2.388/2020), da senadora Daniella Ribeiro (PP-PB), que propõe a criação de um auxílio no valor de R$ 100 mensais para famílias de baixa renda pagarem serviços de comunicação como internet e celular durante a pandemia. O resultado mostra que 73% dos brasileiros consideram a proposta muito importante; 26% discordam do pagamento do auxílio; e 1% não soube ou preferiu não responder.

Outros projetos também foram avaliados pela pesquisa:

Projeto de Lei 1.448/2020, do senador Alvaro Dias (Podemos-PR) – suspende os descontos, no salário, de parcelas de empréstimos e financiamentos enquanto durar a pandemia: 71% acham muito importante; 16%, pouco importante; 9% nada importante; e 5% não souberam ou preferiram não responder.

Projeto de Lei 662/2020, do deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) – garante o seguro-desemprego a microempresários individuais que perderam a renda: 82% acham muito importante; 11%, pouco importante; 4% nada importante; e 3% não souberam ou preferiram não responder.

Projeto de Lei 1.079/2020, do deputado federal Denis Bezerra (PSB-CE) – suspende o pagamento do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) durante a quarentena: 71% acham muito importante; 17%, pouco importante; 9% nada importante; e 3% não souberam ou preferiram não responder.

Projeto de Lei 675/2020, do deputado federal Denis Bezerra (PSB-CE) – proíbe a inscrição de novos consumidores em cadastro de devedores durante a pandemia: 55% acham muito importante; 25%, pouco importante; 15% nada importante; e 5% não souberam ou preferiram não responder.​

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política Nacional

Atrasos nos dados diários de Covid-19 podem gerar “apagão técnico”

Publicados

em

Por


source

Cabe ao Ministério da Saúde a tarefa de divulgar, diariamente, os dados que mostram o avanço da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (Sars-coV-2), no Brasil. Todavia, da última semana de maio para cá, a pasta tem atrasado a entrega dos relatórios, o que faz especialistas temerem um possível “apagão de dados”.

Leia também: “Mortos por Covid-19 em SP não foram por colapso da saúde”, diz Gabbardo

General Eduardo Pazuello assumiu interinamente o comando do Ministério da Saúde no lugar de Nelson Teich
José Dias/PR

General Eduardo Pazuello assumiu interinamente o comando do Ministério da Saúde no lugar de Nelson Teich

Com a saída de Nelson Teich do Ministério da Cultura , quem assumiu de forma interina foi o número dois da pasta, o general Eduardo Pazuello. Desde então, a divulgação dos dados – que inicialmente acontecia às 17h00 – tem se tornado mais turva.

Leia também: Pandemia de Covid-19 está desacelerando em São Paulo, diz secretário

A contar da penúltima semana de maio, o boletim tem sido divulgado mais tarde, em horários que variam de 19h40 a 20h50. Na quarta-feira (3), o atraso bateu um recorde: três horas. Os dados, só vieram por volta das 22h00.

Leia Também:  Atrasos nos dados diários de Covid-19 podem gerar "apagão técnico"

No Brasil, onde já há baixa realização de testes e grande subnotificação, segundo especialistas, três horas podem ser cruciais para o combate à Covid-19.

“O risco é de um apagão técnico”, declarou Bernadete Perez, vice-presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva ao Uol . “É uma situação complicada”, completou.

“Gostando ou não, confiando ou não, os dados do Ministério da Saúde são os oficiais do Brasil. O primeiro problema é ficar sem dado oficial. Isso tem um impacto na assistência, porque muda o planejamento e a tomada de decisão de gestores que estão monitorando esses dados. Então também causa um efeito cascata”, afirmou ao Uol Evaldo Stanislau, infectologista do Hospital das Clínicas, em São Paulo.

O biólogo e divulgador científico Atila Iamarino, doutor em virologia pela Universidade de São Paulo, usou o Twitter para comentar os atrasos. “Se começarem a não publicar os números, já era. Perderemos o controle [da pandemia] por completo”, escreveu.

Na quarta-feira (3), com o atraso recorde, espalhou-se pela internet a hipótese de que a demora era uma forma de o governo “boicotar” telejornais diários, em especial o “Jornal Nacional”, da Globo , que é veiculado às 20h30.

Leia Também:  Atraso em boletins dos dados da Covid-19 foi ordem de Bolsonaro, afirma jornal

Leia também: Covid-19: Brasil tem 1,3 mil mortos em 24h; total de óbitos é 32.548

Não há evidências concretas que sustentem a tese, mas Iamarino comentou a possibilidade. “Enquanto o atraso ‘só’ boicotar os jornais, menos mal. Horrível e antidemocrático, mas ainda funcional. Se não tivermos esse número atualizado, não é mais democracia”, disse.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo