Geral

Crimes contra a mulher aumentam em agosto no estado do Rio

Publicados

em


.

O número de homicídios dolosos (quando há a intenção de matar) caiu 20% no estado do Rio de Janeiro em agosto deste ano, na comparação com o mesmo período de 2019. Este foi o número mais baixo para o indicador no mês de agosto em toda a série histórica, iniciada em 1991 pelo Instituto de Segurança Pública (ISP).

Segundo dados divulgados nesta terça-feira (15) pelo ISP, foram registradas no mês passado 256 crimes de morte contra os 320 ocorridos no mesmo mês em 2019. Já os crimes contra a mulher, como estupro, lesão corporal dolosa e ameaça de espancamento aumentaram em agosto em relação ao mês anterior.

Os crimes tipificados pela Lei Maria da Penha caíram 30% em agosto. Apesar da queda dos registros das transgressões analisadas, aumentou a proporção de crimes mais graves ocorridos  em casa. No período estudado neste ano, 67,1% dos crimes de violência sexual (58,3% em 2019) e 66% dos de violência física (60,2% em 2019) foram cometidos dentro de casa.

Pandemia

Desde o início da pandemia de covid-19, com a convivência maior dos casais dentro de casa, o número de ligações para o Serviço 190 da Polícia Militar referentes a crimes contra a mulher aumentou 12,2%, na mesma comparação de datas.

Leia Também:  Bolsonaro sanciona lei que amplia uso de assinatura digital

No entanto, desde o fim de maio, o registro de vítimas mulheres vem aumentando. Em agosto passado, os números voltaram a se aproximar do patamar de 2019. Na última semana de agosto, contudo, os registros relacionados a violência sexual, psicológica e moral caíram notadamente na comparação com 2019.

Os feminicídios aumentaram 6,9%, em relação ao total de registros de julho. Já os crimes de lesão corporal dolosa e ameaça contra mulheres diminuíram 9,5% e 11%, respectivamente, na  comparação de agosto de 2019 para agosto deste no. Os estupros registraram aumento de 6,5% no mês passado comparado ao mesmo mês do ano anterior. Em paralelo com o mês de julho de 2020, houve aumento do número de vítimas para os três delitos: 3,4% a mais para lesão corporal dolosa, 13,4% para ameaça e 24,8% para as vítimas de estupro.

Os crimes violentos letais intencionais (homicídio doloso, roubo seguido de morte e lesão corporal seguida de morte) fizeram 2.492 vítimas de janeiro a agosto. No mês passado, foram 269. Os números são os menores para o acumulado e para o mês desde o início da série histórica, em 1999. Na comparação com o ano passado, o indicador caiu 12% em relação ao acumulado do ano e de 18% na comparação com agosto de 2019.

Leia Também:  Caça Gripen da FAB, adquirido da Suécia, faz primeiro voo no Brasil

Outros indicadores

As mortes por intervenção de agentes do Estado também se reduziram: de janeiro a agosto, foram 878 mortes – 50 em agosto. Na comparação com o ano passado, houve queda de 30% na comparação com o acumulado do ano e de 71% em relação a agosto.

De janeiro a agosto, houve 3.516 casos roubos de carga no estado roubos de carga no estado, sendo 416 em agosto. Na comparação com o ano passado, o indicador caiu 33% em relação ao acumulado do ano e 29% ante agosto. Os roubos de veículos também diminuíram em relação ao mesmo período do ano passado: 17.407, sendo 1.793 em agosto. Na comparação com 2019, houve queda de 38% no acumulado do ano e de 44% em relação a agosto.

Os roubos de rua (roubos a transeuntes, de aparelhos celulares e em coletivos) somaram 49.201 registros de janeiro a agosto e de 5.414 em agosto. Na comparação com o ano passado, houve queda de 42% no acumulado do ano e de 45% em relação a agosto.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Geral

Festival de Música Rádio MEC anuncia vencedores hoje

Publicados

em

Por


.

Após quatro meses e com 1.029 músicas inscritas, a 12ª edição do Festival de Música Rádio MEC vai anunciar as vencedoras nesta sexta-feira (25). A cerimônia será transmitida pelas páginas do Facebook, YouTube e Twitter da TV Brasil, pelo site das Rádios EBC e nesta página (no player abaixo) a partir das 20h.

Assista ao vídeo que será exibido na abertura da live de hoje

Vídeo:  Roteiro e edição: Edgard Matsuki , Edição imagens : Alex Ribeiro, Arte: Daniel Dresch e Bruno Godinho

A cerimônia terá a apresentação do radialista Tiago Alves e performances da Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB), do acordeonista Marcelo Caldi, do grupo Farra dos Brinquedos e da cantora Nilze Carvalho.

Ao todo, 22 composições concorrem aos nove prêmios do festival. Na final, 12 músicas disputam na categoria Voto Popular, três músicas ao prêmio de melhor composição e melhor intérprete na categoria Música Clássica, três concorrem ao prêmio de melhor composição e melhor intérprete na categoria Música Instrumental, três ao prêmio de melhor composição e melhor intérprete na categoria Música Infantil e outras três disputam o prêmio de melhor composição e melhor intérprete na categoria MPB.

Classificado para a final nas categorias Voto Popular e Música Instrumental, o músico Ivan Melillo se diz honrado pelo reconhecimento e destaca a importância do festival. “O festival da MEC sempre teve muita relevância no cenário cultural brasileiro, com ou sem pandemia. Para mim, é um trabalho de anos sendo reconhecido”, diz. Além de Melillo, o único compositor classificado para a final em duas categorias é Chico Oliveira, que morreu no início deste ano.

Leia Também:  Direitos políticos de mulheres: Brasil é o 9º entre 11 países, diz ONU

A compositora Ângela Brandão, que concorre na categoria Música Infantil, diz que está ansiosa pelo resultado. “Eu me senti muito feliz e muito honrada de ver meu nome na final. Uma música nossa com a chancela da Rádio MEC é muito especial. Agora eu tô aqui na torcida, né? Vamos ver”, afirmou. Ângela também destacou que o Festival de Música Rádio MEC teve uma importância maior neste ano.

“Eu acho que os festivais sempre tiveram um papel muito importante pra música popular brasileira, basta ver na história, né? E agora, durante a pandemia, eles ganham um sentido novo, com uma oportunidade de troca e de conhecer trabalhos que, de outra forma, talvez a gente não viesse a conhecer. Então, é um papel muito importante, é muito bonito”.

Edição de 2020 do festival teve recorde de inscrições e foi o primeiro totalmente online

A edição de 2020 do Festival de Música Rádio MEC foi a primeira da história com um processo de inscrições e divulgação de resultados totalmente online. De acordo com Thiago Regotto, gerente da Rádio MEC, a pandemia da covid-19 forçou a organização do evento a se reinventar:

“A primeira pergunta que a gente fez nesse cenário foi ‘como realizar’, porque ‘não realizar’ nunca foi uma questão pra gente. Foi aí que percebemos que a internet poderia ser uma grande aliada. Eu acho que os vídeos foram um grande acerto porque humanizaram o processo”.

Na primeira fase do festival, vencedores de edições anteriores ajudaram a divulgar que as inscrições estavam abertas. Na segunda fase, os 100 classificados para as semifinais pediram o voto do público. Na fase final, os concorrentes contaram um pouco da história das composições.Assista aos vídeos.

Leia Também:  Festival de Música Rádio MEC anuncia vencedores hoje

A divulgação resultou em um recorde de músicas concorrentes e votos do público. Ao todos, foram 1.029 músicas inscritas e mais de meio milhão de votos, até o momento, no site do festival. “O que poderia ser um problema, a limitação por causa da pandemia, fez a gente enxergar oportunidades e garantiu um bom resultado”, completa Regotto.

Ouça as 12 músicas finalistas do júri no Festival de Música Rádio MEC.

Vote na sua música preferida na categoria Voto Popular (Votação aberta até as 21h).

Edição: Beatriz Arcoverde

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo