Economia

Crédito com juros menores para microempresários movimenta R$ 7 milhões

Publicados

em


.

Uma parceria entre a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e a Caixa Econômica Federal viabilizou a assinatura de 35 contratos, no valor total de R$ 7 milhões, com o apoio dos fundos Garantidor para Investimentos (FGI) e de Garantia de Operações (FGO), para micro e pequenos empresários de todo o país.

Entre os benefícios, as linhas de financiamento possibilitaram uma redução dos juros de até 28%, se comparada à taxa de balcão, além de carência de até 60 meses para pagamento. Os recursos podem financiar capital de giro e bens de consumo duráveis. Os interessados podem acessar aqui a página eletrônica da parceria, que está aberta a novos empréstimos.

De acordo com a CNI, os R$ 7 milhões representam a soma dos R$ 5,3 milhões liberados na fase piloto do projeto, em julho, com recursos do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), e de R$ 1,7 milhão operacionalizados pela rede do Núcleo de Acesso ao Crédito (NAC), presente em 22 estados, desde o lançamento da parceria, em 25 de agosto. 

Leia Também:  Durante o mês de agosto, marketplaces de nicho crescem na comparação com mês anterior

Além das condições especiais de juros e pagamento, as indústrias que contratararem o financiamento contarão com o apoio de profissionais especializados do NAC para orientação financeira a fim de identificar a melhor alternativa de crédito ofertada.

O pacote de benefícios inclui ainda o Cartão Empresarial, com isenção da primeira anuidade para empresas com domicilio bancário de recebíveis na Caixa e seis meses de isenção total ou 12 meses com 50% de isenção para adesão na cesta de serviços para novos correntistas ou correntistas sem cesta.

Essas condições estão sujeitas à análise de risco de crédito e disponibilidade de recurso, bem como são válidas para empresas que tenham 12 ou mais meses de faturamento e garantias compatíveis com as exigidas, que variam de acordo com a linha de crédito, informou a CNI.

O programa oferece três linhas de crédito: Capital de giro pós-fixada, destinada a empresas com faturamento anual fiscal superior a R$ 360 mil, com juros a partir de 0,83% ao mês mais Taxa Referencial (TR), prazo de até 60 meses e carência automática de três meses; Capital de giro prefixada, voltada a micro e pequenas empresas, com juros a partir de 1,19% ao mês, prazo de 48 meses e carência automática de três meses; e BDC – Bens de Consumo Duráveis com taxa pós-fixada, com juros a partir de 0,92% ao mês, prazo de até 60 meses e até seis meses de carência.

Leia Também:  Agência Brasil explica o que é o Sistema S

Para ajudar o empresário a escolher qual a melhor opção, a CNI produziu cartilhas com orientações. Em se portal, a CNI também oferece atendimento personalizado por profissionais, diretamente no canal do NAC.

Edição: Nádia Franco

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

Investir em franquias gastronômicas surge como opção com a queda dos juros no Brasil

Publicados

em

Por

Quando se fala em investimentos, o primeiro raciocínio é buscar soluções no mercado financeiro, seja com as opções de baixo risco (como poupança e CDBs) ou de médio e alto risco (fundos atrelados à Bovespa ou o próprio mercado de ações). Em 2019, por exemplo, a inflação brasileira foi de 4,31%, e a poupança rendeu 4,26%. Ou seja, quem aplicou na poupança teve um retorno inferior ao da inflação: em outras palavras, perdeu dinheiro. Há outros segmentos que podem gerar interesse de investidores, como o de gastronomia, especialmente em franquias que têm se destacado no país.

José Araújo Neto, fundador das redes Mr. Hoppy e Porks, que juntas contam com mais de 55 lojas espalhadas pelo país,vê nas franquias uma oportunidade de investimento tanto para quem já está à procura de opções quanto para um certo tipo de assalariado interessado em gerenciar o seu próprio tempo, ser seu próprio patrão e sair de uma rotina comercial estabelecida. “O tempo de retorno desse tipo de investimento gira de 8 a 12 meses, uma média histórica”, diz. “Todo investimento tem um risco, mas a gastronomia se apresenta como boa opção, pois se tratade um retorno muito mais rápido do que os tradicionais financeiros a que estamos acostumados”, complementa o empresário.

Leia Também:  Caixa abre 770 agências hoje das 8h às 12h

Com investimento entre R$ 130 e 180 mil para se abrir uma franquia, o porcentual de rentabilidade chega a 15% ao mês – algo em torno de R$ 15 mil líquidos para o investidor, retirando já os custos brutos (incluindo o investimento no negócio). “Estamos falando em torno de 120% de rentabilidade sobre o capital líquido ao ano, especialmente para um modelo de franquia com royalties fixos, que é o trabalhado pelo Mr. Hoppy e pelo Porks. Quanto mais recursos entram para o franqueado, mais fica para ele, independentemente do faturamento”, destaca Araújo Neto.

Perfil de empreendedor

Um assalariado que ganhe menos de R$ 10 mil ao mês e tenha recursos disponíveis para investir em uma franquia pode começar uma nova vida na gastronomia. Nesse contexto, Araújo Neto cita 10 características que um futuro empreendedor precisa considerar antes de ingressar nesta vida: (1) senso de negócio; (2) capacidade de tolerância; (3) flexibilidade e capacidade de adaptação; (4) visão empreendedora; (5) habilidade para resolver problemas; (6) relacionamento interpessoal; (7) liderança; (8) questionador; (9) corajoso; e, por fim, (10) alta capacidade de aprendizagem.

Leia Também:  Durante o mês de agosto, marketplaces de nicho crescem na comparação com mês anterior

“Não há uma necessidade de ter todas essas características pessoais, mas de identificar algumas delas em seu perfil. Entendo que a habilidade para resolver problemas e ser questionador fazem um empreendedor andar para frente de fato. É levantando dúvidas sobre todos os processos que vamos identificando soluções para os problemas”, ressalta Araújo Neto.

Para o professor de finanças do ISAE Escola de Negócios, Pedro Salanek, as franquias são uma ótima opção para quem pretende empreender, mas exigem uma atenção especial dos investidores. “Estamos tratando de negócios em que o investidor consegue alinhar o fato de rentabilizar seu capital com o prazer de trabalhar em uma área que gosta. Em linhas gerais, é importante que o investidor fique bem atento aos contratos, conhecendo profundamente cada detalhe da franquia e de seus administradores. É fundamental que ele aposte em franquias idôneas, consolidadas no mercado e com um projeto de expansão bem fundamentado, e que permitam o compartilhamento de estratégias e decisões que foquem no crescimento da rede”, completa Salanek.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo