Saúde

Covid-19: Brasil tem 1,1 mil mortes e 36,6 mil casos nas últimas 24h

Publicados

em


.

Nas últimas 24 horas, o Brasil registrou 1.113 óbitos e 36.653 novos casos relacionados ao novo coronavírus. Os dados estão no balanço diário do Ministério da Saúde divulgado na noite desta terça-feira (15).

Desde o início da pandemia, 133.119 pessoas morreram em razão da covid-19. Ontem, o sistema de dados do Ministério da Saúde marcava um total de 132.006 óbitos. Outros 2.445 ainda estão em investigação pelas autoridades de saúde.

Ainda de acordo o balanço diário, o número de pessoas diagnosticadas com covid-19 desde o início da pandemia chegou a 4.382.263. No painel do Ministério da Saúde, o número de casos acumulados ontem estava em 4.345.610.

Do total de infectados,  3.671.128 já se recuperaram da covid-19 desde o início da pandemia, isso representa 83,8%. Atualmente, 578.016 pacientes estão em tratamento, ou seja, 13,2%.

Os números diários são menores aos domingos e segundas-feiras em razão das dificuldades para alimentação pelas secretarias estaduais. Já às terças-feiras, o número em geral é maior em função do acúmulo de registro encaminhado ao painel do Ministério da Saúde.

Leia Também:  Brasil registra 739 mortes pela covid-19 nas últimas 24 horas

A letalidade (número de óbitos pelo total de casos) ficou em 3%. A mortalidade (número de falecimentos por 100 mil habitantes) está em 63,3. Já a incidência (total de casos por 100 mil habitantes) subiu para 2085,3.

Covid-19 nos estados

São Paulo é o estado com o maior número de óbitos (32.963), mas vem apresentando queda nos indicadores. Há cinco semanas, São Paulo registra a diminuição na média móvel de mortes por dia e, há duas semanas, redução na média móvel de casos. A queda é lenta, mas tem sido constante.

Rio de Janeiro registra o segundo maior número de mortes (17.180); seguido por Ceará (8.739), Pernambuco (7.914) e Pará (6.387).

As Unidades da Federação com o menor número de mortes até o momento são Roraima (611), Acre (642), Amapá (682), Tocantins (822) e Mato Grosso do Sul (1.106).

Boletim epidemiológico covid-19Boletim epidemiológico covid-19

Boletim epidemiológico covid-19 – Ministério da Saúde

Edição: Liliane Farias

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Dia de Conscientização do Alzheimer alerta para o diagnóstico precoce

Publicados

em

Por


.

Lembrado hoje (21), o Dia Mundial de Conscientização e Prevenção do Alzheimer chama a atenção para a importância do diagnóstico precoce da doença como forma de aumentar a qualidade de vida do paciente por mais tempo. Principal doença degenerativa no mundo, ela causa uma deterioração do funcionamento cerebral com perda de funções cognitivas, prejuízos de atenção e memória, dentre outros efeitos.

De acordo com a Associação Internacional de Alzheimer, cerca de 50 milhões de pessoas no mundo são acometidas por demência, sendo a mais comum o alzheimer. No mundo, a cada 3 segundos uma pessoa desenvolve algum tipo de demência e estima-se que o número de pessoas nesta condição triplique, passando para 152 milhões em 2050.

O médico geriatra e professor da Universidade Santo Amaro Márcio Kamada alerta para a importância do diagnóstico precoce da doença para que o tratamento seja iniciado o mais brevemente possível postergando os estágios mais graves do alzheimer. “É uma doença progressiva. Os tratamentos vão tentar retardar a evolução da doença e tentar manter o idoso no convívio social para que não fique agressivo ou tenha atitudes inapropriadas socialmente”.

Leia Também:  Dia do doador de medula: transplante une famílias no Recife

Ele destacou a necessidade de formação adequada dos profissionais de saúde para que a doença não seja tratada em sua fase inicial como transtornos como depressão ou ansiedade “É muito importante que os médicos que estão na atenção primária do Sistema Único de Saúde (SUS) recebam treinamento adequado para identificar precocemente o declínio cognitivo. Muitos dos medicamentos para a demência estão disponíveis de graça na rede pública”.

Segundo o médico geriatra, um dos sintomas mais importantes para o diagnóstico precoce é a perda de memória recente. “A pessoa passa a ser repetitiva, pergunta algo que tinha acabado de perguntar, sendo que a memória antiga está preservada, ela lembra de fatos da infância. O idoso esquece onde guarda os objetos, esquece as palavras. Os familiares percebem que ele perde a capacidade de fazer contas, de lidar com o dinheiro, de receber um troco”.

Numa segunda fase, diz Kamada, o idoso tem problemas de convívio social porque aumenta a agressividade, há constante alteração do humor. Em estágio mais avançado, a pessoa perde a mobilidade, não consegue comer, trocar de roupa ou tomar banho sozinha e passa a ficar praticamente em cima de uma cama.

Leia Também:  Saúde atualiza números da pandemia: Brasil tem 363 novos óbitos

O tratamento é feito com uma equipe multidisciplinar de médicos, fisioterapeuta, terapeuta ocupacional, educador físico, nutricionista, assistente social. “Mas o melhor tratamento é a inserção social com acolhimento familiar e paciência”.

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo